ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Página 4 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4

Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Set 06, 2018 8:44 pm

Permitir a manifestação do imaginário humano e de sua diversidade.
Somente a partir de então, estabelecer laços entre a experiência particular e as bases gerais da doutrina.
Que caminho melhor para isso haverá que interrogar?
Fazer perguntas e não ocupar-se em respostas exactas ou certezas imediatistas.
Contudo, mesmo quando atingirmos o patamar de aplicarmos uma didáctica rica de alteridade, alguns questionamentos, essencialmente pessoais, permanecerão na acústica da alma como "pistas" para o processo da individuação - a celebração da individualidade divina arquivada no inconsciente.
Chega um instante na caminhada do amadurecimento espiritual em que somos convocados ao "chamado particular de ascensão".
Depois de um tempo de esforços e disciplina, nasce o fruto interior do acrisolamento da personalidade excelsa que estamos talhando.
Seremos levados a indagar:
que queremos da nossa reencarnação?
Estarei manifestando minha singularidade ou seguindo convenções e julgamentos?
Estou ouvindo meus sentimentos ou adoptando preceitos que me foram passados?
Qual o meu propósito na Obra da Criação?
Que missão devo desempenhar perante a vida?
Quais são minhas reais intenções perante a existência?
O quero realizar para meu processo de elevação espiritual?
Quem não sabe o que quer não toma decisões afinadas com seu íntimo.
Conhecer nossas intenções, ter consciência de sua natureza, é fundamental para nossa paz interior.
Quanto mais consciência de suas reais intenções, mais a criatura:
* Visualiza seu futuro.
* Sustenta seus ideais.
* Melhora a relação consigo.
* Alcança o clima da serenidade e dilata sua responsabilidade.
* Sintoniza-se com seu planeamento reencarnatório.
É nesse aspecto subjectivo da vida íntima que reside o "mapa" para o destino.
O que desejo realizar?
Que aspirações motivam minha vida?
Onde quero chegar?
O que espero alcançar em mim?
Confiar em si sem auto-suficiência; amar sua existência como se é, buscando aprimoramento gradativo; dar-se o direito de escolher e fazer opções sobre seus planos de crescimento espiritual; livrar a mente dos chavões doutrinários que não correspondem com nossos legítimos sentimentos; avaliar se os desejos alheios se afinam com os nossos projectos de aperfeiçoamento.
Essas são algumas indicativas para conhecermos e manifestarmos nossas intenções, livrando-nos do medo de planear ideais particulares que nos façam pessoas mais felizes e conscientes de nossas responsabilidades ante as necessidades de nossa raça.
Na condição de "orientadores" da Doutrina Espírita, encarnados e desencarnados, haveremos de nutrir respeito incondicional pela individualidade humana.
O bom líder à luz da mensagem cristã será aquele que melhor promover condições, tanto quanto possíveis, para que o ser humano consiga encontrar sua singularidade e ser feliz.
Em nossa comunidade doutrinária, observamos rotineiramente a surpresa de uns e a rejeição de outros quando alguém faz escolhas que não são as que achamos
que deveriam ser feitas, ou ainda quando alguém tem atitudes que julgamos não serem adequadas ao "seu nível".
Qual de nós conhece as intenções da acção alheia?
Qual de nós perguntou a quem quer que seja a preferência de determinada criatura?
A ninguém é vedado o direito de ter opiniões sobre o outro, entretanto julgar...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Set 06, 2018 8:45 pm

Julgamos quando encaixamos as pessoas em nossos modelos de perfeição.
Aqui mesmo, no Hospital Esperança, acolhemos muitos corações iluminados pelos Espiritismo que ruminam o pensamento em torno da seguinte frase:
"fiz o que não queria e deixei de fazer o que precisava".
Desconheciam ou deixaram de acreditar em suas intenções.
Muitos desses companheiros se seguissem a "voz interior", poderiam ter feito melhor proveito de suas reencarnações.
Desencarnam com sentimento de frustração sem se darem conta de sua origem.
Prega-se insistentemente o amor ao próximo em nossos meios.
Louvado seja!
Todavia, a proposta educativa do Cristo inclui o amor a si, o auto-amor.
Generaliza-se uma confusão entre celebrar a individualidade e o individualismo.
O primeiro é o processo da individuação, a educação das potencialidades do self.
O segundo é a conduta egocêntrica de destaque e prestígio.
Que os nossos grupos se lancem sem temores ao exercício da atitude de amor a si mesmo.
Estamos no tempo dos sentimentos, das descobertas da alma.
De onde vim?
Para onde vou?
Que faço na Terra?
Que quero da vida?

Que os centros espíritas tomem como meta neste século dos sentimentos o compromisso de auxiliar os seres humanos a investigarem suas reais propostas existenciais ajudando-os a viver em paz.
Ainda mesmo, e principalmente, se os seus destinos forem alhures às nossas expectativas.
Para conhecer bem esse reinado das intenções, façamos um mergulho interior e meditemos sem receios ou julgamentos nas questões que formulamos acima.
Quando Jesus pronunciou o "não julgueis" é porque nenhum de nós pode, em são juízo, medir a intenção alheia.
Muitas vezes os actos e sentimentos que manifestamos não se encontram em sintonia com as intenções.
Nasce então o conflito, a frustração íntima em relação ao que estamos realizando e como nos expressamos para o mundo.
As intenções nobres sustentam os mais legítimos sentimentos de progresso e elevação, embora, permitamos, frequentemente, que os vilões emocionais da culpa e do medo nos afastem de seguir as "inspirações instintivas" a ecoar no imo de nosso ser, chamando-nos para o destino glorioso e singular.
Nossas colocações, certamente, podem lhes causar insegurança.
É natural! Fomos treinados para temer ou negar o que sentimos, no entanto, não haverá paz na alma que não se lançar a essa tarefa educativa de percorrer a "solidão necessária" e responder a si:
Quem sou? O que quero?
É razoável, perante nossas abordagens, pensar no torpor causado pelas ilusões quando se assevera ser necessário seguir as intenções.
Durante longo tempo, estamos equivocados nesse sector...
O Guia Espiritual Lázaro diz:
"o aguilhão da consciência, guardião da probidade interior, o adverte e sustenta; mas, muitas vezes, mostra-se impotente diante dos sofismas da paixão."
(O Evangelho Segundo o Espiritismo - capítulo XVII - item 7)

Se as ilusões são apelos vivos na vida mental da esmagadora maioria da humanidade, por outro lado, muitos de nós já estamos convidados a trilhar os caminhos novos da autonomia, mas por receio de seguir sentimentos que falam de um outro caminho, o caminho singular, negamos os apelos da alma e paramos a ouvir os críticos externos e internos ou os preceitos literários de natureza religiosa.
A tarefa dos autênticos educadores espirituais reside em devolver ao homem sua própria consciência.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Set 06, 2018 8:45 pm

Somente abdicando do que acreditamos ser o melhor para o outro através das vias da empatia, poderemos cumprir com essa missão.
A grande meta de todos os servidores do bem deve ser libertar consciências do jugo das ilusões.
A dificuldade consiste em saber o que é ou não ilusão para o outro, sendo que nem mesmos nós, em certas situações, sabemos aquilatar com precisa segurança a diferença entre realidade pessoal e distorção da auto-imagem.
Os integrantes do círculo terapêutico estavam extasiados em ouvir a palavra inspirada de Calderaro.
Via-se um sorriso de contentamento apaixonante nos lábios de Dona Modesta.
Parecendo fazer uma leitura da alma dos presentes, indagou o servidor:
- Naturalmente, ante essa abordagem, surge a questão:
como reencontrar nossa consciência:?
A resposta vem breve: aprendendo a linguagem do coração.
Escutando os sentimentos perceberemos a natureza de nossa intenção perante a vida, pois é no espelho do coração que a consciência projecta a luz de nossas mais recônditas aspirações evolutivas.
Acumulai tesouros no céu, onde nem a ferrugem, nem os vermes os comem; - porquanto, onde está o vosso tesouro aí está também o vosso coração.
(O Evangelho Segundo o Espiritismo - capítulo XXV - item 6)

O tesouro da alma é a intenção.
Onde ela se situa aí está o coração, ou seja, nossos sentimentos.
É um tesouro porque a frequência das intenções constituem a mais legítima identidade do Espírito qualificando sua real condição perante a ordem universal.
Qual será a condição de quem toma contacto com nossas reflexões?
Ilusão ou convite para a autonomia?
Eis mais uma óptima reflexão a ser feita na busca das legítimas intenções em favor da integração com nosso destino particular e sagrado planejado por Deus na Sua Bendita Casa.
Jesus, o ser que sintoniza com a Intenção do Pai, o mais puro exemplo de amor que já passou pela Terra, teve seu julgamento com base nos seus actos e não em suas intenções.
A pedido de Dona Maria Cravo fizemos essa introdução para pensarmos juntos sobre o tema de minha especialidade e interesse, a obsessão.
Já que se preparam para incursões futuras nesse terreno da experiência humana entre os espíritas, guardem esse ensino precioso do Mestre.
Se tendes amor, tereis colocado o vosso tesouro lá onde os vermes e a ferrugem não o podem atacar e vereis apagar-se da vossa alma tudo o que seja capaz de lhe conspurcar a pureza;
(O Evangelho Segundo o Espiritismo - capítulo VIII - item 19)
As Leis Naturais se cumprem na vida de cada um de nós conforme a natureza das intenções que acalentamos.
A intenção é o termómetro de nosso ato evolutivo determinando a "frequência básica" de nossa actividade mental, pela qual seremos identificados na teia cósmica da vida.
Intenções nobres convergem todas as "partes" da mente para uma inteireza, facilitando a acção do self, pacificando o coração.
Devido à sua frequência, a criatura cria uma couraça defensiva contra a maldade ou atrai para si os reflexos dos propósitos infelizes.
A frequência é o fio de aglutinação dos fragmentos da mente, integrando-os para a harmonia ou a derrocada, conforme nossa busca na Obra da Criação.
Portanto, a frequência de nossos objectivos recônditos é o canal de sintonia que nos liga com a vida.
No capítulo das obsessões e dos relacionamentos inter-dimensionais será imperioso considerar a influência determinante das intenções na solução ou agravamento das constrições mentais dominadoras.
Ninguém se atola nos pântanos da coacção e do transtorno mental sem que a porta de seus propósitos íntimos esteja aberta em lamentável indisciplina.
Igualmente, ninguém recolhe o pensamento de Sábios Guias sem qualidades interiores que retractem suas intenções elevadas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Set 06, 2018 8:45 pm

Entre os seres pensantes há ligação que ainda não conheceis.
O magnetismo é o piloto desta ciência, que mais tarde compreendereis melhor.
(O Livro dos Espíritos - questão 388)
Bilhões de corações na Terra, aqui incluindo nós todos que peregrinamos sob a égide do Espiritismo, se avaliados à luz dos princípios da mensagem do Cristo somente pelos seus actos e palavras - aspectos mais salientes de identificação da personalidade humana, certamente receberão um juízo arrolado com base nos padrões convencionais do que é certo e errado na vida de relações.
Esse juízo, como não poderia ser diferente, será exarado com base naquilo que se conhece da pessoa.
Quase sempre, algo distante do que ela é por dentro.
Inúmeros homens e mulheres em suas reencarnações estão enquadrados em grupos ou experiências cumprindo tarefas particulares, conforme suas necessidades pessoais, e nutrindo as mais puras intenções de melhora e reeducação.
Muitos deles encontram-se desajustados e infelizes, mas persistentes em suas aspirações de superação e enriquecimento moral.
Para os juízes da Vida Maior, cumprem missões particulares e cooperam com a obra paciente de progresso da humanidade, cada qual a seu modo.
Uma das habilidades da alfabetização emocional em que todos necessitamos nos matricular é a empatia.
Ela nos ensina a compreender pessoas e não somente suas atitudes.
A partir dessa reflexão, é imperioso entender que as obsessões não se estabelecem com base em rótulos exteriores que consignam determinado comportamento
como sinónimo de desequilíbrio.
Listemos alguns exemplos que são sempre destacados: as opções sexuais, o apego material, os vícios de variada ordem, a actividade dos políticos, os hábitos sociais, o exotismo de certas condutas.
Nos nossos celeiros de amor da doutrina encontramos severas reprimendas a semelhantes posturas.
A diversidade é ainda recriminada em nossos ambientes.
Pautamo-nos ainda por critérios do mundo estabelecendo o que é certo e errado, caindo em exames arrogantes, recheados de certezas e inflexibilidade, insuflando a intolerância e a rigidez que destroem as mais caras amizades e planos de trabalho sob os bafores da intransigência velada.
A tarja de obsidiado tem sido utilizada para quantos decidem por caminhos diferentes.
Sentenciamos sem conhecer-lhes as intenções.
Estamos sempre aptos em nossa análise a dizer o que o outro precisa e deve fazer, esquecendo-nos do princípio básico do respeito à individualidade.
É incrível!
Falo aqui de mim próprio; como apegamo-nos com facilidade aos conceitos que acreditamos serem a mais pura manifestação da verdade sobre o que o outro é!
Por mais ajuizado seja o nosso parecer sobre o próximo, esse apego escandaloso é a mais vil expressão de nossa arrogância.
Perdoem-me a clareza de minha fala, mas a dirijo principalmente a mim mesmo - expressou o instrutor na mais espontânea simplicidade.
Necessário dizer que muitos companheiros de ideal - não todos evidentemente -, que receberam o veredicto de serem almas em queda e obsidiados contumazes são desbravadores obstinados de novas formas de caminhar, corajosos desafiantes que honram em si mesmos a diversidade.
Diversidade essa que ainda não aprendemos a respeitar.
Peregrinam por outras sendas de aprendizado nas quais, possivelmente, a maioria não teria siso para trilhar.
Garantem-se com suas intenções.
Sobre alguns deles, inclusive, assentam-se os mais elevados interesses do Plano Maior.
Não existe ninguém nos círculos de aprendizado da Terra, em ambas as esferas de vida, que esteja livre das associações mentais constritoras ou como diz o senhor Allan Kardec:
"(...) o domínio de alguns Espíritos logram adquirir sobre certas pessoas".
(O Livro dos Médiuns - capítulo XXIII - item 237)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Set 06, 2018 8:45 pm

Observemos a fala "logram adquirir", mas graças à qualidade superior das aspirações nem sempre adquirem.
Impossível para nós livrarmo-nos completamente das interferências, contudo, mantê-las e consolidá-las vai depender das intenções.
Só existe domínio quando cedemos ou desistimos de continuar lutando pelas nossas aspirações mais profundas.
Eis o conceito prático de obsessão.
Por isso dissemos que a intenção sustenta nossos mais nobres ideais.
Não existe obsessor ou técnica capaz de destruir as intenções, a não ser nossa escolha pessoal.
Elas são como uma armadura da alma.
Somente através dela nos protegemos da adesão permanente a situações, condutas e relações.
A Lei de Sintonia é o alicerce desse processo que interrompe ou consolida nossos elos.
Se tendes amor, tereis colocado o vosso tesouro lá onde os vermes e a ferrugem não o podem atacar e vereis apagar-se da vossa alma tudo o que seja capaz de lhe conspurcar a pureza.
(O Evangelho Segundo o espiritismo - capítulo VIII - item 19)
Por conta desse "sentimento oculto" - a intenção - tão cedo não entenderemos a contento a Justiça Divina, que se guia por expressões ignoradas como se observa nas seguintes frases:
É sempre do mesmo grau a culpabilidade em todos os casos de assassínio? Já o temos dito:
Deus é justo, julga mais pela intenção do que pelo facto.
(O Livro dos Espíritos - questão 747)
A intenção lhe atenua a falta; entretanto, nem por isso deixa de haver falta.
(O Livro dos Espíritos - questão 949)
Não há culpabilidade, em não havendo intenção, ou consciência perfeita da prática do mal.
(O Livro dos Espíritos - questão 954)
A intenção é o plugue mental de ligação com o manancial infinito da Misericórdia Paternal.
Por ela atraímos para nós todos os recursos defensivos e multiplicadores da nossa força interior.
Talvez por essa razão o Sábio Nazareno tenha afirmado:
Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus. (Mateus, 5:8)
A pureza é a frequência mental da liberdade e a identificação dos homens felizes, que jamais estão sozinhos, mas guardam a sublime capacidade de escolherem, essencialmente, conforme suas preferências, os caminhos da existência.
Judas com intenções amorosas sucumbiu sobre os açoites do poder e traiu.
Pedro com fiéis intenções descuidou da vigília e negou.
A mulher adúltera que recebera o apodo da multidão foi amparada por Jesus, que sabia da nobreza de suas intenções perante a vida.
Saulo, o perseguidor implacável, trazia na alma intenções louváveis com o bem e Jesus descerrou-lhe os olhos das escamas da ilusão.
Nicodemos possuía aspirações de valor mesmo constrangido pelo preconceito.
Tiago, por amor à Casa do Caminho, consorciou-se ao Judaísmo, permitindo concessões doutrinárias.
Perdoem-me ser tão breve em minha fala.
Dona Modesta já explicou os motivos.
Estarei em tarefa socorrista daqui a alguns minutos.
Sem delongas, desejo êxito no futuro de vocês.
Que este "grupo de reencontro" alcance sua legítima aspiração no encalço de suas mais nobres intenções.

Paz aos seus corações.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 07, 2018 7:46 pm

EPÍLOGO
O QUE BUSCAMOS NA VIDA?

"Pedi e se vos dará; buscai e achareis; batei à porta e se vos abrirá; porquanto, quem pede recebe e quem procura acha e, àquele que bate à porta, abrir-se-á."

(S. Mateus, cap. VII, v. 7) O Evangelho segundo o Espiritismo - capítulo XXV - item 1

Encerrada sua fala, Calderaro despediu de todos com fraternal abraço.
Em seguida, dona Modesta franqueou a palavra com a seguinte indagação:
quais foram seus sentimentos ante a fala de Calderaro?
Havia um silêncio generalizado.
A palestra conduzira a um mundo de profundas reflexões.
Vinte minutos explanados, deixara reflexões para décadas.
Dona Modesta, percebendo o estado mental dos participantes, aguardou paciente até quando Anésia se pronunciou:
- Como conceituar a intenção?
Assumindo a condução das ideias, a supervisora passou a ler em uma lauda, rascunhada à mão pelo próprio Calderaro, que fornecera extenso material didáctico ao grupo.
- O conceito aqui exarado por Calderaro é bastante amplo.
Diz ele:
É a força da atracção que emana da alma capaz de aglutinar, ordenar e equilibrar todos os seus potenciais e experiências.
Essa força cria o campo de gravidade que organiza e sustenta o mundo mental.
Podemos chamá-la de "eixo de alinhamento da vida mental", porque ela se estende da alma até o inconsciente, passando pela sombra, pelo ego e pela consciência, sendo o "potencial ordenador da saúde íntima".
Imaginemos a mente como vários círculos concêntricos e a intenção como sendo um traço perpassando todos os círculos.
A intenção é a manifestação inconsciente da alma na busca de seus compromissos e necessidades de crescimento.
Todos trazemos essa "energia instintiva de melhora".
Ela é a divina reguladora da paz consciencial.
O bem é a Intenção do Criador na Obra da Criação.
Todas as criaturas trazem em latência os germes dessa Intenção Absoluta e Irrevogável.
O amor é a manifestação afectiva que repousa sobre as intenções mais puras.
Intenção é algo entre a criatura e o Criador.
- Dona Modesta - remendou Anésia - diante desse conceito, temos uma intenção ou várias intenções?
- Temos a intenção referida no conceito de Calderaro que é a organizadora da vida mental do Espírito.
Essa "intenção-base" é tecida nos sucessivos roteiros reencarnatórios da alma na medida que consegue expressar em suas realizações e atitudes os apelos profundos do "ser perfeito", que se encontra latente em cada um de nós.
Dessa "intenção -matriz" são gerados os desejos, depois os interesses e por fim as inclinações.
A essas variáveis da vida moral costumamos chamar intenções periféricas.
Intenção é diferente de desejo.
A intenção básica é aquela que norteia as aspirações e escolhas do homem em direcção a Deus.
Os desejos são metamorfoses dessa intenção-matriz que se fermentam sob acção dos reflexos no automatismo da vida mental.
A intenção tem a vontade como alavanca de suas expressões, enquanto o desejo é o palco onde se apresentam as emoções e a motivação - elementos componentes da tessitura do sentimento.
Vontade é a manifestação inteligente da intenção.
Desejo é o reflexo instintivo da intenção.
- Tecida em várias reencarnações?!
Achava que intenção era fruto de uma escolha ou algo mais corriqueiro.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 07, 2018 7:46 pm

- Não Anésia.
A intenção é uma conquista sublime do Espírito depois da aquisição da razão.
Podemos falar em mais de quarenta mil anos - em nosso caso - para sua formação.
Não podemos confundi-la com interesse.
A intenção é o que buscamos na vida.
O interesse é o que desejamos.
A primeira vem da alma, o segundo do ego.
Um é divino, um processo afinado com o self.
O outro é transitório, conforme a natureza das vivências.
O grupo absorvia contrito o diálogo.
Quando surgiu ocasião, indagou um dirigente paulista:
- Dona Modesta, como saber qual a nossa intenção ou ainda as nossas intenções?
- Quando soubermos responder a essas perguntas:
O que quero da vida?
Que buscamos ante a oportunidade concedida de renascer no corpo?
Qual o "plano de Deus" para meu caminho?
Qual minha missão na colmeia cósmica?
Que desejo de minha existência?
Quanto mais consciência de nossas necessidades e valores, mais clareza possuímos diante de nossa intenção básica, aquela que norteia a "rota evolutiva do Ser".
Compreendamos que essa consciência de si não é uma noção racional, mas sentida.
Muita diferença existe entre dizer "sei que preciso" e "sinto que preciso".
Quando sentimos o que precisamos no de carreiro do crescimento espiritual, estamos criando uma sintonia com as aspirações subjectivas da alma.
Em verdade, a maioria de nós passa a encarnação sem conhecer sua real intenção estrutural.
Quase sempre, se gasta a metade da vida corporal para começar a investigá-la e a outra metade para entendê-la.
Razão pela qual, muitos só a sentirão, de facto, depois da morte.
Pouquíssimos são os que conseguem identificá-la ao longo do trajecto na carne.
De súbito, ouviu-se um choro discreto seguido de soluços angustiantes.
Todos olharam para a mesma direcção.
A mesma Anésia, que formulara as perguntas anteriores, trazia as mãos tampando o rosto em pranto sofrido.
Dona Modesta, preparada para essa eventualidade, levantou-se com lenços à mão, assentou-se ao lado de Anésia, e ofereceu-lhe a destra pedindo a todos um instante para sua recomposição.
Todos permaneceram em silêncio procurando sentir o ensejo.
Anésia despejava extensa energia de angústia reprimida.
Um pouco refeita, a supervisora estimulou-a a desabafar.
- Perdoem-me pelo descontrole, amigos queridos!
A fala de Calderaro conduziu-me a muitas lembranças da recém-finda encarnação.
Sabe, Dona Modesta, fui uma mulher obediente...
Talvez servil - falava engasgando as palavras e de olhar cabisbaixo.
Lar e profissão, vizinhança e amigos de doutrina, sempre segui ordens, ouvi opiniões, e... - quase desistindo de falar foi incentivada pela benfeitora a continuar - creio que nunca expressei o que queria realmente!
- Continue, Anésia.
Tenha força para falar, aproveite a ocasião apropriada.
- Sinto-me agora como se tivesse passado a vida...
Passado a vida... Sem vontade própria!
Adorei tudo que fiz.
Não se trata de arrependimento.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 07, 2018 7:46 pm

Filhos, marido, companheiros e tarefas foram bênçãos na minha vida - começou a pronunciar-se com mais tranquilidade.
Tenho porém, a sensação que a vida passou por mim e não eu por ela!
Esse é o meu mais puro sentimento diante dessas colocações que acabei de ouvir.
É como se não tivesse sido eu mesma, entenderam?
Dirigiu-se a todo o grupo.
Uma vazio...
Será que passei a existência sem seguir minhas reais intenções?
Será que deveria ter me imposto mais ante os compromissos e aceitado menos as opiniões e ideias?
Não me culpo por nada do que fiz, entretanto, essa palestra trouxe para minha vida consciente a sensação de que deixei de fazer quanto desejava...
Porém, o tempo se foi e ficou a sensação...
Podemos ter nossas intenções prejudicadas pelas opiniões alheias?
O que está acontecendo comigo, Dona Modesta?
- Anésia, faço o registo de um sentimento pulsante em sua alma neste instante.
Manifeste-o sem pensar.
Anésia parou por um instante, suspirou e falou sem pensar:
- Ah! Sabem o que eu queria mesmo neste instante?
Estar no corpo de novo.
Um corpo belo, saudável e recomeçar tudo.
- Fale mais; por exemplo:
com quais pessoas regressaria?
O que faria no recomeço?
- Posso ser sincera?
- Fale rápido antes que perca o "fio"...
- Eu queria mesmo é voltar sozinha e fazer muitas, muitas coisas maravilhosas para mim e para outras pessoas.
Acreditar mais em mim, nos meus valores.
Viver uma experiência em que pudesse cuidar e ter responsabilidades graves somente comigo mesma.
Às vezes tinha muita raiva dos amigos espíritas que só enxergam defeitos, defeitos e defeitos.
Se alguém possuía algo bom não podia manifestar.
Era vaidade! Personalismo!
Quer saber de uma coisa?
- Fale Anésia!
Não meça palavras.
- Devia ter dado menos atenção a muitas opiniões dos espíritas e seguido mais o meu coração.
Creio que tinha muito mais bondade no coração que nas palavras de muitos companheiros de ideal.
Desculpe a franqueza.
Não desejo ofender ninguém, apenas acreditar no que sinto.
Longe de mim a ideia de fazer imagem de alguém superior.
- Não peça desculpas, Anésia.
Tire essa palavra da boca e fale mais.
Sou sua testemunha sobre sua sinceridade.
É assim que se operam as finalidades desta tarefa. Prossiga!
- A sensação que tenho mesmo pensando nesta explosão de ideias é que era mais espírita que eu mesmo imaginava, mas não prezei, não valorizei e deixei que os outros dessem o valor de seus julgamentos as minhas atitudes e decisões.
Tenho uma enorme raiva disso, Dona Modesta.
Que raiva que me vai à alma quando lembro de coisas!...
- Ponha para fora agora, minha filha.
É uma ordem!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 07, 2018 7:46 pm

Falava com firmeza a supervisora no intuito de encorajar.
Por entre soluços agonizantes e palavras engasgadas, Anésia colocava um peso para fora.
Era um tratamento necessário, inadiável e Dona Modesta sabia disso.
- Tive medo de acreditar em mim.
Por isso, sim, me arrependo amargamente.
Deixei que o julgamento alheio me invadisse a convicção e obstruísse a capacidade de formar meu auto-conceito.
Como detesto a ideia da obsessão!
A vida inteira ouvia dizer sobre obsessores, obsessores...
Morri e onde estão eles?
Não os tinha?
Ou venci a obsessão?
No fundo quer saber?
Acho que nunca tive obsessão, eu fui a obsessora!
- Isso! Óptimo, Anésia! - entusiasmava-se Dona Modesta como se algo especial acabasse de ocorrer na tarefa em curso.
- Ou quem sabe os irmãos com essas ideias caóticas é que foram meus verdadeiros obsessores?...
Gostava das tarefas.
Confesso, porém, não era feliz.
Será que podia ser feliz?
Será que merecia?
Onde as respostas?
Recomposta das lágrimas, Anésia agora dava sinal de extrema lucidez.
Só sei que no fundo algo me diz:
você ainda pode ser feliz.
Você merece ser feliz.
Não sei o que vou ouvir da senhora quando acabar essa crise passageira de loucura, contudo, não vou deixar ninguém me tirar essa convicção.
É como se aguardasse há muito tempo dentro de mim, esperando que eu tomasse posse do meu querer.
Tenho extrema ânsia de ouvir o que sinto.
E o que sinto é nobre, verdadeiro, particular.
Quero conhecer lugares, ajudar pessoas, cuidar de mim, ouvir opiniões, mas não segui-las se assim me convier.
Construir minha autonomia sem arrogância.
Ter paz na alma. Quero viver o Espiritismo conforme minhas necessidades e virtudes particulares.
Quero ter liberdade para usar em favor do bem.
Quero ter autonomia para gozar do direito de escolher, sem querer ser a melhor ou me escravizar a padrões que não atendem mais minhas necessidades de crescimento.
Eu sei que mereço.
Quero tomar conta do meu querer.
Ser gerente de minhas intenções e nelas acreditar.
Minha intenção é o meu tesouro que desprezei...
dona Modesta - indagou Anésia com um lindo sorriso nos lábios e de semblante mais leve aproveitando, que parece que enlouqueci de vez, queria saber:
tem férias no mundo espiritual?
- Sim, elas existem! Existem para as pessoas que aprendem a se amar e ao seu próximo.
Existem férias de si mesmo e das loucuras que os outros acham que devemos ser.
Uma experiência maravilhosa.
- Então eu quero uma, e bem longa de preferência!
Todos deram espontâneas gargalhadas.
- Você terá uma, só que definitiva.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 07, 2018 7:46 pm

As férias da conquista de si mesma. Um prémio para almas que aprenderam a ser obedientes e pacientes aos desígnios da vida e alcançaram no átrio sagrado da alma a capacidade de escolher seus caminhos novos em busca de outras lições, mantendo-se moralmente erectas, embora ninguém acredite que possam.
Mantendo-se firmes, conquanto com outros obstáculos a transpor na caminhada, que não aqueles que as pessoas acreditam ser os seus.
- Desculpem-me todos pelas besteiras que acabei de falar!
Perdoem-me por ser tão egoísta.
- Isso não é egoísmo, Anésia.
Vindo de almas que se deram tanto ao bem como você, esse sentimento chama-se desejo de se amar, auto-amor, valor pessoal.
Deus está devolvendo a você o direito de senti-lO em si ou através de si mesma.
Essa é a Lei.
Quando sentimos Deus apenas no outro, esse outro se vai e ficamos nós connosco mesmo.
Deus muita vez "Se Aparta", porque não o trazemos em nossos sentimentos.
Amando-se, estamos em conexão contínua com o Pai, tanto quanto Ele sempre está connosco.
A obra de amor que oferecemos ao próximo tem que pertencer igualmente a nós.
- Auto-amor?!
- Sim, minha filha!
Conhecer nossa intenção-básica, travar contanto com as aspirações dela emanadas e saber construir nossa autonomia em atitudes sadias e altruístas constituem o maior ato de amor a si próprio que a alma pode expressar.
- Só que sinto que deixei de amar tanto quanto devia.
- Tanto quanto devia não.
Tanto quanto merecia!
- Por isso essa sensação de vazio?
- Exactamente.
- Segui demais as opiniões alheias?
- Digamos, minha filha, usando uma expressão bem humana, que você "pegou carona" nos conceitos alheios e abdicou-se de gestar suas próprias convicções, abriu mão de construir seus próprios significados.
Viveu o Espiritismo pelas vias informativas e preteriu - sem o querer - os sentidos oriundos da individualidade excelsa através das vias inspirativas.
Você, como muitos espíritas, teve medo de formular conceitos pessoais adequados às suas necessidades específicas.
- Dona Modesta!
Conceitos pessoais?!
Isso não será o famoso "achismo"?
- Sem dúvida!
É isso mesmo.
Com uma fundamental diferença.
- Qual?
- Esse "achismo" dos espíritas generalizou-se como sendo sinónimo de atitude contraproducente.
Em quaisquer situações, a acção de emitir parecer ou teorizar à luz do Espiritismo. Entretanto, a beleza dos conceitos espíritas ganha luz e encanto a partir da maturação de seus princípios em cada um de nós.
Quando a experiência fundamentada nos conceitos de imortalidade e ascensão transforma-se em caminhos criativos na intimidade, nascem os rumos da diversidade humana, os caminhos inexplorados.
Todavia, por faltar a ousadia de investigar, a coragem da convicção acrisolada no tempo - postura adoptada com excelência pelo codificador -, perdemos a oportunidade de aprender e de nos expressar.
- Dona Modesta!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 07, 2018 7:47 pm

Se fosse a senhora, falaria bem baixinho para que os confrades reencarnados nunca ouçam essas "heresias" - expressou Anésia gracejando de sua própria colocação.
- Anésia! Anésia!
Esteja certa de que tão logo me seja possível, escreverei a nossos irmãos falando às claras sobre esse assunto.
- Jesus! Já não chegam os personalismos do movimento!...
Se incentivarmos as opiniões pessoais...
- Minha filha, não esquecerei de dizer também que, antecedendo convicções íntimas e os caminhos criativos, devemos ter o endosso da maturidade, do equilíbrio, do esforço de realização no bem, isto é, opiniões pessoais centradas em vivência.
O que não podemos é furtar a capacidade realizadora de nós mesmos e a ocasião de ampliar o bem através de nossas próprias iniciativas.
Farei isso para que inúmeros discípulos prontos para decidir sobre seus destinos não carreguem para cá a frustração que toma conta do seu coração neste instante, compreende Anésia?
- Sim, Dona Modesta!
A senhora tem razão! No meu caso, se avisada a tempo sobre tais ideias, certamente encontraria mais coragem para enfrentar a minha acomodação e desenvolver minha "estrada pessoal" de ascensão.
- Ouvir mais a consciência, o coração, os instintos.
Ser selectiva em relação às críticas alheias.
- Eis uma dúvida!
E quanto aos julgamentos alheios das pessoas com as quais convivi; prejudicaram-me?
- As pessoas de seu caminho foram excelentes condutores de sua vida.
Acontece que poucos de nós estamos maduros o bastante para respeitar o livre caminhar uns dos outros.
Via de regra, queremos tornar o outro em "o mesmo", ou seja, anular a diferença para que seja igual a nós.
Assim como, também, nem sempre sabemos zelar pelas nossas escolhas e não nos permitir ser desrespeitados e ter nossos limites invadidos.
A convivência é a escola bendita de almas da qual nenhum de nós pode se afastar totalmente.
Todavia, existem alguns pontos na vida de relações que se tornam essenciais para torná-la educativa espiritualmente: a preservação dos limites, o estímulo à autonomia e a celebração da diversidade.
Somente o diálogo, enquanto instrumento de manifestação das intenções, pode ajustar os relacionamentos para o cumprimento dessas características.
Especialmente o diálogo no qual manifestamos o que sentimos sem receio de rejeição.
- Ah, Dona Modesta!
Se existe algo que não fiz durante a minha reencarnação foi isso.
Resguardar meus sentimentos, falar deles sem medo do que ouviria.
Acovardei diante do que pretendia, pois teria que fazer escolhas difíceis.
- Você não imagina quantos são os que passam a vida adiando escolhas por medo.
- Tinha medo de estar sendo egoísta.
- Suas intenções eram más?
- Creio que não.
Como posso saber?
Tinha receio de estar iludida, obsedada...
Os tais chavões dos espíritas...
Sabe como é?!
Acho que nunca fui preparada para ser eu mesma, externar meus pontos de vista sem desejar que fossem verdades para todos...
Desafiar os padrões...
E, apesar disso, continuar convivendo pacificamente com todos os companheiros e todas as ideias.
- Não existem escolhas sem riscos.
Principalmente aquelas que dizem respeito à nossa paz.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 07, 2018 7:47 pm

- Como gostaria de ter alguém para dizer o que fazer!
- E perder seus méritos?!
- Pelo menos não teria esse vazio por dentro.
- Mas poderia ter falhado em outras áreas...
- Para quem se ama, a falha é nota aferidora para um recomeço melhor.
Deixar de tentar é falha maior que buscar a experiência.
- E para quem não tenta...
- Não há nota!
O maior fracasso da vida não é escolher errado.
É passar a vida sem existir.
Quem se ama tem a si mesmo.
Percebeu-se como Filho e Co-criador universal.
Por essa razão, sente-se em plenitude.
- Ante tudo isso, invadia-me um medo de que poderia gostar demais de mim e esquecer o mundo.
Mais a mais, houve vezes em que desejei dar um "basta", largar tudo e parar.
No entanto, não sabia para quê.
Então terminava desistindo e tudo ficava do mesmo modo.
- Essa a diferença entre quem sabe o que busca da vida, qual é sua real intenção, ou seja, a pessoa sabe o que quer e como fazer para alcançar.
- Tinha medo do que aconteceria se decidisse pelo que queria.
Não sei se sustentaria minha escolha.
- Diz o Doutor Carl Gustav Jung:
"As pessoas, quando educadas para enxergarem claramente o lado sombrio de sua própria natureza, aprendem ao mesmo tempo a compreender e amar seus semelhantes."
(The Collected Works of CG Jung - Volume VII, par. 28).
- Por que temos essa sensação de egoísmo na atitude de amar-se?
- Porque já pensamos excessivamente em nós de maneira inconveniente.
"Auto-amar-se" é pensar em nós da forma que convém ao bem.
- Que frustração a minha!
- É muito interessante! - Exclamou a benfeitora como se vagueasse a mente por insondáveis recordações.
-?!
- Anésia e os demais participantes ficaram sem entender a fala de Dona Modesta.
- Também tive minhas frustrações!
Completou Dona Modesta como quem traria um ensino profundo a todos os presentes.
Frustrações opostas às suas, minha filha.
- Opostas?! - Indagou Anésia.
- Você se diz frustrada por omitir sentimentos.
De minha parte, frustrei por acreditar em demasia no que sentia.
- Será possível?!
- Por conta disso fui corajosa, determinada, convicta, mas acabei, em diversas ocasiões, nos braços da arrogância.
Há quem deteste meu nome até hoje em Uberaba, quiçá em outras plagas...
- Não acredito, Dona Modesta!
- Pode acreditar!
Tenho meus traços de imperfeição e não são poucos...
Certos sonhos e desafios custaram-me perdas afectivas lamentáveis que até hoje ainda não concluí se valeram a pena.
Fui rica de afectos e milionária de desafectos nas duas esferas de vida por conta desses excessos.
- Mas ser cordata e medrosa como fui também não é o ideal.
Possivelmente se manifestasse o que desejava, perderia a maioria dos laços que me paparicavam - expressou Anésia.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 07, 2018 7:47 pm

- Você tem valores que ainda não possuo, minha filha.
Foi vitoriosa porque optou pelas concessões.
É a renúncia total.
Algo que ainda não aprendi suficientemente.
- No entanto, do que me valeu, Dona Modesta?
Veja o que acabei de expor aqui no grupo.
Quer saber? Sinto-me em frangalhos por não ter sido quem sou e não ter defendido minhas reais intenções!
- A vida é feita de escolhas.
Nem a omissão, nem as muitas certezas são bons caminhos para a paz nas relações e consigo próprio.
Quando imaturos na doutrina, costumamos colocar projectos acima da bondade uns com os outros.
Para preservar programas de trabalho e convicções conceituais, passamos por cima das relações de amor.
Se pudesse, eu voltaria no tempo e refaria muitas decisões...
- Por minha vez, se pudesse, voltaria no tempo e pensaria mais em mim.
- A convivência tem um ponto delicado.
Aqueles que mais convivem connosco cometem, quase sempre, um grave equívoco.
Supõem conhecer com exatidão a natureza de nossas intenções.
Para nosso estágio evolutivo é quase impossível conviver sem julgar, e julgar significa interpretar intenções através das atitudes.
Nesse terreno falhamos consideravelmente, para não dizer completamente.
O nome dessas atitude é óbvia no dicionário moral, conquanto tenhamos imensa resistência em aceitá-la no coração.
- Que atitude é essa?
- Arrogância, a supervalorização de si mesmo.
- A senhora tem razão! Nunca senti esse tema como agora.
Temos que ser muito arrogantes para querer saber mais do outro que de nós mesmos!
- Em relação ao mundo íntimo alheio, podemos especular e analisar, sempre no intuito da compaixão e da solidariedade.
Tudo, porém, só tem valor real quando é viável o diálogo honesto e desapaixonado de interesses pessoais para que o conhecimento mútuo flua na relação, consolidando elos de verdadeira confiança e consistência afectiva.
Além disso, penetrar no terreno sagrado do coração alheio exige a extrema habilidade da ternura.
A convivência cristã deve ser honesta, porém, não cruel.
Quem queira destruir ilusões de outrem a golpes de sinceridade mórbida, certamente semeará a discórdia.
Quando o amor ilumina nosso verbo, a escuridão da arrogância dilui-se ante os raios da bondade e da humildade.
Quanto mais autoridade consciencial guarda o Espírito, mais amável e cordato, despretensioso e cooperativo é a sua expressão, ainda que, em ocasiões de necessidade, tenha que usar da energia e da determinação.
- Fico a pensar como deveria ter falado mais de mim!
O que sentia, o que desejava!
Permiti que interpretassem minhas intenções e, incrível...
Eu mesma acreditei no que interpretaram!
- Quando definimos a intenção de alguém, julgamos.
Quando apegamos aos nossos julgamentos, abrimos a porta da arrogância para a entrada dos monstros da inimizade, da incompreensão e da anti fraternidade.
Enquanto criticamos uns aos outros, repletos de certezas em nossos julgamentos, estamos mais separados, mais frágeis, menos produtivos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 07, 2018 7:47 pm

A arrogância de um lado e a omissão de outro são extremos de uma mesma questão:
nossa necessidade espiritual de Evangelho nos sentimentos e de paciência para com as imperfeições uns dos outros.
- Fui uma muda com língua!
- Não é só você, minha filha, que passa por isso.
A grande maioria da humanidade experimenta na actualidade essa "mudez emocional".
- Como tratar essa mudez?
- Não é a mudez que precisa ser tratada, mas a surdez.
- Surdez? Somos surdos também no campo emocional?
- Não sabemos falar dos sentimentos, porque não aprendemos a ouvi-los, escutá-los.
Não sabemos a sua linguagem, portanto, não há como cuidar do coração.
Quando nos amamos, queremos saber o que nos vai à alma, quais nossos desejos, que ansiamos para nós.
Quando nos envolvemos na psicosfera do auto-amor, encantamos pelo que somos, até mesmo pelas deficiências.
De posse disso, mensuramos a vida que nos cerca e, mesmo que não possamos fazer nada para mudá-la por fora, saberemos preservar-nos intimamente nas aspirações de crescer e ser feliz.
- A questão, portanto, não são os amigos, familiares, os grupos...
A questão é nosso mundo interior, certo?
- Se não temos força para zelar pelo que sentimos, considerando que é no sentimento que nos individuamos para Deus, quem cuidará de nós?
O que sentimos é único, ímpar, exclusivo e verdadeiro.
Que ética adoptaremos a partir do que sentimos é outra questão.
Diz o Evangelho:
(...) Quem procura acha (...), e o ato de procurar é a ânsia da alma em busca do Si - mesmo, sua realidade profunda, seu self divino.
A habilidade de se amar reside na capacidade de devassar as sombras interiores à procura do inestimável tesouro das nobres intenções da alma.
De posse desse tesouro, a criatura encontra o referencial indispensável para se conduzir em busca de sua missão particular perante a vida.
A intenção é o mais seguro "endosso de autoridade" perante a consciência.
Quando a conhecemos nos roteiros da espiritualização, ainda que não tenhamos conquistado a coerência desejável na conduta, ela nos garante o estímulo para persistir na busca das metas que acalentamos e das aspirações que ecoam da alma para o mundo dos sentidos.
Nossa intenção vai ser conhecida na medida que aprendemos a linguagem dos sentimentos.
Ela se expressa e entrelaça com tudo aquilo que sentimos.
Consideremo-la como sendo o reflexo do Plano do Criador a nosso respeito; para entendê-la teremos que criar uma relação muito honesta e atenta com o que vem do coração.
Escutar sentimentos.
A intenção é a zeladora de nossos destinos.
Por ela se cumprem nossa missão enquanto seres em crescimento na Obra Paternal.
A frequência individual da intenção é capaz de nos dirigir, impulsionar e proteger para a Grande Meta das nossas existências.
A questão é saber desfiar a nossa das intenções alheias.
Existe, portanto, uma "Teia da intencionalidade" na qual nos encontramos inseridos.
A intenção-matriz nasce no corpo mental e sustenta a frequência vibratória da criatura no patamar de sua evolução real.
***
Assim são os "grupos de reencontro".
Nesta tarde o tema estacionou nas vivências de Anésia.
Entretanto, apesar de calados, o coração de todos pulsava em profunda interacção.
Aquelas cenas de riqueza moral e liberdade ensejavam-nos uma pergunta:
quando será, Meu Deus, que nossos centros de amor cristão e espírita na Terra tornar-se-ão réplicas dos "grupos de reencontro" para auxiliarem os homens a entender o que buscamos na vida?
A tarefa estava a ponto de ser encerrada, quando chegou o Doutor Inácio Ferreira.
Após os cumprimentos, Dona Modesta pediu que ele contasse algum caso que ilustrasse o tema daquela tarde.
De olhos voltados para o Mais Alto, buscando inspiração, o médico uberabense, contagiado por vibrações superiores, narrou o caso "Receituário Oportuno", referente ao atendimento realizado há alguns dias no Hospital Esperança narrado no início desta obra.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 07, 2018 7:47 pm

PROGRAMA DE BEZERRA DE MENEZES PELOS VALORES HUMANOS NO CENTRO ESPÍRITA

"A melhor campanha para a instauração de um novo tempo na Seara passa pela necessidade de melhoria das condições do centro espírita, que é a célula operadora do objectivo do Espiritismo.
Lá sim se concretizam não só o conhecimento e o trabalho, mas a absorção das verdades no campo individual consentidas em colóquios íntimos e permanentes, que reproduzem os momentos de Jesus com seu colégio apostólico.
Por isso, temos que promover as Casas, de posto de socorro e alívio a núcleo de renovação social e humana, através do incentivo ao desenvolvimento de valores éticos e nobres capazes de gerar a transformação.
Para isso só há um caminho: a educação.
O núcleo espiritista deve sair do patamar de templo de crenças e assumir sua feição de escola capacitadora de virtudes e formação do homem de bem, independentemente de fazer ou não com que seus transeuntes se tornem espíritas e assumam designação religiosa formal.
Elaboremos um programa educacional centrado em valores humanos para dirigentes, trabalhadores, médiuns, pais, mães, jovens, velhos, e o apliquemos consentaneamente com as bases da Doutrina.
Saber viver e conviver serão as metas primaciais desse programa no desenvolvimento de habilidades e competências do espírito.
O que faremos para aprender a arte de amar?
Como aprender a aprender?
Como desenvolver afecto em grupo?
Como "devolver visão a cegos, curar coxos e estropiados, limpar leprosos, expulsar demónios"?
Muitos adeptos conhecem a profundidade dos mecanismos desencarnatórios à luz dos princípios espíritas, entretanto, temos constatado quantos chegam por aqui em deploráveis condições por não se imunizarem contra os padrões morais infelizes e degeneradores.
A melhoria das possibilidades do centro espírita indiscutivelmente facilitará novos tempos para o pensamento espírita.
Haja vista que estaremos ali preparando o novo contingente de servidores da causa dentro de uma visão harmonizada com as implicações da hora presente.
Dessa forma, estaremos retirando a Casa da feição de uma "ilha paradisíaca de espiritualidade", projectando-a ao meio social e adestrando seus partícipes a superarem sua condição sem estabelecer uma realidade fictícia e onerosa, insufladora de conflitos e de medidas impositivas, longe das reais possibilidades de transformação que a criatura pode e precisa efectivar em si mesma.

Fim do livro

* 1 Nota do Médium: Conceitos Junguianos usados pela autora espiritual na obra.
2 Calderaro é o iluminado instrutor de André Luiz na obra "No Mundo Maior", psicografia de Francisco Cândido Xavier - edição FEB.
O Hospital Esperança é uma obra de amor erguida por Eurípedes Barsanufo na erraticidade.

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 4 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum