Críticas aos “Cépticos”

Página 4 de 11 Anterior  1, 2, 3, 4, 5 ... 9, 10, 11  Seguinte

Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 01, 2013 10:16 pm

Continua...

Qual dessas opções um verdadeiro cientista consideraria mais válida.

O relato de experiência directa (faça aqueles volumes de relatos consistentes) OU reflexões de alguém inexperiente, apenas sua especulação?

Entretanto, eu não discuto que a ciência é nosso melhor meio de acúmulo de conhecimento, testar teorias, ou descobrir como as coisas funcionam.

O ponto é que não é nosso único caminho.

E como a ciência ainda não comprovou a inexistência de Deus, vida após a morte, espíritos, ou paranormalidade, não existe lógica na tentativa dos cépticos em usar a ciência como argumento para exclusão de tais possibilidades.

Além disso, o melhor meio de aprender sobre algo depende do tipo de conhecimento que o indivíduo quer adquirir.
Existem muitos factos e problemas do dia a dia para os quais o empirismo é impraticável ou impossível.

Nós fazemos inúmeras opções racionais diariamente, tanto como indivíduos como sociedade que são baseadas em informações não empíricas.
Algumas vezes o senso comum e observação são tudo o que precisamos.

As referências de Dean Radin no início do livro Um Universo consciente:
A verdade científica do fenómeno psíquico, que as verdades científicas tendem a crescer através de estágios.

Ele escreve: (página 1)

Em ciência, a aceitação de ideias novas segue uma sequência previsível de 4 estágios.

No estágio 1, cépticos confidencialmente proclamam tal ideia como impossível por violar as Leis da ciência.
Esse estágio pode estender-se por anos ou séculos, dependendo de quanto à ideia desafia o conhecimento convencional.

No estágio 2, a relutância dos cépticos admite que a ideia é possível, mas não a consideram muito interessante e alegam que seus efeitos são extremamente frágeis.

Estágio 3 começa quando os líderes constactam que não só a ideia é muito importante, mas também que seus efeitos são mais fortes e abrangentes do que o imaginado inicialmente.

Estágio 4 é atingido quando os mesmos críticos que inicialmente descartaram qualquer interesse pela ideia proclamam que pensaram nela antes dos outros.
Eventualmente, ninguém se lembra que a ideia foi considerada como perigosa e herética em uma determinada época.

A ideia discutida neste livro centra-se na mais importante e difícil transição, aquela entre do estágio 1 para o estágio 2.

Argumento 10: Os fenómenos paranormais e super naturais são impossíveis pois contradizem todas as leis naturais conhecidas a partir do método científico.

Primeiramente, leis naturais, como as definimos, são baseadas em nossa interpretação de testes empíricos e observações.

Entretanto, elas são sujeitas a mudanças constantes conforme novas descobertas contrariem ou não nossos modelos.
Através da história, nós constantemente actualizamos e expandimos nosso entendimento das leis que regem o universo.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 01, 2013 10:16 pm

Continua...

No passado, era dito que objectos mais pesados do que o ar voarem e chegar até a lua eram impossibilidades.
Os cépticos em relação a essas coisas foram desmentidos.

Ao mesmo tempo, de acordo com as leis da aerodinâmica um beija-flor não deveria ser capaz de pairar no ar, e assim mesmo o fazia, portanto tivemos que descobrir o porque de tal capacidade e tivemos ainda que revisar nossas leis da aerodinâmica.

Quando Alberto Einstein descobriu que a luz viaja em uma velocidade constante (isto é: se você viaja dentro de um carro em uma determinada velocidade e acciona um flash fotográfico na mesma direcção do percurso seguido pelo veículo, a velocidade do carro não é somada á da luz), e formulou sua teoria da relatividade (o tempo passa mais lentamente quando você viaja em velocidades maiores), e postulou que a gravidade envolve distorção do espaço, todas essas teses contrariavam as leis da física Newtoniana da época, mesmo assim foram validadas.

Assim como agora a relatividade especial e a mecânica quântica são probabilidades divergentes e os físicos estão procurando uma grande teoria única para unifica-las.

Como a história mostra, nós constantemente estendemos nossos conceitos de física para nos adaptarmos aos dados.
Não negamos os dados apenas para a manutenção de nossas crenças.

De facto, novas descobertas em física quântica a cada ano estão devastando a visão materialista minimalista que tínhamos do universo, tornando o fenómeno psíquico e outras dimensões mais plausíveis.

Isso inclui a não localidade (significando que espaço e distância não existem) de partículas gémeas (descobertas por Alan Aspect em 1982), teorias das cordas que postulam várias outras dimensões além da nossa, a descoberta que partículas comportam-se de forma diferente quando observadas (tornando a psicocinese mais provável), etc.
(veja Fred Alan Wolfe: Taking the Quantum Leap O salto Quântico e O Universo Espiritual)

Cada nova descoberta parece provar que os cépticos estão enganados e nos movem para longe de suas propostas e em direcção aos paradigmas metafísicos.

Isso, obviamente, não é um bom sinal para a causa deles.
Parece que o argumento dos cépticos é um navio naufragando que deveria ser abandonado para evitarmos constrangimentos.

Só as descobertas em física quântica que definem que toda a matéria é uma forma de energia vibratória tornam os fenómenos paranormais e psíquicos mais plausíveis e compreensíveis.

Finalmente, boas teorias tentam unificar dados.

Como Ron Pearson mostra nesse artigo:
Física Teórica e Sobrevivência Após a Morte: http://www.cfpf.org.uk/articles/rdp/theoretical/theoreticalphysics.html

Teorias mostram a lógica dos experimentos e como fenómenos aparentemente sem relação são aspectos de um mesmo todo.

Boas teorias levam a unificação.
Por exemplo, o magnetismo e a electricidade foram campos distintos nos primórdios da evolução científica.

Com a maior compreensão dos factos descobriu-se que efeitos magnéticos poderiam ser produzidos por correntes eléctricas e vice-versa.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Set 02, 2013 9:34 pm

Continua...

Agora falamos de electromagnetismo como uma força única, uma das quatro forças da natureza.
Teoricamente os físicos esperam, brevemente, unir essas teorias em um único campo proveniente de uma única “super força”.

Argumento 11: Inexplicado não significa inexplicável.

Essa frase é enfatizada pelo ultra céptico Michael Shermer, autor de “Por que pessoas acreditam em coisas estranhas: Superstição, e outras confusões de nossos tempos.

Esse argumento significa que só por algo não ter sido explicado não significa que forças paranormais estejam envolvidas, mas apenas que ainda não descobrimos a explicação para tal evento.

Entretanto, os cépticos que usam esse argumento devem lembrar-se que o contrário também é verdadeiro:

1) Só porque algo acontece que eles crêem ser impossível não significa que não aconteceu. Para tal teriam que negar a realidade.

2) Só porque algo acontece que eles crêem ser impossível não significa que ocorreu necessariamente ilusão, fraude ou alucinação.

3) Só porque a explicação natural não foi encontrada para algo inexplicável não significa que apenas a explicação natural poderia existir.

4) Se uma explicação natural não explica todos os factos, isso não significa que você deveria insistir nela de qualquer modo para proteger seu sistema de crenças.

Observe o seguinte exemplo.

Nos casos de reencarnação investigados pelo Dr. Ian Stevenson em seu livro “Vinte casos sugestivos de reencarnação”, nenhuma das explicações naturais contribuiu para os dados e factos dos casos, tais como bebés e crianças tendo memórias detalhadas de suas vidas passadas que não poderiam ser obtidas de seu ambiente, e que posteriormente se confirmaram.

Dr. Stevenson concluiu que a explicação reencarnacionista foi a que melhor preencheu os casos por ele investigados.

Apesar dos cépticos insistirem que uma causa natural seria responsável pelo fenómeno, ainda que desconhecida, (como frequentemente é), eles o fazem contradizendo as quatro regras de conversão citadas acima.

Será que Shermer aprovaria isso?
Eu me pergunto.
(Para mais no fenómeno de reencarnação, visite Reincarnation: The Phoenix Fire Mystery. Reencarnação: O mistério de Fénix)

Argumento 12: Os cépticos não têm crenças.
Eles/Eu baseiam seus pontos de vista e julgamentos no grau de evidência.

Alguns cépticos extremistas chegam a alegar que ao contrário do resto do mundo, eles, não tem crenças.

Apenas julgamentos lógicos ou evidência pura.
Nem todos os cépticos alegam imunidade a crenças, mas alguns o fazem.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Set 02, 2013 9:35 pm

Continua...

È um pensamento completamente tolo, porque discurso baseado em crenças é encontrado em quase tudo que alguém possa dizer.

Nós todos fazemos e dizemos coisas que baseamos em conjecturas que, por sua vez, foram construídas em parte baseadas em nossas crenças.

Essas conjecturas muitas vezes são verdadeiras crenças já que nem sempre são baseadas em evidências sólidas, mas na nossa visão do mundo, em predisposições, e em tendências naturais.

Crenças são especialmente encontradas nos argumentos dos cépticos discutidos até agora, assim como na maioria dos argumentos dos cépticos neste artigo são claramente discursos baseados em pré-conceito, tais como:
É irracional acreditar em qualquer coisa que não tenha sido provada?
(Argumento 1) e Alegação extraordinária requer evidência extraordinária? (Argumento 2)

A crença céptica mais comum inclui: Os defensores do paranormal são irracionais?
Fenómenos psíquicos são improváveis?
Sensitivos e médiuns iludem os inocentes?
Experimentos psíquicos mostram resultados semelhantes ao do aleatório quando controles adequados são utilizados?


Apesar dos cépticos alegarem que seus pontos de vistam baseiam-se em evidências que eles examinaram, eles raramente aplicam o seu cepticismo em suas próprias crenças, o que, na realidade, nenhum verdadeiro céptico faria.

Depois de cuidadosa selecção, é claro que eles preferem as explicações falsas a aquelas paranormais, preferem não discutir a natureza do facto, e ignoram dados que não se ajustam a suas hipóteses.

Comportamento estranho para aqueles que não tem crenças.

Na realidade, Eu acha que os cépticos usam o argumento:
Eu não tenho crenças, para evitar que eles tenham que defender seus pontos de vista, enquanto transferem tal obrigação para os crentes e para normalistas.

Argumento 13: Um mito comum é que cepticismo é cinismo. Não é. Cepticismo é um método de investigação.

Essa afirmação é geralmente encontrada nas introduções ou sessões FAQ dos sites e livros cépticos.

Aqui está um exemplo do site da Sociedade Céptica: http://www.skeptic.com/faqs.html

O que significa ser um céptico?
Algumas pessoas acreditam que o cepticismo é a rejeição de novas ideias, ou pior, Eles confundem céptico com cínico.

E pensam que os cépticos são um grupo de curiosos ranzinzas, dispostos a não aceitar qualquer ideia que desafie o sistema vigente.

Isso está errado. Cepticismo é uma avaliação temporária das alegações.
É a aplicação da razão a qualquer e a todas as ideias ainda não consagradas.

Em outras palavras, cepticismo é um método, não uma posição.
O que os cépticos não entendem é que o povo em geral não tem dúvida sobre o cepticismo como um conceito.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Set 02, 2013 9:35 pm

Continua...

O cinismo que as pessoas vêem no assim chamado cepticismo não é em função de incompreensão da palavra por si só, mas em função das palavras e acções cínicas das pessoas que se definem como cépticos.

Quando pseudo-cépticos fazem afirmações cínicas tais como as dos argumentos apresentados neste artigo, eles transmitem aos outros um método de pensamento próximo do cínico, descartando tudo que não entendem ou não consideram possível.

Daí é que vem a impressão.
Cínicos que se escondem atrás da ciência e do cepticismo frequentemente revelam seu cinismo através de suas palavras.

Metodologias de pensamento, sistema fechado de crenças, e afirmativas dogmáticas.
As tácticas, seis, comuns e imperfeitas descritas no início desse artigo são o tipo de coisa que dão aos outros a impressão de cinismo.

Por isso é que mesmo cépticos bem conhecidos e lideres de grupos de cépticos são tidos como cínicos, incluindo James Randi (o famoso mágico, autor, desmistificador e inimigo de Uri Gelller), Michael Shermer (editor do Skeptic magazine), Joe Nickell (um dos lideres da CSICOP), Martin Gardner (desmistificador de paranormais), Susan Blackmore (Professora da Universidade de Psicologia de Londres e proponente da hipótese do cérebro agónico de NDE) etc.

Essas pessoas usam métodos fechados de pensamento para descartarem dados que não se encaixam em suas hipóteses, as quais são repletas de afirmações retiradas de seus livros e artigos.

Além disso, esses cépticos de mente fechada são os que realmente confundem seu próprio cinismo com o verdadeiro cepticismo.

Argumento 14: Aqueles que acreditam no paranormal estão pensando primitivamente, irracionalmente, infantilmente e de forma desinformada.

Essa afirmação é geralmente feita pelos cépticos mais extremistas e dogmáticos.
Afortunadamente muitos grupos cépticos perceberam o quanto tal afirmação é radical e tola, por isso pararam de proferi-la em público.

O facto é que muitos que abraçam crenças espirituais ou metafísicas chegam até elas após terem pesquisado todos os dados e terem examinado todas as explicações possíveis, construindo conclusões com bases em informações.

Por outro lado, também podemos alegar que o céptico de mente fechada que pretende derrubar qualquer facto paranormal está pensando de forma irracional e desinformada por que ele simplesmente se recusa a considerar os dados que confirmam indubitavelmente os casos paranormais, e os descarta automaticamente.

Se eles, os cépticos, não se encontram actualizados em relação ás evidências, então são os que estão agindo de forma desinformada.

Como alguém pode ser verdadeiramente informado se apenas analisa os dados que apoiam seu ponto de vista?
Exclusão proposital de factos para defesa de um paradigma não é um exemplo de pensamento racional.

Além disso, pessoas que abracem crenças paranormais e outras crenças não empíricas podem simplesmente estar expressando um ponto de vista cultural, pessoal ou espiritual.

Isso não significa que eles são menos inteligentes, mais irracionais ou infantis do que os que não acreditam no paranormal.

De facto, essas pessoas geralmente são capazes de aplicar o pensamento racional e inteligente a uma enorme gama de situações corriqueiras, quando necessário, e sem dúvida o fazem efectiva e racionalmente.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Set 03, 2013 8:21 pm

Continua...

Nós temos que lembrar que basicamente, são crenças simples ou pré-concebidas que afectam nossa aceitação dos dados relativos aos fenómenos paranormais.

Cépticos de mente fechada e desmistificadores iniciam uma investigação tendo a certeza de que existe uma explicação natural, e são firmemente dedicados a encontrá-la.

O problema é que isso pode (e acontece em alguns casos) levar a conclusões incorrectas ou prematuras.

Quando um pesquisador se proclama (falsamente, obviamente) neutro quando na realidade não é ele contribui para denegrir a reputação do cepticismo.

Por que não ser honesto e dizer:
“Eu não creio nisto.
É possível convencer-me, mas não acredito que isso vá acontecer porque por minha experiência, o mundo não trabalha desse jeito.”?


Argumento 15: Os cépticos defendem a ciência e a razão de uma onda de irracionalidade.

Essa frase vem sendo usada frequentemente em artigos e sites de organizações cépticas e em suas revistas, incluindo CSICOPs e Informativo Céptico (Skeptical Inquirer) e outros.

Afortunadamente, essa frase é actualmente criticada pelos próprios cépticos, e menos usada.

Michael Sofka do SUNY e autor do artigo Mitos do Cepticismo, http://www.rpi.edu/~sofkam/talk/talk.html ressalta que CSICOP eles frequentemente a usam na propaganda de suas campanhas para angariar fundos.

A folclorista Stephanie Hall comenta em seu artigo:
Folclore e a crescente moderação entre os cépticos organizados: http://www.temple.edu/isllc/newfolk/skeptics.html

Outra mudança defendida por muitos cépticos está na escolha da linguagem utilizada para representar o cepticismo em relação ao público.

Por exemplo, uma frase que tem aparecido comummente em artigos de Cépticos e em afirmações em suas brochuras ou sites de grupos cépticos era uma expressão de preocupação com “o crescimento da onda de irracionalidade”.

Mas, apesar desta frase ter se tornado típica dos grupos cépticos organizados e uma afirmação de preocupação geral, ela tem sido criticada pelos próprios cépticos.

No NCA Millennial Madress workshop, em maio de 1999, Chip Denman criticou essa frase como, talvez, o cepticismo possua seu próprio milenialismo, perguntando questões tais como, “O que queremos dizer com irracionalidade?” “Como isso é medido?”, “Como sabemos que está aumentando?”

Parece que essa frase como característica da identidade Céptica está saindo de moda.

Esses factos são indicadores, para mim, como pesquisador, que o Cepticismo vai sofrendo mudanças enquanto se expande, como podemos esperar em qualquer movimento social, e que grupos específicos estão começando a descobrir afinidades entre si.

Provavelmente pelo crescimento contínuo do movimento ele, agora, inspire mais confiança e estabilidade.

Os Cépticos parecem mais susceptíveis a auto-crítica e a expressarem seus pontos fortes do seu modo e não pretendem que o Cepticismo seja exposto ao público.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Set 03, 2013 8:22 pm

Continua...

Essa auto-análise é, claro, uma boa coisa, qualquer empreendedor racional deve estar disposto a auto-crítica.

Chip Denman, citado acima por Hall, chama a atenção a um ponto importante.
A afirmação não define o que eles consideram como irracional.

Ou seja, o que eles querem dizer com irracional é qualquer coisa que outros crêem e que não se encaixe no ponto de vista deles, ou não tenha sido provado pelos métodos deles.

Entretanto, isso é mais uma afirmação de acaso e fé, do que facto.

Se por irracional eles querem dizer algo que não foi provado, então é falso também já que existem evidências consideráveis para muitos dos fenómenos paranormais e psíquicos.

De facto, não parece existir nenhuma evidência de aumento da irracionalidade e superstição.

Eu desafio qualquer céptico a mostrar-me uma população em que uma alta percentagem de pessoas admita claramente que eles acreditam em “superstições e irracionalidade”.

Provavelmente não existe nenhuma, já que a maioria das pessoas não consideram suas crenças como superstição ou irracionalidade.

Os cépticos é que rotularam o paranormal como tal. Isso é uma coisa importante a ser lembrada.

Até os dados publicados pelos cépticos enfatizam que ocorre mais uma mudança na qual uma crença nova substitui outra na imaginação popular.

Ainda mais, para aumentar esses dados que existem, nós observamos uma queda na frequência das igrejas, e o povo deixando religiões organizadas em função de formas de espiritualização mais individuais e menos formais.

No senso religioso tradicional, nossa sociedade é mais material agora do que antes.

Parece que toda a questão da irracionalidade, crença, e credulidade estão no mesmo nível que sempre estiveram, apenas com distribuição diferente.

O que provavelmente está acontecendo é que essa frase está sendo utilizada para descrever crenças novas e mais amplas (Crenças do tipo Nova Era) em contraposição a crenças já estabelecidas na sociedade, o aparecimento de novas crenças é visto como aumento.

Secção II: Argumentos contra específicos fenómenos paranormais

Argumento 16:
“Psíquicos e médiuns usam a técnica chamada leitura fria para impressioná-lo com acertos acurados, não poderes psíquicos.

Este é um argumento céptico comum contra médiuns e psíquicos profissionais e amadores.

Cépticos afirmam que psíquicos e médiuns usam leitura fria para conseguir pistas sobre os clientes e impressioná-los.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Set 03, 2013 8:22 pm

Continua...

Primeiro, deixe-me explicar o que leitura fria é.
Depois eu vou explicar porque isso não vale para todas as leituras psíquicas.

Leitura fria é um termo sombrinha para uma série de técnicas usadas por mágicos e mentalistas (especialistas em truques de leitura da mente) para empregar uma variedade de métodos para ganhar informação e pistas sobre um cliente para uma leitura.

Estes métodos incluem mas não são limitados a:
procura por pistas através de perguntas, ouvindo tudo o que o cliente diz para a obtenção de pistas, fazendo afirmações gerais ou vagas que a maior parte das pessoas interpretam como acertos, observando expressões faciais e linguagem corporal enquanto você faz afirmações, analisando pistas pelo vestido e comportamento de uma pessoa, e outros truques de mentalistas, etc.

(ao contrário do que muitos dos politicamente correctos dizem, o facto é que muitas coisas podem ser ditas sobre uma pessoa baseado em sua aparência, mesmo numa fotografia).

Mesmo as menores coisas podem dar a um treinado leitor frio importantes pistas sobre você.
Conjuntamente com a leitura fria, outra técnica conhecida como “leitura quente” pode também ser usada.

Leitura quente é uma técnica de investigar o passado e os registos de uma pessoa antes de uma leitura psíquica para obter informação específica sobre elas.

Mentalistas actuando no palco usam frequentemente a leitura quente para obter de antemão a informação prévia sobre membros da plateia, como nomes novos, endereços anteriores, etc.

A leitura fria pode ser usada conscientemente e inconscientemente.
Alguns leitores frios conhecidos usam e desenvolvem suas técnicas frias da leitura como uma habilidade ou uma arte.

Outros podem subconscientemente usar técnicas frias da leitura, atribuindo à intuição ou às habilidades psíquicas, assim iludindo tanto a eles mesmos como a seus clientes.

Apesar de ser verdade de que existem muitas fraudes de quem usa leitura fria do modo que os mentalistas e mágicos fazem, isto não significa que todo o psíquico é uma fraude.

Isso seria como achar dinheiro falsificado e concluir que todo dinheiro é falso.

Truques mágicos e habilidades psíquicas genuínas são dois campos separados, ao contrário do que cépticos como Randi tentam fazer você acreditar.

Claro, fraude e exploradores fazem parte de qualquer tipo de negócio, não apenas no campo mediúnico e psíquico.

O problema com a explicação da leitura a quente e a frio é que para muitos dos acertos das leituras psíquicas (incluindo algumas minhas próprias) as técnicas não acertam as informações específicas obtidas.

Por exemplo, algum psíquico pode lhe dizer muitas coisas específicas sobre você fazendo-lhe muitas perguntas, as quais não admitem a técnica de “procura por pistas”.

Se nem ele nem nenhum de seus cúmplices falaram com você anteriormente, então isso não admite a mesma técnica.

Se as afirmações que eles fizeram não podem ser ganhas por nada através de sua aparência, então isso não admite as técnicas das “pistas visuais” também.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Set 04, 2013 9:08 pm

Continua...

Por exemplo, se foi-lhe dito o local em que você cresceu, o seu sobrenome, ou um evento em seu passado que não é visto pela sua aparência, então a técnica de pistas visuais não pode ser usada.

Adicionalmente, se o psíquico que lhe disse essas coisas não sabia que você iria em primeiro lugar, como na entrada de um mercado psíquico, então isso elimina a leitura a quente também.

Infelizmente para estes cépticos, existem inúmeros casos de leituras psíquicas onde todas essas técnicas não podem ser admitidas.

Assim, leitura a quente/frio não pode valer para todo o caso.

Nesses casos, o céptico é deixado sem explicações, mas continua insistindo que o cliente deve ter dado algum tipo de pista, e pede que isso seja refutado primeiro antes de impor qualquer tipo de afirmação de habilidade psíquica genuína actuando.

Entretanto, se isso foi um evento passado, é impossível provar a menos que você pudesse voltar no tempo, então o céptico tem sua desculpa para negar novamente.

Deixe-me dar alguns exemplos de leituras psíquicas as quais eu sei que leitura a frio era impossível ou demasiado improvável:

1) Um de meus próprios exemplos é de uma leitura psíquica que eu obtive da mãe do meu professor de representação aproximadamente há um ano e meio.

Durante o ensaio, eu ouvi que a mãe do meu professor, Pérola, fez leituras psíquicas como um favor pessoal para as pessoas.

Um estudante mencionou que ela estava espantada porque a Pérola lhe disse que teve uma determinada tragédia quando tinha 5 anos velhos.

Curioso eu mesmo, decidi-me visitá-la e pedir uma leitura também apenas por divertimento para ver o que aconteceria.

Acima de até então, nenhuns dos psíquicos que eu fui antes impressionou-me com qualquer coisa específica.

E desde que não era uma psíquica profissional, eu não pensei que teria razões para usar quaisquer truques de fraudulenta leitura a frio.

Pérola concordou e sentamo-nos.
Tudo que me perguntou foi minha data do nascimento (uma pergunta comum pelos psíquicos para supostamente abrir os registos Akáshicos que contêm seu histórico cármico), a seguir olhou minha palma por um momento.

Ela NÃO fez nenhuma pergunta importante ou pescou indícios.
Para meu espanto, disse que detectou que eu tive um período trágico em minha vida em que eu tinha 9 anos de idade.

De algum modo podia sentir as cicatrizes emocionais lá, não das linhas de minha palma disse, mas sentiu das vibrações.

Isto era muito verdadeiro porque esse ano foi o pior ano de minha vida, além do ano de quando eu tinha 16.
Adivinhar por acaso, embora possível, era improvável porque se supusesse qualquer outro ano entre 9 e de 16, a seria errado.

Pela adivinhação, teria uma possibilidade de 2/25 de estar certa.
Além disso, adivinhação se torna ainda mais improvável desde que ela adivinhou o ano trágico da menina correctamente antes de mim.

Adivinhação generalizada era também improvável porque se a Pérola supusesse a idade de 5 como fez para a menina antes de mim, seria errado.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Set 04, 2013 9:09 pm

Continua...

No dia seguinte que isso ocorreu, eu escrevi um registo disto em uma mensagem, pedindo que os cépticos expliquem isto.

Insistiram que a leitura fria ou a adivinhação por acaso foram usadas.

Quando eu mencionei que tudo que foi pedido de mim foi minha data do nascimento, insistiram que as expressões faciais e a linguagem corporal eram parte da leitura fria também.

Mas quando eu os desafiei explicar como minha expressões ou língua de corpo facial lhe disseram que eu tive uma tragédia em 9 anos velho, não tiveram nenhuma explanação excepto para repetir outra vez a mesma coisa e para evitar a pergunta.

Eram claudicantes!
Quais as probabilidades que Pérola tinha de conseguir tais acertos para ambos a mim e a menina antes de mim?

Mais recentemente, um céptico sugeriu-me que desde que isto ocorreu um ano e meio já, minha memória dos eventos não pode ser exacto.

Entretanto, eu demonstrei sua teoria falsa da memória no ponto em que indiquei que eu tive ainda registo da mensagem que eu escrevi logo após o evento, que conteve os MESMOS detalhes que eu recordo agora.

Depois que sua teoria ruiu, sugeriu que se fossem uma escola, teriam registos de meu passado.

Quando eu lhe disse que era não uma escola real, mas uma classe de actores de teatro da comunidade que não tinham nenhum registo de mim, (e não pediram tampouco) ele ficou sem explicações e desafiou-me a provar que eu tive uma memória perfeita de cada detalhe que acontecesse, incluindo a cor das roupas, cadeiras, etc. e que eu tinha uma transcrição detalhado da coisa inteira, ou outro eu não poderia eliminar todas aquelas explicações não-psíquicas possíveis restantes.

Isto era naturalmente ridículo porque seria como pedir que alguém recorde o número da placa da licença de cada carro que dirigiram por esta manhã, ou o que fizeram 257 dias atrás ás 3:15 pm, por exemplo.

Estava ficando obviamente desesperado para explicações aqui e foi tão longe nisto que me desafiou a provar coisas triviais e colocou o ónus da prova em mim.

Este era obviamente o trabalho de uma mente fechada e inclinada.

Adicionalmente, Pérola era do tipo simples sincera amável uma típica velhinha e qualquer um que se encontrou com ela riria se ouvissem a reivindicação que era uma leitora fria.

2) Os próximos dois acertos foram recentemente relatados para mim por meu pai.
O primeiro envolve um psíquico em que ele, minha mãe e seu amigo conhecido há muito tempo atrás em Taiwan (eu acho que foi no começo dos anos 70, antes de eu ter nascido).

Enquanto eles estavam passando por uma cidade em que eles raramente visitavam chegaram a uma fila de pessoas que esperavam uma leitura deste psíquico cego que dava as leituras baseadas nas vozes que ouvia.

Minha mãe decidiu-se no furor do momento a ter uma leitura dele.
Sem buscar quaisquer indícios, uma das primeiras coisas que lhe disse era que quando era uma criança, sua mãe tentou dá-la para a adopção a uma outra família, mas ela voltou atrás, o que era VERDADE!

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Set 04, 2013 9:10 pm

Continua...

Minha mãe ficou muito espantada naquele tempo, e seu amigo ficou tão espantado que tentou empurrar minha mãe de lado para tentar obter uma leitura também.

Disse-lhe também outras coisas que eram verdadeiras também.
Agora, ser levado para a adopção e então voltar correndo para casa não é uma suposição generalizada que qualquer um faça, somente algumas pessoas.

Meus pais e o amigo de minha mãe podem confirmar esta história, assim não é como se fosse feita na obscuridade.

Além disso, desde que esta leitura foi feita na hora e não pré-arranjada, não havia nenhuma possibilidade de usar leitura a quente ou estudo do passado.

E desde que isto ocorreu em uma cidade que ela raramente visitasse, não haveria pessoas que a conhecessem que poderiam ter dito ao psíquico sobre ela de antemão.

Os cépticos a quem relatei isto tentaram reivindicar que desde que isto ocorreu há décadas, as memórias das três pessoas envolvidas não podem ser creditadas como confiáveis.

Entretanto, como mencionado na refutação ao argumento 6, desde que este era um evento chocante, a memória disto é a mesma que era quando então aconteceu (como em meu próprio exemplo acima).

Além disso, desde que este tipo de fantástica leitura psíquica ocorre ainda em épocas modernas de qualquer maneira, porque não poderiam ter ocorrido anteriormente também?

3) Está aqui a segunda história que aconteceu mais recentemente.
Alguns anos há, meu pai e uma colega de trabalho, Eileen, foram a um mercado psíquico.

Escolheram um dos psíquicos de lá para uma leitura e sentaram-se.
Imediatamente o psíquico disse a Eileen que "você está em processo de mudança" o que era verdadeiro porque Eileen já tinha vendido a sua casa e estava de facto no processo de se mover.

Golpeada com perplexidade, arranjaram uma leitura pessoal mais tarde com o psíquico.

Os cépticos me disseram a esta reivindicação que a frase "você está em processo de mudança" era vaga e podia ser interpretada em muitas maneiras relacionadas às mudanças na vida.

Entretanto, sempre que eu ouvi a frase usada, isso usualmente referia-se a mudança de residência.
Em um ou outro caso, mesmo se for uma frase geral, isso ainda não significa que era apenas uma suposição.

4) Este caso que recente eu ouvi em minha lista da discussão do email é provavelmente mais extraordinário ainda.

Uma sábia senhora chamada Edith (Edithlaq@aol.com), que tem um histórico de dar bons conselhos espirituais, contou esta história:

Eu fui a uma feira psíquica em Chicago, totalmente sozinha, no furor do momento, olhei então ao redor e vi um homem velho pequeno sentado sozinho, um bocado longe de todos os outros.

Eu andei até ele, perguntei-lhe quanto ele cobrava, e sentei-me.
Ele sequer perguntou minha data de nascimento ou qualquer outra pergunta, e começou a falar sobre minhas crianças.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Set 05, 2013 10:37 pm

Continua...

Disse que eu tive duas crianças, um menino e uma menina.
Eu disse-lhe que isto não é verdadeiro, que eu tive duas meninas.
Ele disse que o que ele sabia era diferente, o que realmente me transtornou.

Disse que o menino morreu logo após seu nascimento, e que minha menina tinha morrido há alguns anos em um acidente trágico, e que a segunda menina não é minha própria menina, mas é adoptada.

Ele estava certo, porque eu tive que admitir que eu não pensava mais no meu menininho como um filho.
(ele nasceu há 37 anos, prematuramente no 6º mês da gravidez, e tinha vivido somente 25 minutos.)

Disse-me então que eu estou escrevendo uma novela, e comecei a esboçar a história, definindo a característica da novela pelo nome, seus papéis, e como eles se relacionavam, e a ordenação do tempo da história.

Ele estava certo nos mínimos detalhes, melhor do que eu poderia descrever, tendo-o escrito.

Disse-me que eu estaria ensinando muitas pessoas, e que as pessoas virão a minha casa pedir lições, mas isso será fora do estado, no Sul.

(O Sul era o último lugar na terra que eu quereria viver nesse tempo.
Nem eu queria largar meu trabalho, ou minha casa dos sonhos que eu tinha comprado somente pouco antes.

Meses mais tarde que meu marido foi transferido de repente a Geórgia.
Aqui eu tive um exibição de arte em Atlanta, e as pessoas tinham se aproximado de mim para eu ensinar arte, especial a pintura de óleo.
)

Havia muitos outros eventos que me disse de minha infância, juventude, meu casamento anterior, toda exactas em cada aspecto e em cada detalhe pequeno.

Descreveu a casa que eu nasci, uma casa eu nunca tinha visto nunca outra vez em 46 anos, e eu tive que olhar em uma fotografia velha para verificar os detalhes que ele descreveu, de que eu não mais recordava.

Estava correcto.
Ele pegou uma caneta e escreveu o nome do meu pai, na letra do meu pai.
(o velho certificado alemão, que é não mais usado, chamado: Hohe Stolze.)

Agora, eu não espero que você acredite em mim, e eu não me importo mesmo, qualquer explicação que você tenha para tudo isto, não muda nada.

Recorde apenas uma coisa:
Eu tinha estado nunca em Chicago antes, à excepção de passar por ele dirigindo.

Chicago estava a 45 milhas de onde eu vivi, e eu não conhecia NINGUÉM da cidade, nem qualquer um soube que eu estaria indo a Chicago naquele o dia, e eu não tinha a menor ideia de que havia uma feira psíquica para começar, mas esbarrei nela em um dos passeios.

Mas sobretudo, aquele era um psíquico particular que escolhi entre todos os outros.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Set 05, 2013 10:37 pm

Continua...

Eu estive com outros psíquicos, em tempos diferentes, em diferentes estados e em diferentes países, todos sem indicação, e sem recomendação de qualquer um que eu conhecesse, quem tem sido o mais correcto em tudo o que eles dizem, três descreveram a mesma novela que falei anteriormente, um falou de um livro que eu escrevi muitos anos antes, até mesmo o número de páginas que o manuscrito tinha, quantos capítulos, e o índice geral.”

Como você pode ver, os factos nestes incidentes não sugerem em nenhuma maneira que a leitura a quente/frio estivesse envolvida.

Registos de leitura psíquica como este são abundantes e vêm de pessoas de todas as caminhadas da vida.
Qualquer um com pouca pesquisa poderia vir com registos como estes.

Durante o ano 2000, médiuns famosos foram testados sob circunstâncias controladas pelo Dr. Gary Schwartz do Laboratório de Sistemas de Energia Humana na Universidade do Arizona (http://www.openmindsciences.com), que revelou alguns resultados espantosos.

As experiências envolveram um grupo de médiuns e de assistentes que não foram ditas suas identidades de antemão.
Separado por uma tela de pano, os médiuns somente puderam fazer algumas poucas perguntas de sim ou não antes de dar suas leituras.

Suas leituras foram para fora da média entre uma taxa de uma exactidão de 70 a 90 por cento, distante bem acima do nível chance de 33 por cento!

As probabilidades que isto ocorresse por acaso, de acordo com o Dr. Schwartz, são uma em triliões!

Ainda mais impressionante, na segunda experiência que envolve um grupo diferente de médiuns e de assistentes, não foram permitidos os médiuns perguntar qualquer coisa, contudo retiveram AINDA o mesmo nível da exactidão como os médiuns na primeira experiência!

Um relatório destas experiências foi publicado na introdução de Janeiro de 2001 do Jornal da Sociedade para a Pesquisa Psíquica.

O relatório, a Exactidão e Replicabilidade de uma Comunicação Anómala do Após-Morte Através de Médiuns Altamente Hábeis, que você pode obter mandando um email para o próprio Dr. Schwartz GSchwart@u.arizona.edu, que contêm os seguintes excertos chaves:

"em uma experiência de replicação e extensiva, a exactidão média do médium em um período de dez minutos iniciais que não permitiu perguntas sim-não foi de 77%."

"os dados sugerem que os médiuns altamente hábeis podem obter a informação exacta (p menor que um em dez milhões) e replicável.

Desde factores como fraude, o erro, e a coincidência estatística não pode explicar os dados actuais, outros mecanismos possíveis deve ser considerado na pesquisa futura.

Estes incluem a telepatia, super-psi, e a sobrevivência pós-morte da consciência."

"Pode-se ver que os médiuns variaram no número de itens totais que obtiveram e o número das perguntas que fizeram.

Médium 1, em particular, conseguiu 130 partes de informação específicas contudo fez somente 5 perguntas, 4 que (80%) foram respondidos sim."

"Médium 1, que obteve a contagem a mais baixa (80%), somente fez um total de cinco perguntas.

Daqui, é impossível reivindicar que a percentagem das avaliações correctas do médium (veja abaixo) era devido "à leitura fria" e à "pesca por informação." “

"Embora os nomes fossem avaliados menos exactamente, o valor da exactidão era ainda surpreendentemente elevado (67% para o assistente um e 76% para o assistente dois).

As iniciais receberam umas contagens mais elevadas da exactidão dos por cento (90% para o assistente um e 100% para o assistente dois).

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Set 05, 2013 10:38 pm

Continua...

A informação pessoal do temperamento foi relatada muito exactamente (95% para o assistente um e 93% para o assistente dois)."

"Para os primeiros dez minutos, os médiuns foram instruídos para receber qualquer informação que poderiam sobre os defuntos compartilhar desta informação.

Não foi permitido fazer nenhuma pergunta aos assistentes.
Os assistentes foram instruídos para permanecer silenciosos...
O índice destas duas leituras foi dramático.

A informação sobre o filho falecido e o cão replicou-se outra vez por ambos os meios.
Entretanto, ambos os médiuns receberam também a informação sobre o marido recentemente falecido.

O médium 2 relatou estar confuso, dizendo "Eu fico ouvindo Michael duas vezes, Michael duas vezes."
O nome do pai era Michael, o nome do filho era Michael, Jr."

"As duas barras direitas indicam as avaliações da percentagem + exactidão média para os períodos silenciosos e questionando, combinando os dados para os médiuns 1 e 2.

A exactidão média para os períodos silenciosos era 77% e para o período questionando, 85%.

O número total de itens recebidos durante o período silencioso foi 64, o total durante o período questionando foi 157.

A diferença entre os períodos silenciosos e questionando na exactidão dos por cento não foi estatisticamente significativa."

"A exactidão dos meios 1 e 2 foi replicada, incluindo durante um período dez minutos silenciosos em que nenhuma pergunta foi permitida.

Nova informação sobre o marido falecido foi recebida por ambos os médiuns.

Mais informação foi obtida durante o período questionando do que o período silencioso, e as avaliações de exactidão eram um tanto mais elevadas.

Entretanto, a informação detalhada foi obtida durante os períodos silenciosos em que nenhuma "leitura fria" era possível."

"Estas duas experiências fornecem os dados quantitativos que são consistentes com a hipótese que alguma forma da recuperação de informação anómala estava ocorrendo nestes médiuns habilidosos.

As hipóteses tradicionais de fraude, de sinais subtis, e da coincidência estatística, são explanações improváveis no jogo total das observações relatadas aqui."

"Os registos actuais não falam directamente no mecanismo (s) da recuperação de informação anómala observada.

Entretanto, a dessincronia aparente de ECG's do médium com o ECG do assistente durante os períodos da leitura comparados aos períodos da linha de base é inconsistente com uma "telepatia com o assistente" como interpretação dos registos."

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 06, 2013 9:59 pm

Continua...

"...Entretanto, é importante mencionar que os médiuns falaram notavelmente de modo rápido e geraram um número surpreendente grande de factos específicos."

"Para o primeiro assistente, todos os cinco médiuns obtiveram a informação sobre um filho falecido.

Três dos cinco meios ouviram o M inicial para o filho, um disse o nome Michael.
Nenhuns deram uma inicial ou nome falso ou para o filho.

Também, nenhuns obtiveram a informação sobre uma filha falecida (seu filho morreu, sua filha estava viva)."

"Exemplo Qualitativo II: Recebendo informação exacta dias antes das leituras

Um dos médiuns recebeu objectivamente uma comunicação da mãe falecida de um dos assistentes alguns dias antes de viajar a Tucson.

A mãe fez saber objectivamente ao médium acerca de uma oração favorita que havia recitado regularmente a sua filha quando criança.

Além disso, de acordo com a mãe falecida, a filha estava continuava secretamente a oferecer esta oração para ela.
Um assistente do médium foi instruído a encontrar um livro de oração, marcando-o, e a embrulhar o presente.

Quando a leitura estava a ponto de começar com o assistente, o médium relatou inesperadamente aos experimentadores que se tinha esquecido de trazer no laboratório um presente que tinha trazido para este assistente de sua mãe falecida.

Surpreendido pela reivindicação de tal presente, nós instruímos o médium que poderia mandar seu assistente o trazer depois que a leitura tivesse terminado oficialmente e os dados formais tivessem sido colectados.

O presente foi trazido no laboratório no fim da sessão e passado em torno da tela ao assistente.

Na hora de abrir o presente, o assistente, em lágrimas, confirmou que esta era uma oração especial sua mãe a tinha passado quando criança.

Além disso, compartilhou que continuou silenciosamente a dizer esta oração para sua mãe falecida.

Desde que o médium objectivamente não soube quem os assistentes eram antes do tempo, e também não soube quem eram atrás da tela, a observação do médium que recebeu uma comunicação anómala três dias antes da experiência e que dá a este assistente particular este presente particular alimenta perguntas desafiantes..."

Desde que eles foram publicados em janeiro de 2001 no Journal of Parapsychology, mais experimentos foram feito e agora podem ser lidos em seu novo livro The Afterlife Experiments: Breakthrough Scientific Evidence of Life After Death disponível na Amazon.com.

Argumento 17: “Experimentos que mostram evidência para psi devem ser replicados para contar como evidência.”

Corolário: “Eu não vou considerar experimentos de psi bem-sucedidos como evidência para psi a menos que os resultados sejam replicados por outros cientistas e revisados por pares.”

Esta é uma outra categoria que os cépticos tendam a descartar a evidência.
Se não puderem encaixar em "a evidência anedótica é uma categoria sem valor," então põem-na "na categoria irreplicável" (e por isso eles não querem dizer apenas replicável por alguns outros cientistas, mas por cada cientista no mundo!).

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 06, 2013 9:59 pm

Continua...

Quando este padrão puder parecer razoável cientificamente, é usualmente apenas uma outra táctica a tentar aumentar a dificuldade, porque não importa como muitas vezes uma experiência bem sucedida de psi foi replicada, ainda exigirão uma taxa mais de replicação que nunca termina!

(se as 2.549 sessões do Ganzfeld e das experiências do autoganzfeld de 1974 a 1997 pelos laboratórios de pesquisa diferentes que produziram resultados acima do acaso não contarem como replicadas, então o quê?)

Não obstante, o primeiro problema com isto é que apenas porque algo não replicado não significa que não aconteceu.

Por exemplo, se o medalha de ouro Carl Lewis quebrar um recorde mundial, e os outros atletas não puderem repeti-lo, que não significa que Lewis não o fez em primeiro lugar.

Do mesmo modo, se eu ganhasse um jackpot de uma máquina ou jogasse uma moedinha de 25 centavos e ela ficasse de pé (isto é possível mas há umas probabilidades astronómicas contra isso), mas não pudesse repetir outra vez, isso não significa que não ocorreu na primeira vez.

Similarmente, os fenómenos tais como supernovas, esferas de relâmpago, e cometas não são replicáveis por nós mas são reconhecidos por existir de qualquer maneira.

Consequentemente, replicação aparente dos UFO ou dos fantasmas pode não ser possível porque estão fora de nosso controle, mas isso não significa que nunca acontecem ou não existem.

Tudo que seria necessário é um caso genuíno de um UFO ou de um fantasma para provar que era real e possível.
Como numa lei desconhecida que eu encontrei diz:
"se acontece uma vez, então deve ser possível."

De facto, a natureza dos fenómenos psíquicos fá-los não fáceis de replicar.
Dean Radin, Ph.D, Director do Laboratório de Pesquisa da Consciência na Universidade de Nevada, e autor do O Universo Consciente:

A verdade científica dos fenómenos psíquicos, lista 8 razões porque é assim: (página 40)

Os efeitos de psi não caem na classe de efeitos facilmente replicáveis.

Há oito razões típicas porque a replicação é difícil de conseguir:
(1) o fenómeno não pode ser replicado;
(2) os procedimentos experimentais escritos podem estar incompletos, ou as habilidades necessitadas para executar a replicação podem não ser bem compreendidas;

(3) o efeito sob estudo pode mudar com o tempo ou reagir ao procedimento experimental;
(4) os investigadores podem inadvertidamente afectar os resultados de suas experiências;
(5) as experiências falham às vezes por razões sociológicas;

(6) existem razões psicológicas que impedem que as replicações sejam fáceis de conduzir;
(7) os aspectos estatísticos da replicação são muito mais confusos do que as pessoas pensam;
e
(8) as complicações no projecto experimental afitam algumas replicações

Continua...


Última edição por O_Canto_da_Ave em Sex Set 06, 2013 10:01 pm, editado 1 vez(es)
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 06, 2013 10:00 pm

Continua...

O segundo problema com este argumento é que as experiências bem sucedidas de psi definitivamente foram replicadas por investigadores e por laboratórios diferentes.

Um exemplo contínuo famoso é a série dos estudos de telepatia conhecidos como as experiências ganzfeld, em que os assuntos supõem imagens do alvo ao se sentar com as metades das bolinhas de ping-pong sobre seus olhos e escutar o relaxante ruído branco projectado para os privar de estímulos sensórios para elevar sua intuição e habilidades psíquicas.

Dean Radin, no mesmo livro citado acima descreve a replicabilidade das experiências de Ganzfeld: (página 78-79)

Na convenção anual da associação de Parapsicologia em 1982, Charles Honorton apresentou um papel sumariando os resultados de todas as experiências conhecidas do ganzfeld a essa data.

Concluiu que as experiências nesse tempo forneceram a evidência suficiente para demonstrar a existência de psi no ganzfeld...

Nesse tempo, as experiências do ganzfeld tinham aparecido em trinta e quatro relatórios publicados por dez investigadores diferentes.

Estes relatórios descreveram um total de quarenta e duas experiências separadas.
Destes, vinte e oito relataram as taxas de acerto reais que foram obtidas.
Os outros estudos declararam simplesmente as experiências bem sucedidas ou mal sucedidas.

Desde que esta informação é insuficiente para conduzir uma meta-análise numericamente orientada, Hyman e Honorton concentraram suas análises em vinte e um outros estudos que tinham relatado taxas de acerto reais.

Daqueles vinte e oito, vinte e três tinham resultado de acerto acima do esperado pelo acaso.

Este era um indicador imediato que algum grau de replicação tinha sido conseguido, mas quando as taxas de acerto reais de todos os vinte e oito estudos foram combinadas, os resultados eram mais espantosos do que Hyman e Honorton tinham esperado: probabilidades de encontro a uma possibilidade de dez biliões a um.

Claramente, os resultados totais não eram apenas um acaso, e ambos os investigadores concordaram imediatamente que algo interessante estava ocorrendo.

Mas era telepatia?

Radin adicionalmente elabora em como o investigador Charles Honorton testou se as replicações independentes tinham sido conseguidas realmente: (página 79)

Para dirigir-se aproximadamente ao interesse se as replicações independentes tinham sido conseguidas, Honorton calculou os resultados experimentais para cada laboratório separadamente.

Os resultados significativamente positivos foram relatados por seis dos dez laboratórios, e a contagem combinada através dos dez laboratórios resultou ainda nas probabilidades de encontro à possibilidade aproximadamente de bilhão a esse.

Isto mostrou que não apenas um laboratório era responsável pelos os resultados positivos; pareceram por todo lugar, mesmo nos laboratórios que relatam somente algumas experiências.

Para examinar ainda mais a possibilidade que os dois laboratórios mais prolíficos eram responsáveis pelas fortes probabilidades contrárias à possibilidade, Honorton recalculou os resultados depois de excluir os estudos que ele e Sargent tinham relatado.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 07, 2013 8:57 pm

Continua...

As probabilidades resultantes de encontro à possibilidade eram ainda dez mil a um.
Assim, o efeito não dependeu de apenas um ou dois laboratórios; replicado com sucesso por outros oito laboratórios.

Na mesma página, ele então descarta a reivindicação céptica que o efeito gaveta (relatório selectivo) poderia enviesar os resultados da meta-análise a favor de psi: (página 79-80)

Um outro factor que pudesse esclarecer o sucesso total dos estudos do ganzfeld era a política editorial de jornais profissionais, que tende a favorecer a publicação de estudos bem sucedidos melhor que mal sucedidos.

Este é o “efeito gaveta" mencionado anteriormente.
Parapsicologistas foram os primeiros a tornar-se sensíveis a este problema, que afecta todos os domínios experimentais.

Em 1975 os oficiais da associação de Parapsicologia adoptaram uma política que opõe o relatório selectivo de resultados positivos.

Em consequência, os resultados positivos e negativos foram relatados nas reuniões anuais da associação de Paraspsicologial e em suas publicações afiliadas por mais de duas décadas.

Além disso, um exame de 1980 dos Parapsicologistas pela psicóloga britânica céptica Susan Blackmore tinha confirmado que o problema do “efeito-gaveta” não era um factor sério para a meta-análise do ganzfeld.

Blackmore descobriu dezanove estudos completos mas não publicados do ganzfeld.
Daquele dezanove, sete eram independentemente bem sucedidos com probabilidades de encontro a uma possibilidade de vinte a de um ou maior.

Assim quando alguns estudos do ganzfeld não tinham sido publicados, Hyman e Honorton concordou que o relatório selectivo não era um factor importante nesta base de dados.

Ainda, porque é impossível saber quanto outros estudos puderam ter sido arquivados, é comum nas meta-análises calcular quantos estudos não-reportados seriam requeridos para anular os efeitos observados entre os estudos sabidos.

Para os vinte os oito acertos directos dos estudos ganzfeld, isto requereria 423 experiências arquivadas, uma relação de estudos não relatados de aproximadamente quinze a um.

Dado o momento e os recursos tomadas de conduzir uma única sessão do ganzfeld, deixou sozinho 423 hipotéticas não relatadas experiências, não é surpreendente que Hyman concordou com o Honorton que o factor de efeito-gaveta não poderia plausivelmente esclarecer os resultados totais da base de dados psi do ganzfeld.

Simplesmente não havia bastantes experimentadores ao redor para ter conduzido aqueles 423 estudos.

Assim distante, o proponente e o céptico tinham concordado que os resultados não poderiam ser atribuídos por chance ou às práticas de relatório selectivas.

Um outro argumento céptico de encontro aos estudos do ganzfeld é vazamento sensorial.

Radin dirige-se a este também: (página 81-82)

Porque o procedimento ganzfeld usa um ambiente de isolação sensorial, a possibilidade de vazamento sensorial durante a parte de “envio” telepático da sessão já é diminuída significativamente.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 07, 2013 8:57 pm

Continua...

Após o período de emissão, entretanto, quando o receptor tentar combinar a experiência dele ou dela ao alvo correcto, se no entendimento de interacção do experimentador o receptor souber a identidade do alvo, ele ou ela poderia inadvertidamente inclinar as avaliações do receptor.

Um estudo na base de dados do ganzfeld conteve esta falha potencial fatal, mas melhor que mostrar um resultado espantosamente bem sucedido, os participantes do estudo de facto foram ligeiramente abaixo do esperado pelo acaso...

Apesar das variações na qualidade do estudo devido a estes e a outros factores, Hyman e Honorton ambos concluíram que não havia nenhum relacionamento sistemático entre os métodos da segurança usados para proteger contra o vazamento sensorial e aos resultados do estudo.

Honorton provou seu ponto recalculando os resultados totais somente para os estudos que tinham usado ajustes duplicados do alvo.

Encontrou que os resultados eram ainda extremamente fortes, com probabilidades contrárias à possibilidade de aproximadamente 100.000 a 1.

Onde céptico Ray Hyman discordou com o Charles Honorton estava no registo das falhas de randomização que afitam os resultados do ganzfeld.

Entretanto, como Radin indica, o consenso dos peritos na meta-análise está contrária à hipótese de Hyman: (página 82-83)

Um cuidado similar levanta-se para o método de randomização a sequência em que o experimentador apresenta o alvo e as três outras possibilidades ao receptor durante o processo de julgamento.

Se, por o exemplo, o alvo for apresentado sempre em segundo na sequência de quatro, então novamente, alguém pode dizer a um amigo, e o amigo, armado com o conhecimento sobre qual dos quatro alvos é real, poderia com sucesso seleccionar o alvo real sem o uso de psi.

Embora estes cenários fossem implausíveis, os cépticos insistiram sempre em expor mesmo as falhas hipotéticas mais improváveis.

E estava nesta edição, a importância das falhas de randomização, que Hyman e Honorton discordaram.
Hyman reivindicou que viu um relacionamento significativo entre falhas de randomização e resultados do estudo, e Honorton não.

As fontes desta discordância podem ser seguidas às definições diferindo de Honorton e de Hyman de "falhas de randomização," a como os dois analistas avaliaram estas falhas nos estudos individuais, e a como trataram estatisticamente as avaliações de qualidade.

Estes tipos de discordâncias complicadas não são inesperadas dadas a convicção diametralmente oposta com que Honorton e Hyman começaram suas análises.

Quando tais discrepâncias se levantam, é útil considerar as opiniões dos revisores exteriores que têm as habilidades técnicas para avaliar as discordâncias.

Neste caso, dez psicólogos e estatísticos forneceram comentários ao lado do debate publicado Honorton-Hyman que apareceu em 1986.

Nenhuns dos comentadores concordaram com o Hyman, quando dois estatísticos e dois psicólogos associados não previamente com este debate concordaram explicitamente com o Honorton.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 07, 2013 8:58 pm

Continua...

Em duas análises separadas conduzidas mais tarde, os cientistas de comportamento Mónica Harris e Robert Rosenthal (o último um perito mundialmente renomado na metodologia e na meta-análise) Hyman usado próprias avaliações e não encontram nenhuns relacionamentos significativos entre as supostas falhas e os resultados dos estudos.

Escreveram, "nossa análise dos efeitos das falhas no resultado do estudo não fornecem nenhuma sustentação à hipótese que os resultados de pesquisa do ganzfeld são uma função significativa dessas falhas”.

Ou seja todos concordaram que os resultados do ganzfeld não eram devido ao acaso, nem ao relatório selectivo, nem ao escapamento sensorial.

E todos, a não ser um céptico assumido, concordou também que os resultados não eram plausivelmente devido às falhas em procedimentos de randomização.

O debate estava agora considerado para passar da etapa crítica do estágio 1, "É impossível," para o Estágio 2, "Okay, talvez seja real.”

Mesmo após a série replicada bem sucedida dos experimentos ganzfeld, uma replicabilidade adicional foi encontrada nas experiências controladas por computador do autoganzfeld, projectadas por serem mesmo mais eficiente e controlado do que as experiências ganzfeld originais (embora mostrado não ser significativo como mencionado acima).

Desta vez contudo, dois mágicos que se especializaram no mentalismo foram trazidos para verificar os protocolos para ver se há aberturas para trapaças, como Radin descreve: (página 86)

Além, dois mágicos profissionais que se especializaram na simulação dos efeitos de psi (chamados "mentalistas" ou "anfitriões psíquicos") examinaram o sistema e os protocolos do autoganzeld para ver se era vulnerável aos truques do mentalista ou a fraudes do tipo conspiratórias.

Um dos mágicos era Ford Kross, um oficial da Associação dos Anfitriões Psíquicos.

Kross forneceu o seguinte escrito sobre o autoganzfeld setup:

Em minha capacidade profissional como um mentalista, eu revi o sistema automatizado psicofísico dos laboratórios ganzfeld de pesquisa e achei ser provido de excelente segurança contra fraudes das pessoas.

O outro mágico era o psicologista Daryl Bem da Universidade de Cornell, que além de ser co-autor de um papel 19954 nas experiências psi do ganzfeld com Honorton, são também um mentalista profissional e um membro da Associação dos Anfitriões Psíquicos.

Radin sumariza os resultados das experiências do autoganzfeld como segue: (página 86)

O ponto principal para as onze séries, consistindo em um total de 354 sessões, foi 122 acertos directos, para uma taxa de acerto de 34 por cento.

Isto compara favoravelmente com a meta-análise de 1985 com acerto de 37 por cento.
O autoganzfeld de Honorton resulta probabilidades totais produzidas contrárias ao acaso de quarenta e cinco mil a um.

Replicações adicionais além das experiências do ganzfeld e do autoganzfeld incluem o seguinte: (página 87-88)

As seguintes replicações foram relatadas pelo psicólogo Kathy Dalton e pelos seus colegas na Koestler Chair of Parapsychology, Departamento de psicologia, Universidade de Edimburgo, Escócia.

As experiências de Edimburgo, conduzidas de 1993 a 1996 (e ainda prosseguindo), consistiram em cinco relatórios publicados e em 289 sessões usando melhorado, instalação automatizada completamente do ganzfeld por si.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 08, 2013 9:22 pm

Continua...

Foi baseada no projecto original do autoganzfeld de Honorton e executada nos estágios primeiramente por Honorton, então pelo psicólogo Robin Taylor, então por mim, e finalmente por Kathy Dalton.

Outras replicações foram relatadas pelo professor Dick Bierman do departamento de Psicologia na Universidade de Amesterdão;
Professor Daryl Bem do Departamento de Psicologia da Universidade de Cornell;

Dr. Richard Broughton e colegas no centro de pesquisa em Durham, Carolina do norte de Rhine;
Professor Adrian Parker e colegas na Universidade de Gothenburg, Sweden;
e estudante doutorado Rens Wezelman do Instituto para Parapsicologia em Utrecht, Países Baixos.

Quando somente a meta-análise 1985, o estudo do autoganzfeld, e o estudo de Edimburgo produziram independentemente uma taxa de acerto com intervalos de uma confiança de 95 por cento além do esperado pelo acaso, é notável que cada um dos seis estudos replicados (após o autoganzfeld) resultou em estimativas muito maiores do que a possibilidade.

O intervalo de uma confiança de 95 por cento no fim direito do gráfico foi combinado com a estimativa baseada em todas as sessões disponíveis do ganzfeld, consistindo em um total de 2.549 sessões.

A taxa de acerto total de 33.2 por cento é improvável com probabilidades de encontro à possibilidade além de um milhão de bilhão a um.

Finalmente, no fim do capítulo, Radin conclui o que os registos das experiências ganzfeld e de outras antes dele sugerem: (página 88)

Agora considere conjuntamente os resultados das experiências psi do ganzfeld, os experimentos de sonhos-telepáticos dos anos 60s e dos 70, ESP os testes dos cartões de 1880 a 1940, às experiências de Upton Sinclair em 1929, e uns estudos mais recentes de transferência do pensamento.

Os mesmos efeitos foram repetidos repetidas vezes, por gerações novas dos experimentadores, usando métodos cada vez mais rigorosos.

Desde o início, cada série nova de experiências de telepatia encontrou sua parte de ataques cépticos.

Estes criticismos reduziram o interesse do mainstream científico nos efeitos relatados, mas ironicamente refinaram também os métodos usados nas experiências futuras ao ponto que o experimento ganzfeld de hoje desafia os peritos.

Assim de tudo isto, é inconteste que nós temos sólidas evidências científicas e estatísticas que uma das mais bem sucedidas e mais controladas séries de experiências de telepatia na história, os experimentos ganzfeld, foram definitivamente replicados.

Consequentemente, o desafio céptico do argumento 16 foi vencido, e cabe a eles aceitar os dados óbvios ou rejeitá-los.

O livro de Radin descreve muitas outras experiências replicáveis de psi também, incluindo ESP, clarividência, a visão remota, e a psicocinese.

Assim eu recomendo-o altamente.
O livro, O Universo Consciente A verdade científica de fenómenos psíquicos, pode ser requisitada na Amazon.com.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 08, 2013 9:22 pm

Continua...

Para mais detalhes sobre as experiências do ganzfeld, veja os seguintes artigos detalhados que podem ser vistos online:

http://www.psych.cornell.edu/dbem/ganzfeld.html

http://www.psych.cornell.edu/dbem/does_psi_exist.html

http://www.psych.cornell.edu/dbem/response_to_hyman.html

Argumento 18: “Nenhum fenómeno psíquico foi demonstrado sob condições controladas.”

Corolário: “Sempre que os devidos controlos são colocados, os experimentos psi somente conseguem resultados esperados pelo acaso”

Este argumento é frequentemente usado por aqueles que não acreditam que psi seja possível, e que somente controles e métodos inadequados podem resultar em resultados acima do esperado para psi.

Novamente, isto é baseado em outra ideia a priori de que psi é impossível.
Ele argumento coloca o modo de pensar dos cépticos em uma maneira fechada de pensar.

Qualquer experimento que suporte psi é automaticamente assumido por cépticos serem não-controlados, e qualquer teste que falhe é considerado estar adequadamente controlado.

Entretanto, isto simplesmente não é verdade porque como mencionado no Argumento 17 acima, os experimentos bem-sucedidos de ganzfeld e autoganzfeld foram controlados.

Para uma descrição mais profunda dos controles usados, veja os seguintes artigos.

Eles também podem ser vistos online na URL listada logo a seguir:

Bem, D.J. (1996). Ganzfeld phenomena. In G. Stein (Ed.), Encyclopedia of the paranormal (pp 291-296).
Buffalo, NY: Prometheus. Full text available at http://www.psych.cornell.edu/dbem/ganzfeld.html

Bem, D.J. & C. Honorton (1994). Does psi exist?
Replicable evidence for an anomalous process of information transfer. Psychological Bulletin, 115, 4-18.

Full text available at http://www.psych.cornell.edu/dbem/does_psi_exist.html

Também, aqui está a refutação de Daryl Bem às críticas de Ray Hyman ao ganzfeld:
http://www.psych.cornell.edu/dbem/response_to_hyman.html

Os cépticos dirão que uma experiência foi descontrolada mesmo quando nunca estiveram no local do experimento.
Isto aconteceu com as experiências do Instituto de Pesquisa de Stanford com o famoso psíquico israelita Uri Geller.

O refutador psíquico James Randi (castigo merecido de Geller) e outros que não estavam em SRI quando Geller foi testado, fizeram um monte de acusações contra a SRI tal como controlos pobres e enviesar deliberadamente os resultados da parte dos cientistas de lá, Harold Puthoff e Russell Targ.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 08, 2013 9:23 pm

Continua...

Desde que Randi e seus cépticos nunca haviam estado lá, tudo que têm são especulações baseadas em sua opinião fechada.

Como Harold Puthoff me disse em algumas trocas do email a respeito das críticas de Randi:

Puthoff:

"Nem um pouco verdadeiro.
Citam apenas Randi e suas declarações, por exemplo, em seu livro Flim Flam.
Em Flim Flam, ele dá algo como refutando 28 pontos, se minha memória me servir correctamente.

Eu tive a oportunidade de confrontar Randi em uma conferência da Associação de Parapsicologia com a prova em mãos, e numa fita gravada ele admitiu que estava errado em todos os pontos.

Disse mesmo que os corrigiria para a resenha que viria a ser publicada pelo grupo do CSICOP.

(Ele não corrigiu.)

Caso alguém pense que se trata apenas de um caso de nossas opiniões contra as opiniões dele, nós escolhemos para a lista de pontos incorrectos somente aqueles que poderiam independentemente ser verificados.

Exemplos: Disse que em nosso artigo da Nature nós verificamos o entortar metal de Geller.
Vá ao papel, e você vê que nós dissemos que nós não podíamos obter a evidência para isto.

Ele disse que um filme do experimento Geller feito no SRI pelo famoso fotógrafo Zey Pressman não foi feito por ele, mas por nós e que nós somente colocamos seu nome.

Sobre ele. Nós mostramos com o atestado de Presman que de facto ele fez o filme. Etc., etc."

"Geller fez o mesmo tipo de visão remota em nosso laboratório, e isso em mais de cinquenta outros do governo e do exército que fizeram parte do programa de 25 anos de visão remota.

Se o mundo inteiro tiver habilidades de visão remota, porque Geller não deve ter algum?"

"Outra vez, estas reivindicações de controlos inadequados são geralmente apenas repetições do que Randi diz.

A verdade da matéria é que nenhuns de controlos inadequados suspeitados reivindicados de Randi tiveram realmente qualquer coisa haver com as experiências, das quais naturalmente Randi não estava lá para saber.

Isto foi relatado independentemente por Scott Rogo em algum lugar na literatura, que saiu especificamente para verificar cada uma de suposições de Randi sobre controlos inadequados e os encontrar inaplicáveis sob as circunstâncias em que os testes foram conduzidos.

De facto, todas as sugestões de Randi eram amadoras comparadas às etapas sofisticadas que nós fizemos exame, suspeitando como nós fizemos de qualquer truque inteligente do mágico israelita.

De facto, durante o curso de sua carreira, Uri Geller obteve sucesso em 17 experimentos controlados em diferentes laboratórios.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Set 09, 2013 8:31 pm

Continua...

Aqui estão algumas declarações dos cientistas que o testaram.
Observe a ênfase realçada nos controles e nas condições estritas das experiências.

“Eu testei Uri Geller eu mesmo sob condições laboratoriais controladas e vi com meus próprios olhos o entortamento de uma chave que não foi tocada por Geller em momento algum.

Havia um grupo de pessoas presentes durante o experimento o qual todos testemunharam a chave entortando em 11 segundos em um ângulo de trinta graus.

Posteriormente nós testamos a chave em um laboratório científico usando dispositivos tais como microscópios e raios X e encontramos que não havia nenhuma força química, manual ou mecânica envolvida na dobra da chave."

Professor Helmut Hoffmann (Departamento de Engenharia Eléctrica, da Universidade Técnica de Viena, Áustria)

"Com concentração intensa, Uri podia dobrar um 3/8" de uma fria barra de aço rolada sob circunstâncias controladas, porque friccionou o alto dele com seu indicador.

[i]Eu estava sentado muito perto dele durante esta experiência.
Em uma outra ocasião, uma semente de rábano brotou e cresceu 1/2" assim que a prendeu em sua mão.
Eu observei isto bem de perto "


Jean Millay PhD. (Instituto EUA De Saybrook.)

"Uri Geller foi testado em meu laboratório em UCLA.
Durante as experiências na fotografia de Kirlian e após centenas das experimentações, produziu três fotografias extraordinárias em que os flashes da energia eram claramente visíveis.

Que vistas maravilhosamente agradáveis eram!
Eu testei também habilidades de Uri de entortar metais e de parar relógios.
Demonstrou-me estas sob condições científicas controladas, da maneira mais convincente ".


Dr. Thelma Musgo (Professora de psicologia  em UCLA e uma dos primeiros investigadores dos E.U. a experimentar com a fotografia de Kirlian - EUA.)

"Uri dobrou uma forte barra da liga tratada a quente segura por mim mesmo e por meu assistente em cada extremidade.

Não havia absolutamente nenhuma pressão exercida por Uri quando a barra estava se dobrando.
Todas as experiências controladas que eu conduzi com Uri Geller foram descritas em
Sciences et Avenir, no. 345, pp. 1108-1113."

Professor Charles Crussard (Professor de Metalurgia, Escola das Minas, Paris, e Director Científico de Pecheney, França)

"Uri Geller, como um génio psíquico, pôde demonstrar a repetibilidade de experiências psíquicas científicas controladas.
Desse modo provou a realidade de fenómenos psíquicos
(tais como a telecinese, a clarividência e a telepatia)."

Professor P. Ameixa, MD (Professor Emeritus do pediatrics, Universidade de Copenhagen, presidente formador do Conselho de Pesquisa Médica Dinamarquês - Dinamarca)

"Nós observamos determinados fenómenos com os sujeitos [incluindo Uri Geller] para qual nós não temos nenhuma explanação científica.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Set 09, 2013 8:33 pm

Continua...

Em consequência do sucesso de Geller neste período experimental, nós consideramos que demonstrou suas habilidades paranormais, perceptual em convencer e maneira não ambígua."

(os resultados destas experiências foram publicados no jornal britânico Nature, Vol. 251, no. 5).

Dr. Harold Puthoff e Russell Targ (instituto de pesquisa de Stanford - Califórnia, EUA.)

”Os físicos do laser Russell Targ e Harold Puthoff do Instituto de Pesquisa de Stanford do Parque de Menlo admitem que seu tipo da pesquisa convida a chicanaria e a trucagem.

Eles tomaram precauções especiais, disseram, para conduzir as experiências da pesquisa de Stanford sob condições duplamente estritas do laboratório."

"Sob estas circunstâncias, disseram, nenhum mágico pôde duplicar com trucagem a façanha psíquica executada por Uri Geller e outros.
Alguns sequer tentaram."


Tempos De Los Angeles, Segunda-feira Julho 28, 1975

“Eu testemunhei pessoalmente e experimentei em duas ocasiões as habilidades de dobrar r metal de Uri Geller.
Estas experiências foram conduzidas sob condições rigorosas de laboratório.

Nestas duas experiências a haste de aço grossa eu estava prendendo e observando com cuidado dobrou-se, e continuou a dobrar-se, em minha própria mão.

Uma haste dobrou-se a 90 graus durante um período de aproximadamente seis minutos quando eu a prendia.

A outra haste de aço dobrou-se depois que Uri Geller a afagou e continuou se dobrando em uma mesa de vidro sem qualquer um que a tocasse.

As hastes de aço foram fornecidas por mim mesmo.
Eu considero o efeito Geller ser um fenómeno que deve ser estudados seriamente pela ciência "

"Um cientista teria que ser maciçamente ignorante ou um fanático assumido para negar a evidência que a mente humana pode fazer a conexão com o espaço, o tempo e a matéria de maneiras que não têm nada fazer com os sentidos ordinários.

Ainda mais, não pode negar que estas conexões são compatíveis com o pensar actual na física, e pode no futuro torna-se aceito enquanto uma parte extendida da ciência em que a descrição 'paranormal' não mais se aplica, e pode ser substituída pelo ‘normal'."


Dr. Jogo Pedler, (Cabeça do Departamento de Microscópio Electrónico, Universidade de Londres:)

Como você pode ver, o testemunho dos peritos que testaram Geller parece convincente certamente.

Adicionalmente, as experiências falhadas de psi frequentemente citadas por cépticos são feitas quase sempre pelos próprios cépticos e refutadores.
(Gee, como isso é sem preconceitos?)

Os resultados de cientistas reais, felizmente, não são unilaterais como os cépticos fazem você acreditar.

Continua...
Ave sem Ninho
Ave sem Ninho

Mensagens : 88073
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 63
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos” - Página 4 Empty Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 4 de 11 Anterior  1, 2, 3, 4, 5 ... 9, 10, 11  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum