Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Página 1 de 8 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8  Seguinte

Ir em baixo

Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 17, 2018 8:03 pm

Os Dragões
Wanderley Oliveira

Pelo espírito Maria Modesto Cravo

Nesse romance, vamos deparar com um relato leve e comovente sobre _ as organizações da maldade no submundo astral e quais são os laços que ainda mantemos com esses corações, mesmo quando somos iluminados pelo conhecimento espiritual.
"Eles são seres humanos, integram nossa raça. Inteligentes.
Com larga soma de conhecimento das leis divinas e com rara habilidade de manipular as energias naturais.
Conhecem a psicologia da alma, avançaram em tecnologia e são tenazes na busca de seus ideais.
Adquiriram o domínio do inconsciente tornando-se manipuladores dos sentimentos.
Foram transmigrados de vários planetas em levas de biliões de criaturas rebeldes aos sublimes estatutos de Deus, para recomeçarem a caminhada evolutiva no reerguimento de si próprios perante a consciência."

Magister Seraphis Bey, mestre do Templo de Luxor.

O diamante no lodo não deixa de ser diamante

Índice
Prefácio -Em Favor da Paz Mundial
Magíster Seraphis Bey.
Introdução
Diamantes no Submundo Astral
Maria Modesto Cravo

Testemunho - Meus Desafios perante a Maioridade do Espiritismo - Wanderley Oliveira
Página de Luz - mensagem Psicografada no Sanatório Espírita de Uberaba -Maria Modesto Cravo

1 - O Médium Demétrius e os Desafios da Convivência nos Grupos Espíritas
2 - Ataques Espirituais ao Sanatório Espírita de Uberaba em 1936
3 - Socorrendo o Ex-dragão Matias e Dialogando com Eurípedes Barsanulfo
4 - Conferência de Isabel de Aragão sobre a Maldade Organizada
5 - Os Dragões e Suas Ligações com a Comunidade Espírita 136
6 - Aspectos Psicológicos e Emocionais dos Dragões
7 - Vampirismo Assistido no Terreiro de Umbanda
8 - O Transporte da Árvore Evangélica e o Movimento de Unificação
9 - Organização do Clero Espírita nas Comunidades Draconianas
10 - O Compromisso Espiritual de Minas Gerais com o Evangelho
11 - Os Descuidos do Movimento Espírita na Década de 40.
12 - O Exemplo de Misericórdia de João Castardelli
13 - Uma Estranha Sociedade "Espírita" nos Abismos
14 - O Resgate de Irmão Ferreira, O Cangaceiro do Cristo
15 - Os Laços entre o Templo de Luxor e o Hospital Esperança
16 - Retornando à História do Médium Demétrius e as Novas

Alternativas na Medicina Energética
Apêndice - Entrevista do médium Wanderley Oliveira com a autora espiritual
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 17, 2018 8:04 pm

Prefácio
Em Favor da Paz Mundial
Eles são seres humanos, integram nossa raça. Inteligentes.
Com larga soma de conhecimento das leis divinas e com rara habilidade de manipular as energias naturais.
Conhecem a psicologia da alma, avançaram em tecnologia e são tenazes na busca de seus ideais.
Adquiriram o domínio do inconsciente, tornando-se manipuladores dos sentimentos.
Foram transmigrados de vários planetas em levas de biliões de criaturas rebeldes aos sublimes estatutos de Deus, para recomeçarem a caminhada evolutiva no reerguimento de si próprios perante a consciência.
Chegados à Terra em degredo, formaram castas de rebelião usando as tendências inatas de inconformação com o exílio.
Renascidos nos troncos antropológicos mais remotos do que hoje é o continente africano, foram, paulatinamente, resgatando as reminiscências da bagagem intelectiva e social que armazenaram.
Vieram em naves, cuja actual tecnologia mais avançada da ciência supersónica, nem sequer alcança os níveis de engenharia aeroespacial dominada àquele tempo pelos tutores interplanetários que lhes fizeram o transporte galáctico.
Um trabalho de minúcias, planeamento e milénios de execução.
Quatro troncos1 de transmigrados foram decisivos para a construção da história da Terra nos últimos 15.000 anos.
Eles se disseminaram pelos povos da Suméria e Mesopotâmia.
Espalharam-se pela Caldeia e depois pelos povos que originaram a família indo-europeia.
Deixaram relatos claros de seu poder criador no Egipto, na China, na Índia e na velha civilização greco-romana.
Entre os quatro troncos, dois deles, o ariano e o povo da casa de Israel ou tronco judaico-cristão2, sempre estiveram presentes nos mais conhecidos episódios da história humana.
Ora como egípcios, ora como hebreus.
Ora como romanos, ora como palestinos.
Ora como nazistas, ora como judeus.
Tais espíritos se revezaram em uma das mais sangrentas e antigas disputas que transcende a chegada de todos eles a esta casa planetária.
Os arianos como cultores da raça pura e do progresso pelo domínio, amantes do poder, das castas.
Os judeus-cristãos como o grupo mais afeiçoado à religião, amantes do Deus único e também os mais pretensiosos proprietários da verdade.
Nos primeiros, a arrogância nacionalista.
Nos segundos, a arrogância religiosa.
Digladiam por milénios afora dando continuidade a uma velha disputa pelo poder.
Ambos adoecidos pela vaidade.
Os arianos acreditam na força bélica, e os judeus-cristãos na força divina.
Religião e armas são duas extremidades de um processo antropológico milenar deste planeta.
Ódio e amor. Poder e fé.
Velhos arquétipos dominantes nas mentes exiladas.
Foi nessa fieira de ódio e incompreensão, há mais de 10.000 anos, que se organizou a primeira força militar da maldade na Terra.
Eles se denominaram dragões, a mais antiga casta de poder formalizada no astral inferior de nosso orbe.
Descendentes de ambos os troncos de exilados, como facínoras da hipnose colectiva, entrincheiraram-se na revolta e no ódio milenar.
A migração interplanetária é uma ocorrência contínua e natural no universo.
Da mesma forma, o ir e vir de comunidades no ambiente terrestre é uma constante.
Obedecendo a factores socio-espirituais, diversos grupos reunidos por compromisso e afinidade deslocam-se conforme a extensão de suas necessidades de aprimoramento evolutivo dentro do planeta ou para fora dele, nas esferas mais próximas de suas manifestações vibratórias.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 17, 2018 8:05 pm

Houve uma grande reacção das trevas com as conquistas do século XX, pelo facto de serem avanços realizados pelos aborígenes, o povo da Terra.
As comunidades sombrias zombam desse facto recordando as contribuições que deram ao velho Egipto e às civilizações primitivas.
Essa insurreição também se deve ao estratégico renascimento corporal de dragões, cujo objectivo seria destruir a humanidade incendiando a cultura, a política e a economia mundial.
O noticiário comum não pode afirmar, mas inúmeros líderes políticos de facções fundamentalistas desenvolveram uma indústria bélica, socialmente invisível, com o aval de países ricos que não tinham noção dos perigos que a que expunham o planeta.
As forças sombrias continuam acirradamente o feroz ataque ao bem.
O fundamento basilar dessas hordas consiste em colocar o instinto como núcleo estratégico da derrocada humana.
Convencer o homem da Terra de que não vale a pena mudar de reino, subir o degrau do instinto para a razão.
O prazer, nessa concepção decadente e astuta, reside em manter-se na retaguarda dos cinco sentidos, buscando as gratificações imediatistas e passageiras.
Viver, dentro dessa óptica enfermiça, significa gozar os prazeres da matéria, fruir todos os interesses pessoais.
Estamos em um instante delicado.
Daí a razão de conclamarmos servidores fiéis em todas as plagas do mundo.
Existem embaixadores do Senhor em todos os flancos nos quais haja poder de influência sobre multidões.
Uma retaguarda de almas de coração puro e experimentadas na arte de construir o bem foi accionada em regime de prontidão permanente nestes últimos trinta anos.
Entre elas, muitos baluartes respeitados nas searas da religião transferiram suas enormes responsabilidades aos sucessores naturais, para atenderem ao chamado do Celeste Orientador da caminhada planetária junto ao turbilhão de desordem e interesse nos ambientes administrativos das sociedades.
O Templo de Luxor3 e o Hospital Esperança4 representam uma vasta equipe de cooperadores nos serviços redentores, nos porões do submundo astral.
Os dragões são nossa família pelos elos do coração.
Filhos transviados que mendigam amor incondicional.
Essa manifestação de amor deve constituir a orientação essencial a quem almeja somar nas oficinas de abnegação e socorro pela iluminação das sombras abissais.
Quando estendemos a mão a um vizinho, quando desenvolvemos um gesto de solidariedade ou educação, quando tornamo-nos um exemplo de cidadão, enfim, quando exercemos a cidadania cósmica, estamos efectivamente cooperando para um mundo melhor e atendendo ao clamor pela regeneração, que acena um futuro promissor em favor da paz mundial.

Magíster Seraphis Bey, mestre do Templo de Luxor.

Belo Horizonte, janeiro de 2009

1 Nota da editora: consulte o livro A Caminho da Luz, de Emmanuel, pelo médium Francisco Cândido Xavier
2 Nota do médium - o tronco judaico-cristão teve o que os autores espirituais amam de ver como origem o povo hebreu.
3 Nota da editora - O Templo de Luxor, no Egipto, foi iniciado na época de Amenhotep III e só foi acabado no período muçulmano.
É o único monumento do mundo que contém em si mesmo documentos das épocas faraónica, greco-romana, copta e islâmica, com nichos e frescos coptas e até uma Mesquita (Abu al-Haggag).
4 Nota da editora - Obra de amor erguida por Eurípedes Barsanulfo no mundo espiritual.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 17, 2018 8:05 pm

Introdução - Diamantes no Submundo Astral
"O diamante no lodo não deixa de ser diamante, sem perder o valor que lhe é próprio, diante da vida."
Emmanuel -Vida e Sexo - capítulo 19

A história narrada nesta obra ocorreu entre os anos de 1936 e 19645, coincidindo com o ápice do transporte da árvore evangélica, um dos múltiplos movimentos migratórios ocorridos na erraticidade, resultante dos efeitos da renovação acelerada no planeta, a partir dos conflitos e avanços sociais do início do século XX.
Nesse cenário de mudanças extrafísicas, milhões de espíritos amantes do Cristo, integrantes do chamado tronco judaico-cristão, foram libertados de um dos mais horrendos pátios de escravidão na vida espiritual: o Vale do Poder.
Os dragões que comandam esse lugar de loucura continuam até hoje juntando pistas e perseguindo os alforriados.
Descobriram, logo nos primeiros anos do século XX, que no movimento espírita brasileiro regressaram milhões desses prisioneiros, agora no corpo físico.
Conhecer algumas informações sobre a trajectória desse episódio chamado transporte da árvore evangélica significa radiografar a estrutura moral que a maioria esmagadora de nós, os espíritas cristãos, construiu no suceder das reencarnações.
Sem nenhuma generalização quanto ao tema, o grupo composto de condutores, médiuns e quaisquer cooperadores que se encontrem atraídos pelas expressões cativantes da Doutrina Espírita, persuadidos pela própria consciência a assumir compromissos com a causa e se tornarem formadores de opinião colectiva, guarda largas possibilidades de possuir laços consistentes com esse histórico movimento migratório.
A determinação do Senhor de tornar o Brasil um país com a missão de receber a árvore evangélica não é mera figura literária.
Transplantando da Palestina para o Brasil a responsabilidade de se tornar um celeiro de fé raciocinada e libertadora, Jesus e Sua plêiade, em verdade, trabalharam e trabalham para o bem de um extenso conjunto de almas falidas que têm em comum a atracção para os ensinos do Evangelho e o ideal libertário do amor a povoar-lhes a inteligência sem que consigam educar seus corações.
Quem espera que o Brasil se torne o celeiro do afecto no mundo, quase sempre nutre expectativas de que somente espíritos de alta estirpe aqui renascerão, com o intuito de arejamento do pensamento e da conduta humana. Ledo engano! Contrariando quaisquer ilusões dessa ordem, essa tarefa também foi confiada a esse grupo em ressarcimento consciencial.
Muitos poderiam indagar, apoiados na lógica, sobre a razão de se transferir tão magna missão a espíritos enfermos e decaídos.
Mas é justamente por essa razão que o tronco judaico-cristão se tornou a coluna vertebral dessa missão.
O reerguimento de tais corações é a prova mais eloquente do quanto a mensagem do Evangelho é capaz em favor do progresso da humanidade.
A vitória desse grupo comprova a eficácia do remédio contido nas sublimes indicativas de Jesus.
A faina educativa na qual se encontra o movimento espírita brasileiro com suas inumeráveis conquistas e descuidos, é o retrato claro de nosso compromisso com essa história, que ultrapassa milénios.
Evidentemente, cuidados elementares foram tomados para que a condição miserável que abrigamos não sepultasse de vez a proposta do cristianismo redivivo contida na luminosidade do pensamento espírita.
Ao lado das manifestações de pobreza espiritual, o Mestre enviou homens e mulheres que seriam estacas seguras no desenvolvimento de nossas potencialidades e na segurança do património cultural do legado kardequiano.
E para não ensejar novamente o desvio de Sua mensagem, planeou a reencarnação de um missionário cuja tarefa é ser a sentinela do Espiritismo e o exemplo vivo da proposta cristã. Esse missionário é Chico Xavier.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 17, 2018 8:06 pm

As gerações se conflituam pelo teor das ideias.
Quem renasceu na primeira metade do século XX teve um projecto reencarnatório e um processo educacional, acentuadamente, distinto das aspirações de quantos regressaram ao corpo físico depois de 1950.
A humanidade não mudou tanto seu carácter emocional nos últimos 5.000 anos quanto renovou nos últimos cinquenta.
Como esperar que os espíritas renascidos na actualidade tenham uma percepção do Espiritismo com a mesma perspectiva de cem anos atrás?
Neste primeiro século da doutrina no Brasil foi tecida uma história que terá nos próximos setenta anos um novo feixe de interesses e necessidades socio-espirituais.
Nesses cento e cinquenta anos do Espiritismo, a comunidade espírita atingiu conquistas meritórias a poder de conhecimento e trabalho com boa vontade.
Imaginemos quanto não faremos com o sentimento efectivamente renovado!
Invistamos nas agremiações amorosas da doutrina para que alcancem o patamar de núcleos educativos que ensinem a arte da vida saudável, na qual o objectivo prioritário seja fazer todo o bem que tenhamos capacidade de realizar por nós, pelo próximo e pela natureza.
Esse é o apelo das gerações novas que guardam chances de criar um elo progressista entre o Espiritismo e o futuro.
Uma das mais ricas gemas da literatura mediúnica, Paulo e Estêvão, foi o brado sincero e fraterno do mundo espiritual para que o movimento espírita não se edificasse como uma casa sobre a areia.
Entretanto, é lamentável verificar que as bases do Espiritismo, concebido como O Consolador Prometido e o Cristianismo Restaurado, estejam servindo de alicerce a teses anti fraternas que abrigam concepções periféricas acerca do que representa o serviço redentor, sob os auspícios de Jesus, guia e modelo da humanidade.
No seio dessas concepções, os irmãos espíritas, ao invés de chamarem para si o ensejo de trabalho com o "inferno", fazem de tudo para dele se distanciarem, como se nada tivessem a ver com o que lá acontece.
Eis um dos desastrosos efeitos de organizarmos a colectividade valendo-se dos regimes falidos e repetidos ao longo da história, nos quais nos embriagamos com o licor da vaidade acerca de conquistas que, por ora, ainda não logramos.
O Espiritismo, em seu conteúdo moral, é uma religião com propostas éticas, entretanto, jamais a seara deveria se organizar com modelos religiosos copiados de fórmulas sem êxito.
Reeditemos a singeleza da Casa do Caminho dos tempos apostólicos.
Simplicidade e fraternidade como roteiros de redenção para nossa convivência com o Cristo. Serviço social que ampare e eduque.
Esclarecimento que conforte e liberte.
Fique claro nosso propósito educativo!
Cuidamos para que o texto desta obra nos remeta às lições do Evangelho e, mesmo anotando algumas revelações, evitamos dar-lhes destaques que poderiam incentivar ainda mais a conduta humana de coleccionar certezas sem aplicá-las para o bem comum.
Por isso, quanto possível, abdicamos de aspectos históricos que, na hora certa, serão alvo de futuras pesquisas mais esclarecedoras da parte dos interessados em ambos os planos de vida.
A incursão em minúcias históricas, conquanto curiosa, seria fastidiosa, repetitiva.
Primamos pelas lições morais que os acontecimentos históricos nos deixaram.
Instigar a discussão sadia, motivar a investigação, ampliar noções sobre nossos compromissos, eis nossos objectivos mais sinceros.
Longe de nossas intenções qualquer sentimento que nos aproxime da presunção.
Nem mesmo nós, fora da matéria, temos entendimento suficiente para alcançar a extensão dos temas aqui propostos.
Urge ampliar a compreensão sobre a natureza das tarefas emergentes nas faixas vibratórias mais imediatas à psicosfera terrena, tendo em vista os planos do Cristo para o terceiro milénio.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 17, 2018 8:06 pm

Essa tarefa destina-se, especialmente, aos médiuns e dirigentes no melhor entendimento das lutas de quantos se entregam aos serviços do amor sem condições nas relações inter-mundos.
Formar trincheiras leais no plano físico por meio de núcleos produtivos de serviço cristão, que se tornem exemplos seguros e eficazes na consolidação de valores educativos da moral nas atitudes humanas.
Não haverá regeneração sem que a "lama psíquica" da Terra seja limpa.
Não teremos paz na humanidade enquanto não zelarmos por nossa família espiritual que jaz atolada nos lamaçais do sofrimento inenarrável, junto às fileiras do inferno sem lindes.
O submundo é o inconsciente da humanidade que brota das profundezas para a remição urgente.
Não haverá consciência na humanidade sem cuidados com a ingerência sistemática das pulsões que brotam das profundezas da sub-crosta.
Para isso, tomamos os dragões como foco nuclear de nossas anotações.
Imperioso reflectir sobre a relação entre essa casta de espíritos e a comunidade espírita.
Os laços entre essas almas e os amantes do Cristo.
Conhecer mecanismos não revelados sobre a acção dos opositores da verdade é no mínimo uma obrigação de quem pretende consolidar o bem em sua vida.
Há uma parte de nós em cada um deles. Há um pouco deles em cada um de nós.
Com nossos melhores sentimentos pelos dragões, ficamos com a valiosa metáfora de Emmanuel que reflecte a expressão universal da bondade celeste que sempre lhes atribui a condição de estimável diamante atirado ao lodo que, ainda assim, não perdeu o valor que lhe é próprio.

Da amante do bem e servidora do Cristo,
Maria Modesto Cravo6 Belo Horizonte de 1° de junho de 2009

5 Nota da editora - esse período refere-se somente ao tempo passado da história narrada no livro, sendo que seu epílogo chega até o ano de 2008.
6 NOTA DO MÉDIUM - para conhecer a vida e a obra de Maria Modesto Cravo, recomendo o livro "Recordações de Modesta", de Itacy Cecílio, Editora Inede.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 17, 2018 8:06 pm

Meus Desafios Perante a Maioridade do Espiritismo
"Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu." -Eclesiastes, 3:1

O pedido a mim endereçado por dona Modesta foi para falar algo sobre o que significaram os últimos dez anos da minha vida, desde o surgimento da obra "Seara Bendita", psicografada em 1999 e lançada em 2000.
Depois de 22 anos de comprometimento e muita disciplina no exercício da mediunidade, orientada com base em Jesus, Kardec e Emmanuel, fui chamado para uma vivência na qual jamais havia imaginado estar inserido algum dia.
E de um momento para outro, lá estava eu com a responsabilidade desafiante de ser um médium envolto no teste árduo do conhecimento público.
Eu diria que foram os dez anos mais proveitosos de toda a minha trajectória como espírito em aprimoramento.
Houve muitas perdas, decepções, abandonos, maledicência e desrespeito, que hoje concebo como afiados instrumentos cirúrgicos rasgando minhas ilusões pessoais.
As ilusões começaram a ruir.
Ilusões acerca de minha personalidade e também das pessoas com as quais dividia o campo de trabalho espiritual.
Quando essa ilusão se destrói, surge a mágoa adoecendo o coração, para que possamos enxergar a nós mesmos com mais clareza.
A mágoa que senti quando percebi que eu e meus companheiros de caminhada não éramos nada daquilo que supúnhamos ser.
Talvez a desilusão de uma visão idealizada de vida tenha sido meu maior ganho diante de tantas dores nesses últimos anos.
Hoje, após esses primeiros passos da longa jornada pela maioridade do Espiritismo em mim mesmo, tenho clareza em reconhecer que os maiores obstáculos não estão fora, mas na minha própria intimidade.
A esse respeito, recentemente, em uma entrevista com dona Maria Modesto Cravo, ela me disse:
"Muitos idealistas enxergam o maior entrave para a expansão das ideias da humanização nas trevas e nas organizações rígidas do Espiritismo organizado.
De nossa parte, nunca tivemos dúvida de que o remédio amargo da atitude de amor é uma receita apropriada, antes de tudo, para quem nela percebe a eficácia curativa das enfermidades morais.
Para não deixar dúvidas a ninguém, vejam os desafios a ser vencidos mesmo entre os que ergueram o estandarte da maioridade do Espiritismo, desde o lançamento da obra "Seara Bendita".
O remendo de pano novo significa uma roupagem diferente para velhas atitudes.
Quem se sensibilizar com a grandeza das ideias humanizadoras necessita prioritariamente avaliar em si mesmo o quanto necessita de tal receituário.
Sem esse exame corajoso e despojado, faremos remendos novos em panos rotos.
Teremos planos e iniciativas que terão o colorido, mas não o conteúdo do humanismo cristão e legitimamente fraterno.
Jesus encontrou as primeiras manifestações de traição, abandono, ofensa e negação dentro do próprio colégio apostólico.
Não foram as organizações sectárias nem os adversários fora do corpo os responsáveis directos pela tragédia do calvário, mas sim o medo de Pedro, a ilusão de Judas e a mágoa dos discípulos com o povo romano.
Creio que isso basta, ou quer ouvir mais?"
Talvez em poucas linhas eu não consiga retractar as dores e as alegrias que experimentei nesse decénio.
Hoje, passados dez anos de lições, eu quero dizer: valeu a pena!
Entre erros e acertos, aqui estou eu, saudável, trabalhando como nunca, dando o meu melhor e certo de que a maior de todas as vitórias foi uma só:
estou aprendendo a ouvir minha própria consciência.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 17, 2018 8:07 pm

Para ouvir minha consciência, tive de deixar de ouvir muitos amigos que não tinham a menor noção do que eu realmente preciso para crescer como espírito eterno.
Para ouvir minha consciência, tive de aprender a valorizar o que vale e o que não vale a pena ser valorizado sobre o que falam a meu respeito, e também acerca do trabalho que realizo em nome de Jesus.
Para ouvir minha consciência, aprendi que a mágoa é muito útil quando sabemos o limite entre os erros dos outros e o quanto nós também contribuímos para seus erros nos ferirem.
Para ouvir minha consciência, tive de entender que confiança irrestrita é uma ilusão e que precisamos aprender a dizer não.
Para ouvir minha consciência, aprendi que jamais vou agradar a todos.
Para ouvir minha consciência, aprendi também que não posso avançar sozinho.
Para ouvir minha consciência, hoje entendo que a vaidade é a mais grave doença dos médiuns, mas que jamais será erradicada sem a coragem de investigá-la de frente.
E, por ouvir minha consciência, estamos lançando o livro "Os Dragões".
Este livro foi psicografado há cinco anos.
Com a compreensão da autora espiritual tivemos esse longo tempo de espera, com o objectivo de melhor examinar diversos assuntos abordados e que escapavam ao meu conhecimento espiritual.
Mas, como diz o Eclesiastes:
"Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu."
Chegou a hora de plantar mais essa semente venerosa do mundo espiritual.
Sem dúvida, é preciso coragem para levar avante essa tarefa.
Tenho rogado muita força e protecção para que não me falte essa coragem.
Só queria acrescentar algo que vem bem lá do fundo do coração:
como me sinto bem depois de tantas e preciosas lições!
As cirurgias dolorosas me fizeram muito bem.
O melhor de tudo é poder dizer que não me sinto especial por tudo o que passei, mas me sinto gente, me sinto humano.
Como agradeço aos céus por terem me ensinado o caminho para livrar-me, pouco a pouco, do peso do perfeccionismo e das máscaras de superioridade.
Sinto-me muito aliviado em perceber que a humanização é uma proposta para dentro.
Como é bom não nutrir a desgastante ansiedade de arregimentar estruturas para fora, quando a tarefa, antes de tudo, tem de acontecer no terreno dos próprios sentimentos.
Falar de maioridade sem experimentá-la é mais um desvio de rota na nossa caminhada.
As tarefas por fora vão surgir na medida em que, genuinamente, me tornar alguém útil pela expansão da proposta das atitudes de amor.
Peço muito aos bons espíritos que não me deixem esquecer essas primeiras lições adquiridas à custa de muito suor e muitas lágrimas, ciente que estou de ter apenas dado um pequeno passo, ante a imensidão do que me espera.
Sou muito grato pelo carinho e estímulo recebido da parte de quantos reconhecem o esforço que tive e tenho de fazer para chegar até aqui.
Particularmente à minha família, que, inegavelmente, foi a mais importante cooperadora que tive até este momento.
Aos muitos amigos que me apoiaram e foram compreensivos com minhas lutas, minha mais humilde gratidão.
Para todos aqueles que compreenderam a extensão do que nos aguarda na tarefa abençoada pela maioridade das ideias espíritas, eu desejo muito sucesso, força e luz.

Wanderley Oliveira
Belo Horizonte, 1 8 de abril de 2009
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 17, 2018 8:07 pm

Página de Luz

Meus filhos, Jesus connosco.
Nossos laços se intensificam a cada dia.
A barreira da morte foi vencida pelo amor que nos une.
O momento glorioso da renovação convida-nos aos amplos voos na direcção dos tempos novos.
Rejubilo-me pelo alcance dos nossos esforços, tendo em vista tantos obstáculos a superar.
O céu e a Terra, sem dúvida, cantam hosanas pela bênção de oferecermos ao mundo físico as noções mais justas e fiéis da nossa família em dor nos pátios do submundo.
Glória a Deus nas alturas pelo conclave de almas que buscam sair do conforto para atender às demandas da hora.
Por certo, "Os Dragões", são páginas de luz que abrirão picadas na longa jornada de descortinar os horizontes ignorados da vida imortal.
Com alegria incontida pelas linhas escritas com alma e carinho, sou pura renúncia e gratidão pelas auspiciosas benesses que estas páginas prometem gerar nos corações abertos ao ideal de servir e aprender sem condições.

Da servidora do Cristo e amante do bem,
Maria Modesto Cravo.
Sanatório Espírita de Uberaba, 28 de maio de 2009
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 17, 2018 8:07 pm

Capítulo 1 - O Médium Deméfrius e os Desafios da Convivência nos Grupos Espiritas
"Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão" Jesus, Lucas, 10:33.

O Grupo Espírita Fraternidade - GEF - organizou com desvelo o primeiro encontro da fraternidade.
O evento tinha por finalidade o congraçamento de corações tocados pelas oportunas propostas contidas nos livros mediúnicos escritos pela amiga e irmã espiritual Clarisse, por intermédio do médium Demétrius, trabalhador operoso da agremiação.
Pessoas de várias localidades distantes, espontaneamente, se reuniriam naquela ocasião, no intuito de traçar projectos de serviço e manifestar seu carinho aos incontestáveis benefícios dos referidos livros, nos quais vasta gama de idealistas comprometidos nutria-se de novas luzes ante as lufadas do dogmatismo literário na seara espírita.
Os conceitos exarados pela amiga espiritual, Clarisse, eram portadores de elevada dose de esperança e conforto.
Um repositório de luz evangélica cuja consistência preencheu o coração e fortaleceu os ideais de muitos trabalhadores da causa.
No entanto, o clima de festa e a expectativa de reunir valores no serviço do bem não encobriram para os irmãos do GEF a tristeza que carregavam na alma.
Nas semanas que antecederam a comemoração, desenrolou-se um clima inamistoso nas relações.
Debaixo de intensas investidas de ferrenhos adversários do bem, nossos irmãos foram colhidos pela decepção e pela mágoa.
A pressão movida pelos oponentes foi exaustiva, comprometedora para os relacionamentos.
Sabiam os oponentes da causa o valor de tal iniciativa...
Por entre as alegrias da convivência festiva e a amargura das lembranças das semanas que antecederam a confraternização, nossos irmãos eram aferidos na prática em torno dos temas desenvolvidos nos livros psicografados:
o amor incondicional de uns para com os outros.
Ainda que sofridos, abraçavam-se.
Procuravam melhor sintonia, fazendo da ocasião um momento de trégua e refazimento.
Afinal reflectiam -, como receber irmãos de outras plagas trazendo o cenho carregado?
Dois dias antes do encontro fraterno, nosso benfeitor Eurípedes Barsanulfo teve o ensejo, junto a Isabel de Aragão, de levar-lhes a palavra de conforto.
O alívio foi notório no GEF.
Nada, porém, mudaria a realidade que teriam a enfrentar:
seus próprios sentimentos e os efeitos espirituais dos descuidos na atitude.
Leis pelas quais todos haveremos de responder em qualquer tempo.
Em nosso plano de acção, as expectativas não eram menores.
Caravanas espirituais compostas de mentores e aprendizes vieram acompanhando os irmãos encarnados.
Irmão Ferreira zelava pela segurança de todos, destinando equipes para a defesa dos que viajavam.
Professor Cícero7 cuidava dos contactos e do ambiente.
Clarisse assessorava os membros do GEF, procurando tocar-lhes as fibras da sensibilidade.
Tarefas minuciosas e cuidados com pormenores eram levados a efeito, visando oferecer aos encarnados um ambiente no qual o Espiritismo pudesse penetrar-lhes pela via da emoção.
Chegou o momento esperado.
Os confraternistas chegavam efusivos com a auspiciosa oportunidade.
Uma larga soma de diversidade caracterizava as expectativas.
Uns queriam conhecer o médium das obras; outros os irmãos do GEF, outros tantos nutriam esperança do contacto com Clarisse.
Esperanças justas e de motivos diferentes preenchiam os corações.
A aura da afectividade, pouco a pouco, coroava o ambiente, suavizando a amargura arquivada no peito dos componentes do GEF.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 18, 2018 8:15 pm

Ninguém no plano físico percebia-lhes o mal-estar.
O mesmo já não ocorria entre nós.
O médium Demétrius chegou ao encontro acompanhado pela família.
Uma cena surpreendente saltou aos olhos das caravanas fora do corpo físico.
Demétrius vinha cercado por seis cangaceiros, que lhe faziam a guarda espiritual.
Vários trabalhadores de nosso plano, menos experientes em assuntos da alma, revelaram surpresa com o acontecimento.
Ficou evidente a mancha negra na região cardíaca do médium, assinalando os pontos energéticos da mágoa e do rancor que trazia no peito.
A despeito de seu clima psíquico, distribuía cordialidade e vigilância no intuito de não ser inconveniente.
A opressão emocional aliviava a cada minuto que nosso irmão permanecia no ambiente.
A gratidão com a qual era abraçado em razão do sincero reconhecimento de todos por seu esforço, abrandava suas dores íntimas.
Na oração inicial, ouvimos claramente através da força mental de Demétrius, sua rogativa legítima pedindo-nos para auxiliá-lo a não ser o centro das atenções.
Suplicava pelo GEF e revitalizava-se na oração honesta e sentida, pois, no fundo, seu desejo não era estar ali naquele estado interior.
Do lado de fora, irmão Ferreira, conhecido como o Cangaceiro do Cristo, enfrentava a adversidade costumeira dos últimos dias.
Embora a defesa do ambiente estivesse preservada quanto a conter invasões, nem mesmo os guardiões dispunham de recursos para evitar a sintonia emocional alimentada pela angústia presente naquele grupo espírita.
Eflúvios doentios, quais petardos lançados a distância, acertavam em cheio o centro cardíaco e coronário, de todos, em razão do estado deprimente em que se encontravam.
Conquanto as intempéries, o evento desenrolou-se cheio de bênçãos auspiciosas.
O médium, portador de um coração puro, quase ingénuo, acreditava e sentia que as coisas chegariam a seus devidos lugares após as vivências ricas de legítimo amor vivido durante a confraternização.
Por outro lado, os demais membros do GEF, de coração tão honesto quanto Demétrius, saíram do encontro ainda mais apreensivos.
Como diz o linguajar popular dos homens:
entre os integrantes correu a "boca miúda".
Destacavam a vaidade perigosa do médium ao receber as apaixonadas manifestações de galardão pelas obras mediúnicas, mesmo quando dirigidas ao GEF.
Entre os caravaneiros de nosso plano que ainda não conheciam o testemunho de nossos amigos no plano físico, ocorreram manifestações de estranheza com os conflitos de convivência no GEF.
Afora as almas mais maduras que lhes tutelaram a vinda ao encontro, expressiva parcela de espíritas desencarnados foi colhida por verdadeiro espanto.
Como podia acontecer tal episódio?
Logo com o médium dos livros e seu grupo?
As perguntas multiplicavam-se até surgir a proposta da permanência mais prolongada na cidade.
Acompanhariam o dia a dia de todos no intuito de melhor aquilatar a situação.
Conquanto os combinados para prolongamento do aprendizado, quando encerrado o evento no plano físico, diante da ansiedade e surpresa, ficamos longas horas em debate acerca das perspectivas do trabalho.
Tornava-se impossível esquivar de responder sobre o que todos presenciaram no evento.
Assim expressou um jovem na caravana nordestina:
— Dona Modesta, estou aqui acompanhando Djalma Montenegro de Farias8, orientador de nossa caravana.
Pedi a ele autorização para expor minhas dúvidas com franqueza.
Fui colhido por verdadeiro espanto ao presenciar os acontecimentos nesses dois dias de encontro.
Para ser mais franco, em determinados momentos, senti uma atitude de hipocrisia nos companheiros do GEF, especialmente em Demétrius.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 18, 2018 8:16 pm

Então pergunto:
que vai ser desse grupo?
Que vai ser desse médium?
Já pensou se nossas caravanas presentes no plano físico vierem a saber de tudo isso?
— Meu jovem, assim como para nosso estimado Djalma e outros tutores de caravana, a luta do GEF não é novidade.
Certamente, para poupá-los, na condição de aprendizes, evitaram as más notícias para que também tivessem ensejo de desenvolver um aprendizado pessoal.
A luta de nossos companheiros não difere dos graves compromissos espirituais que nos unem em torno da mensagem do Evangelho.
Somos os doentes em busca do Médico Celeste.
Só temos uma qualidade:
queremos abandonar o mal. Nada mais!
No caso do GEF, a situação agrava-se pela responsabilidade em se fazerem portadores dessa linfa cristalina que brotou pela mediunidade abençoada de Demétrius.
São mais cobrados.
Deles se espera mais, considerando o repositório de orientações mediúnicas.
Há mesmo quem imagina que são exemplos vivos do que se encontra nos livros escritos por Clarisse.
Nossos irmãos não são hipócritas.
Isso não! O quadro é bem outro.
São sinceros e autênticos em suas intenções.
Porém, não são especiais no terreno da virtude.
Apenas se dispõem ao sacrifício de vencer a zona confortável da acomodação.
Encontramos eco entre eles pela mediunidade e aproveitamos o ensejo para mostrar-lhes que a realidade dos espíritas não é bem a que tem sido imaginada.
Fizemos-lhes um chamado inadiável ante a extensão de seus deslizes nas vidas sucessivas.
Semanalmente, em suas tarefas, mostramos-lhes novas revelações ampliando-lhes, sobejamente, a visão do mundo dos espíritos e a trajectória de compromissos por eles mesmos assumidos antes do berço.
Respondendo à sua pergunta, eu diria que existem largas possibilidades de tornarem-se públicos os conflitos de nossos irmãos.
Aliás, poucas são nossas chances de reverter o quadro em curso.
— Não poderá prejudicar a magnitude da proposta contida na obra mediúnica de irmã Clarisse? -questionou o jovem aprendiz.
— Nesse sentido, felicitamos o GEF, porque ainda que não sejam os campeões do exemplo, ninguém pode subtrair-lhes o mérito da valorosa atitude de experimentar, sair da zona de conforto, sacrificar-se para colocar na prática as mudanças necessárias e urgentes em favor do período de maioridade das ideias espíritas no mundo.
A obra sobreviverá independentemente de nossas mazelas e limitações.
— A senhora tem lhes chamado a atenção e lhes dado orientação sobre a conduta?
— Incansavelmente!
Eles, entretanto, necessitam mais de amor e tolerância que de esclarecimento.
— E por que continuam assim?
— Porque são pessoas comuns como nós, que ainda não conseguem, de uma hora para outra, renovar seus sentimentos e educar suas tendências.
— Que contraste, dona Modesta!
Um grupo com tanta riqueza e à míngua de alegria e pacificação.
— E não será essa a condição de todos que se agregam em torno da mensagem do Espiritismo?
— Mas com esse tesouro da mediunidade em suas próprias dependências...
— Mediunidade não é virtude, é faculdade, valor mental.
Empréstimo concedido.
Ferramenta de trabalho e aprimoramento espiritual.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 18, 2018 8:16 pm

— Eu sei, mas...
— Qualquer "mas" que venhamos a expressar relativamente aos embates aqui vividos, meu irmão querido, não passa de uma atitude descuidada e menos fraterna.
— É que a gente esperava mais!
— Esperamos muito dos outros, quando, na verdade, temos o direito e o dever de aplicar severidade somente a nós mesmos nos assuntos do crescimento e da melhoria moral.
— Esse grupo tem futuro?
— Quem planta há de colher, meu filho. Essa é a Lei.
Nossos irmãos têm esse mérito.
Semeiam independentemente de condições.
Plantam sem medir esforços.
Nossa tarefa é apoiá-los incondicionalmente.
Foram essas as ordenações que vieram de Mais Alto.
No presente estágio de aprendizado da comunidade espírita, raríssimos são aqueles que se propõem a lançar mão do arado e vencer desafios desse porte.
Lamentavelmente, mesmo na comunidade dos adeptos do cristianismo redivivo, sedimentou-se a estagnação e o imobilismo nos conceitos, na conduta e na forma de gerenciar as actividades.
Evidentemente, em qualquer extremo da experiência humana encontra-se o excesso.
Na caminhada do progresso, com escassas excepções, fazemos nosso aprendizado mediante os resultados provenientes dos excessos.
No caso em questão, nisso reside o ponto de atenção máxima de nossa parte.
Coragem e prudência são duas lições fundamentais na escola das virtudes cristãs.
Porém, não adquirimos ainda discernimento bastante que nos permita guardar equilíbrio nos temas da vida moral.
O prudente, a pretexto de cuidado, quase sempre entrega-se nos braços da acomodação e da morosidade.
O corajoso, empenhado em vencer desafios novos, costumeiramente caminha para a insensatez e tomba na arrogância.
Corajosos como são, nossos amigos do GEF estão a caminho desses extremos.
Ora nas relações, ora no exercício da mediunidade.
Nas relações inspiram-se nos ensinos de Clarisse sobre convivência honesta e transparente, todavia, sem perceberem, em muitos lances, adoptam uma franqueza mórbida uns com os outros.
Dessa forma, atraem campo para o melindre, a discórdia, a maledicência e a mágoa.
Nas actividades mediúnicas aceitaram o convite para as experimentações que vão na contramão das atuais normas de segurança para esse tipo de tarefa, contudo, não conseguem escapar da teia anímica que, paulatinamente, vai sendo tecida.
Sob influxo dessa teia vibratória, muitas de nossas mensagens e iniciativas estão sofrendo a interferência da aura colectiva do grupo.
Com isso, fazem uma leitura indevida da postura de nosso grupo espiritual, em relação aos objectivos nobres das experiências ora vividas na relação inter-mundos.
Em ambos os casos existem excessos.
E todo excesso acarreta prejuízo e perturbação.
Se vocês, que aqui se encontram fora do corpo, com visão mais ampliada, ao depararem com o que viram nesse encontro guardam um forte apelo nos sentimentos para cobrar atitudes de nossos irmãos, já imaginaram o quanto eles próprios, entre si, cobram-se diante de tanta luz que lhes tem sido confiada?
— Eu ia mesmo fazer uma pergunta sobre isso dona Modesta expressou um integrante da caravana conduzida pelo nobre Artur Lins de Vascon-cellos9.
— Fale seu nome e de onde veio.
— Sou Alberto e milito nas frentes espirituais do estado do Paraná, mais especificamente na cidade de Londrina, onde desencarnei há alguns anos.
As minhas orientadoras estão aqui presentes - e apontou para elas.
É dona Lucila Balalai10 e Dulce Caleffi11, a mãezinha de Cambé.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 18, 2018 8:16 pm

— Faça sua pergunta, Alberto.
— Afinal de contas!
Que aconteceu para que o GEF chegasse a esse ponto?
Estamos aqui falando de todos depois do que presenciamos, mas o que ocorreu?
— A senhora nos pergunta se imaginamos o quanto eles podem se cobrar entre si, e eu queria saber:
foi isso que lhes ocasionou o presente estado de dissensão?
Essa é a origem das mágoas de Demétrius?
— Muito oportuna a sua colocação, Alberto.
Só mesmo quem tem acompanhado de perto as contendas tem uma ideia da complexidade das relações humanas e da gravidade do quadro.
— O médium tem razão em suas mágoas?
O que o grupo lhe fez ou o que ele fez ao grupo?
— Não existem mágoas sem razão.
Mesmo quando os ofensores não são intencionais, como aqui no GEF, a mágoa denota que o ofendido precisa enxergar algo sobre si que tem evitado tomar contacto.
A ofensa, para quem está se educando no Evangelho é um remédio amargo, uma medida drástica para quem tem adiado perceber algo que não quer ver.
Sob a óptica evangélica, a mágoa tem a ver com o ofendido, e não com o ofensor.
— Com o que Demétrius está ofendido?
— Demétrius está em um turbilhão emocional.
Não tem referências mentais suficientes para aquilatar o que acontece com seu mundo íntimo.
Esta à beira do desespero mental.
Suas referências estão ruindo.
Encontra-se em franco estado íntimo de abandono e desorientação.
A vida está lhe convidando sem piedade a reciclar conceitos, sobretudo, os que têm de si próprio.
Passa pela dura experiência das perdas de toda ordem:
afectivas, familiares e materiais.
Está ofendido com as descobertas que tem feito sobre si mesmo.
— o grupo?
— O grupo ama.
— Então o que aconteceu para chegar a esse ponto que vimos?
Onde a origem da ofensa?
— Acontece no GEF uma das mais comuns e complexas vivências das relações humanas:
o orgulho de supormos ser dotados de habilidades para julgar o que está no coração alheio, especialmente quando temos proximidade com esse alguém.
A partir dessa postura de orgulho, a convivência caminha para uma das acções mais frequentes na geração do conflito e da desavença:
o desrespeito ao livre-arbítrio do próximo.
Essa é uma conduta típica das pessoas destemidas.
Um dos excessos a que me referi agora há pouco.
Dotados de perspicácia e abertos ao novo, eles não percebem, tanto quanto deveriam, que o remédio benfazejo dos livros psicografados no próprio grupo é a receita para si mesmos.
Temos lhes chamado contínua e insistentemente a atenção para que deixem os tronos da vaidade.
Nossos irmãos, porém, não conseguem dimensionar, por agora, como é natural em nós, o quanto isso lhes diz respeito.
— Em nome do amor, vigora o desrespeito!
— É o amor que damos conta.
Como nos é pertinente, é um amor aprisionado às mazelas que ainda carregamos na esteira evolutiva.
— Um amor dominante?!
— Um amor que não deixa de ser maculado pelo nosso personalismo intransigente.
— Que mazelas mais corrompem nosso amor, dona Modesta?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 18, 2018 8:16 pm

— São muitas. A mais prejudicial, sem dúvida, é a rígida estrutura mental do interesse pessoal.
A mais severa consequência desse personalismo condicionado verifica-se na nossa incapacidade de sentir que cada criatura é diferente, e que cada indivíduo é um mundo de percepções particulares, únicas.
— O grupo estará sobrecarregando o médium?
— De nossa parte não vemos assim, mas é assim que se sente Demétrius.
— Ele tem razão de sentir assim?
— Qual sentimento não tem uma razão dentro de nós, Alberto?
— Mas ele tem motivos justos para sentir assim?
Motivos dados pelo grupo!
Ou será puro melindre dele?
— Demétrius sofre.
Sua dor é legítima.
Entretanto, tem mais a ver com ele, com suas necessidades profundas, que com os descuidos do GEF.
Em verdade, todos estão sendo submetidos a duros testemunhos evangélicos.
— Estaria sendo muito invadido em sua vida, é isso?
— Sem dúvida! O problema, porém, não é esse.
Toda criatura que se expõe em qualquer actividade humana estará sempre sujeita a invasão, críticas e exageradas expectativas.
A questão é como cada qual reagirá perante tais condutas.
— Demétrius não tem sabido como se portar?
— Como disse, está desorientado com os julgamentos. Confuso.
— Dona Modesta -insistiu Alberto -, quando a senhora fala em julgamento, fico, até certo ponto, sem entender como isso pode prejudicar relações.
Se alguém me julga e eu não concordo, simplesmente continuo a ser quem sou e sigo meu caminho.
Demétrius não estaria supervalorizando os acontecimentos?
— Não há como abdicar do processo mental natural de julgar, expedir análise acerca das pessoas com as quais nos relacionamos.
A questão capital nesse assunto é o preconceito, ou seja, o apego que temos àquilo que acreditamos ser a verdade.
A arrogância entra nesse passo, convertendo as suposições e os conceitos que fazemos uns dos outros em autênticos tribunais de sentenças.
E toda sentença determina uma acção.
Quando nosso julgamento serve para cogitar sobre a conduta alheia e examinar nossa conduta perante alguém, ele cumpre sua função educativa.
Habitualmente não é isso que ocorre.
Ao sentenciar, somos tomados pela prepotência de supor que não só sabemos as dificuldades que existem no íntimo dos outros, mas que temos também a solução para elas.
É um efeito subtil do orgulho.
Raramente escapamos dessa armadilha moral de respeitar os diferentes e suas diferenças e, por isso mesmo, não usamos a ética do respeito que nos permitiria segurança para penetrar no mundo íntimo do outro, na condição do samaritano que socorre com compaixão as feridas de outrem.
O que faremos com a confissão alheia?
Qual será nossa postura perante a confiança que outrem deposita em nós?
Qual de nós saberá conduzir com a necessária sabedoria os votos de intimidade confiados pelo próximo?
Não seremos traídos pelos sentimentos secretos de inveja e, mesmo sem intenção, tentaremos diminuir o outro?
Usaremos de compaixão e psicologia para destacar os valores ou vamos nos fixar, devido à nossa vaidade, nas derrapadas de quem nos franqueia sua vida íntima?
Saberemos calar estando de posse dos tesouros depositados em nossos ouvidos?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 18, 2018 8:16 pm

Nossos irmãos são sinceros, bem-intencionados, e não sabem como exercer a parte mais valorosa de tudo isso:
a fraternidade tecida na bondade, na discrição e na ternura da amizade que eleva, ao invés de rebaixar.
Tornaram-se, ao contrário, exigentes demais uns com os outros, cruéis em relação aos limites que cada criatura traz para superar.
Formou-se um clima de intolerância silenciosa e desgastante na casa.
Consomem-se nesse ambiente sob as chibatas impiedosas da cobrança velada, pela maledicência envernizada.
Demétrius, na verdade, tem motivo de sobra para se sentir invadido nas condições em que se encontra.
Menos pelo que já confidenciou e mais pelos abusos dos quais não tem sabido se defender.
Uma situação que já se arrasta demasiadamente, ou como dizem:
ele está "cozinhando" as posturas.
Em qualquer quadro similar, alguém já teria debandado ou tomado uma iniciativa.
Há quem veja virtude em permanecerem juntos nessa condição.
De facto, concordamos que assim seria se não custasse tanta dor dispensável a todo o grupo.
Conforta-nos saber que a fibra de nossos irmãos haverá de levá-los a incomparáveis lições na escola do amor vivido.
Lamentamos, porém, que seja esse o caminho.
Poderiam trilhar outras estradas.
De nossa parte, mantemos no respeito aos seus desvios.
Não é a primeira nem será a última vez que assistiremos a esse episódio no meio espírita e mesmo no GEF.
— Perdoe a insistência de minha parte, dona Modesta, mas é tudo pura vontade de aprender - expressou Alberto com simplicidade.
— Fique à vontade!
— Pelo que deduzo, houve abusos do grupo para com o médium.
Foi isso que ocorreu?
— Abusos de todos para com todos, meu filho.
A coragem para seguir as lições do Cristo não dispensa a bondade, a meiguice, a gentileza.
O GEF percebeu, pelas largas frestas da mediunidade, horizontes desafiantes para todos os que querem cooperar decisivamente na obra cristã.
Quais desbravadores destemidos em plena selva de imperfeições humanas, enxergaram panoramas antes não revelados aos mais instruídos espíritas em todos os tempos.
Foram, por essa razão, e pelos compromissos assumidos antes de reencarnar, convocados a tarefas árduas e sacrificiais.
Candidatam-se a ser pioneiros de um novo tempo na construção da maioridade das ideias espíritas entre os homens.
Diante desse quadro, como não serem testados austeramente em seu orgulho?
Para agravar, são alimentados por velho descuido que tomou conta da seara, isto é, alicerçam seus pontos de vista em interpretações mediúnicas que nem sempre retractam com fidelidade o que pensamos aqui na vida espiritual.
Abusos! Mais uma vez lanço a nós mesmos a pergunta:
qual de nós está isento deles?
— Luto muito com minha índole, dona Modesta.
Sou extremamente curioso.
Farei uma última pergunta.
Por caridade, se não for para o meu bem e o de todos aqui presentes, não a responda.
— Serei sempre a primeira a evitar tocar em temas que não nos eduque, Alberto.
— Que tipo de abuso o médium sofreu? Seria...
— Sexo?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 18, 2018 8:16 pm

— É o que eu tinha imaginado.
Será que alguém...
— Não, Alberto.
Esse não é o tema do GEF.
Pelo menos em relação à conduta.
O mesmo já não posso dizer em relação aos impulsos que, se não forem vigiados, poderão levar alguns à devassidão.
Em síntese, o maior abuso cometido pelo GEF é aquilo que já esclareci:
julgaram.
E julgaram com larga imprecisão.
— E o médium não soube como lidar com isso!
Agora entendi!
— Faltou-lhes aplicar a velha receita do amor uns com os outros.
Amor esse que foi claramente definido pelo Espírito Verdade na questão 886, de O Livro dos Espíritos, em três linhas que constituem, a nosso ver, as atitudes pilares para que a convivência atinja o patamar de sadio campo de aprendizado cristão: benevolência, indulgência e perdão.
No GEF, o amor subiu à cabeça.
Sob golpes cristalizados da ilusão que se operam nos raciocínios, nossos irmãos pensam que amam em razão das emoções legítimas de lealdade de que são portadores.
Querem verdadeiramente bem uns aos outros, e querem o bem do outro.
Todavia, enorme abismo separa esse lampejo de amor das atitudes que são capazes de proteger a convivência das intempéries da arrogância humana.
Nisso reside o ponto capital dos desafios de nossos parceiros corajosos na semeadura a que foram convocados.
São, assim como nós, incipientes na arte de descobrir as expressões imperceptíveis da prepotência em seus sentimentos, e o quanto elas perturbam a convivência.
Há pessoas nesse grupo que agem como se fossem deuses, portadores exclusivos de visões que ninguém ainda adquiriu acerca das realidades imortais.
Eis o desafio de quem sonda terrenos desconhecidos na vida dos espíritos e se faz depositário de revelações preciosas sobre a imortalidade.
O tempo, porém, os amadurecerá para a tarefa que assumiram.
Todos eles, juntos ou separados, têm o Espiritismo na alma.
Estão cansados de errar.
Apenas não sabem ainda como materializar o bem tanto quanto deveriam.
Devemos aprender a diferenciar os heróis da resistência moral dos campeões da virtude conquistada.
Nossos irmãos resistem bravamente.
Em suma, estamos em uma caminhada muito semelhante, que pode ser definida assim:
antes do Espiritismo corríamos atrás de todas as imperfeições e hoje, apenas mudamos o curso da direcção, corremos de todas as imperfeições.
Nisso o GEF é de uma lealdade ímpar e consciente.
— Jamais poderia supor que alguém tão comum como Demétrius carregasse tantas lutas a vencer, e pudesse ser instrumento de tantas luzes para o plano físico - falou Arlene, devotada seareira do Rio de Janeiro.
— O sol brilha no pântano, minha filha, essa é a Lei do Criador.
Somente nós, tomados pela tirania do orgulho, fazemo-nos prepotentes ante as lutas alheias, expedindo rótulos e condenações, castigos e culpabilidade.
Ai de nós, se não passarmos a conjugar o verbo tolerar todos os dias na conduta! Misericórdia e compaixão sempre e sempre!
Incondicionalmente!
A Terra é uma prisão com detentos perigosos.
Se quisermos correcção e crescimento não há outra solução: muita paciência, tolerância activa e fraternidade legítima sem nada esperar.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 18, 2018 8:17 pm

— Ouvindo suas explicações, dona Modesta, revivi lembranças de meu grupo espírita na cidade de Campos.
— As experiências do GEF tangenciam as necessidades de expressiva parcela de Centros Espíritas.
— Como é difícil ter uma amizade sincera, meu Deus!
Quando na Terra, ocupava-me excessivamente em saber qual era o problema dos outros.
E agora, sua fala, dona Modesta, conduziu-me a uma angústia enorme em querer investigar qual a minha parcela de responsabilidade nesse assunto.
O que fazemos, dona Modesta, para que seja dessa forma?
Deveríamos ser mais unidos, mais amigos e não conseguimos.
Meu Deus, que angústia pensar nisso!
O que acontece connosco, os espíritas, dona Modesta?
Onde vamos parar?
Parece que mudamos muito pouco em relação aos velhos católicos que éramos!
Vejo mais amizade real entre pessoas não espíritas, que perdem seu tempo com bagatelas do mundo, que entre nós, que fomos iluminados pelos ensinos espíritas.
Que está faltando, dona Modesta?
Responda-me, pelo amor de Deus! - manifestou a companheira com aflição e espontaneidade.
— Sua angústia é muito pertinente, Arlene.
Angústia é o chamado da vida interior para novas descobertas sobre si mesmo. Um bom sinal!
Respondendo a sua oportuna colocação, eu diria que tem faltado de tudo um pouco entre nós.
Falta amor! Amor suficiente para que os raios da compaixão e do carinho possam varrer as sombras que teimam em ensandecer as nossas acções e, sobretudo, manter seca a fonte de afecto em nossos corações.
Sem afecto, sem emoção, como amar?
Uma vida sem emoção é uma rotina que retracta a falta de viço afectivo, brilho nos olhos e secura na palavra.
Um radicalismo sem precedentes tem feito parte da atitude impensada de muitos aprendizes espíritas.
Estabelece-se uma notória falta de habilidade para lidar com enfermidades morais de longo curso.
Um rigor inconveniente que cria o clima da cobrança, derrapando na invigilante conduta de destacar imperfeições.
Daí surge o desrespeito e a invasão.
Esse rigor vem dessa exagerada expectativa de uns para com os outros.
Nesse contexto de exigências são alimentados os vermes exterminadores dos bons costumes, quais sejam o ciúme e a inveja, cujos focos principais poderão ser percebidos nos seguintes efeitos:
desmotivação, rejeição, insegurança, decepção e disputa.
— E como tudo isso começou, dona Modesta?
— Você tocou na alma do tema, Arlene.
Tudo isso começou, minha filha, quando se concentrou mais atenção aos defeitos que aos valores na relação de uns com os outros.
Basta que paremos um minuto para examinar mentalmente o defeito de alguém e nossos sentimentos se alteram, motivando condutas e decisões, escolhas e palavras.
Quando nos sentimos à vontade para julgar, consequentemente, fixamos a mente em algum ponto de vista sobre a conduta de alguém.
Não existe julgamento indulgente.
Se julgarmos, foi abolida a indulgência.
Quando estacionamos o pensamento nesse minutinho de concentração para sentenciar alguém, a nossa língua começa a "coçar".
Não resistimos, comumente, ao apelo de destacar as doenças do outro.
Essa é a causa dessa rede vibratória de mágoas e insatisfações no grupo.
Como dizem os homens:
cutucaram feridas e não sabem como tratá-las.
Nossa equipe espiritual tem lhes estimulado a franqueza, pois ser cuidadoso com o mundo íntimo do semelhante não pode significar omissão.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 18, 2018 8:17 pm

Contudo, nossos irmãos do GEF, e aqui os analiso com muita complacência no coração por todos eles, são muito impacientes, apressados, ansiosos e indisciplinados.
A indulgência é a conduta de amor diante de erros e imperfeições que aferimos no próximo ou em nós mesmos.
— Esperamos demais uns dos outros e não somos severos para connosco?
— No caso do GEF nossos irmãos são bem austeros consigo mesmos, mas não sabem como ser benevolentes com o próximo.
Ferem a pretexto de ser francos.
Ofendem a pretexto de desiludir.
São insensatos e não toleram, a pretexto de não perderem a oportunidade de corrigir.
— A senhora, que tem acompanhado tudo isso, dia após dia, como resumiria toda a experiência do GEF?
— Ausência de maturidade do senso moral.
A conduta de nossos irmãos em nada difere das lutas mais acirradas para as quais nossa equipe espiritual chamou a atenção da comunidade espírita por meio das inspiradas obras de irmã Clarisse.
Sabem muito, viram muito e renovaram escassamente seu modo de sentir e agir.
Em se tratando deste tema, o Evangelho é claro.
A incomparável parábola do Bom Samaritano é o retrato de nossa condição espiritual na figura do sacerdote e do levita.
Sabem muito e nada fazem para socorrer o homem caído e assaltado.
Após a resposta à Arlene, um senhor septuagenário levantou-se, cruzou as mãos na altura da cintura, e disse de chofre com certa ansiedade na fala:
— Continuo achando a senhora e sua equipe muito condescendente, dona Modesta!
— Posso saber a razão? -perguntei calmamente e já habituada a esses trâmites.
— Para mim, Demétrius e esse GEF são uns falsos e adúlteros da Doutrina Espírita!
— Por qual razão meu irmão diz isso?
— Não é a primeira vez que os acompanho.
Já lhes conheço a intenção.
— Qual seu nome, meu irmão, e com qual caravana veio?
— Não vim com nenhuma caravana.
Tenho meus próprios pensamentos e faço parte de outra sociedade espírita.
Meu nome é Rudá.
Já havia percebido algo diferente na vibração de nosso irmão durante o diálogo edificante.
Sua fala causou estranheza e pavor em alguns presentes.
Mantive-me serena, pois sua história já era de meu conhecimento na rotina do GEF.
— Pois não, Rudá, seja bem-vindo ao diálogo!
Por qual razão se refere dessa forma ao GEF?
— Tenho um filho, seu nome é Roberto, e passa momentos de grande dor no plano físico.
Depois de muito esforço, consegui, com a ajuda de bons amigos, levá-lo ao GEF com esperanças de conforto.
Qual não foi minha decepção, porque presenciei mais do que devia.
Ocupado com a dor de meu ente querido, fui tomado pela desagradável surpresa de cenas de maledicência e ciúme envolvendo meu próprio filho.
Intrigado com aquilo, segui meu ímpeto de acompanhar a pessoa em questão até o seu lar, pertencente ao quadro de dirigentes do GEF.
No trajecto, ouvi palavras de preferência afectiva, despudor e manifesta prepotência acerca do problema de Roberto.
Depois de fazer-lhe o atendimento fraterno, a referida dirigente colocou no "ar", em público, as lutas de meu filho.
Ele, por sua vez, nem sequer imagina o que o cerca.
Que casa espírita é essa?
A intimidade é alvo de fofocas e, no rolar dos meses, chegou a constituir uma disputa afectiva de fãs apaixonadas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 18, 2018 8:17 pm

Não olharam como deviam para as necessidades profundas de meu filho.
Não sabem de seu drama real.
Tudo que aqui ouvi é muito condescendente.
— Por que, Rudá?
— Porque esse grupo é mais prepotente do que foi aqui exposto.
Sem perceber, eu que buscava ajuda para um ente amado, passei a ter mais um problema para gerenciar:
minha revolta por conhecer o desrespeito na postura do GEF.
Eles não só se desrespeitam, dona Modesta, como são invasores do mundo alheio de quem frequenta a casa.
— E como está Roberto?
— Graças à sensibilidade de uma pessoa que pouco frequenta o grupo, ele tem encontrado um campo de pacificação em suas dores.
Achou alguém para o distrair no terreno do afecto.
— E o que o senhor esperava?
— Que ele fosse esclarecido.
— Não posso discordar quanto à sua colocação sobre a invigilância da quebra de sigilo em assuntos da alma.
Nós mesmos já presenciamos episódios semelhantes por lá.
Em nenhum deles, todavia, deixou de haver o arrefecimento do sofrimento de quem recorreu às tarefas.
Há quem cuide disso no GEF, o senhor conhece o professor Cícero?
— Já falei com ele.
— E...
— Ele me disse o mesmo que a senhora.
— Então, o que o senhor pretende com sua colocação?
— Dizer que há muita falsidade nesse grupo.
— E acha que assim nos ajuda?
— Talvez a senhora e sua equipe devam ser mais duros com eles.
— Meu irmão, veja bem, afora seu sincero desejo de ser útil, o que tenho a lhe dizer é que a única postura que não tem cabimento nessa história é a dureza.
Acabamos de deixar isso claro na conversa.
O julgamento promove o radicalismo pelo preconceito que alimenta.
O núcleo moral desse grupo é a cobrança, um reflexo da arrogância humana.
De nossa parte, se houver mais severidade...
-e fui interrompida por Rudá.
— Mas a senhora não tem se manifestado no grupo com atitudes rigorosas e exigentes?
Aliás, será que se lembra do que me disse um dia desses lá no grupo?
— O que foi que eu disse?
— Aqui só mesmo muita firmeza para dar conta dessa ralé!
— Meu irmão, agora percebo melhor o seu drama. Jamais o tinha visto no GEF em meio às multidões que se valem da tarefa.
Para mim, que eu me recorde, encontramo-nos pela primeira vez.
— Então a senhora deve estar com algum problema de memória.
Não tem duas ou três semanas esse nosso encontro.
— Acredito muito mais que o senhor esteve com um de meus clones, supondo falar comigo.
— Clones?
— Sim, senhor! Essa tem sido uma experiência comum naquela casa, depois dessa malquerença que se instalou entre os membros.
Todos os dias sou substituída por "mentes brilhantes", ou seja, espíritos que dominam a arte de mutação da forma perispiritual.
Adoram clonar principalmente a nós que fazemos parte da rotina do GEF.
Professor Cícero, Inácio Ferreira, irmão Ferreira e outros tantos são clonados.
E causam perturbação e mentira.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 19, 2018 8:12 pm

— A senhora deve estar galhofando!
— Acha mesmo! Então veja isso - não tive alternativa em face do ambiente que se formou.
Ali mesmo, na frente de todos os presentes, exerci a mutação mental de meu rosto para o rosto da dirigente referida pelo senhor Rudá.
Não fosse pelo consistente clima de aprendizado entre todos, não lançaria mão desse recurso didáctico.
Rudá, porém, é o Tomé das fileiras evangélicas.
Precisava da lição para acordar.
Na verdade, ele estava sendo vítima do assédio inteligente de diversas entidades que formaram uma sociedade "espírita" para combater o GEF.
Rudá ficou atónito.
Era um homem bom, apenas equivocado em suas percepções.
Estava sendo usado.
Sentiu-se nitidamente mal e assustado diante de minha atitude.
Aproveitei para injectar-lhe durante a transfiguração uma energia que opera instantaneamente a reprogramação mental da hipnose.
Cooperadores atentos de minha equipe se postaram por detrás dele, aplicando passes longitudinais.
Ele, claramente, esmaecia.
Ficou lívido, a pele se transmutou em amarelo.
Amparado pelos enfermeiros, foi transportado até um sofá próximo.
Se o grupo já estava apreensivo em relação às lutas do GEF, as perspectivas ali ampliadas sobre clonagem perispiritual, mistificação e a estranha sociedade "espírita" de que participa Rudá, causaram ainda mais curiosidade em todos. Percebendo a extensão dos anseios nobres de todo o grupo, propus:
— Amigos, como vocês ficarão mais alguns dias para acompanhar a rotina do GEF, gostaria de lhes propor um encontro amanhã, segunda-feira, bem cedo, nas dependências da casa.
— Teremos mais tempo para detalhes amanhã? -perguntou um dos aprendizes.
— Quero lhes propor algumas horas de encontro para narrar uma história.
Somente lançando o olhar sobre a trajectória reencarnatória compreenderemos melhor os conflitos desse instante no GEF.
Apresentando-lhes alguns lances pretéritos, vocês poderão inferir sobre a natureza dos testemunhos de todos nós que amamos a Jesus e não conseguimos, ainda, ser-Lhe fiel nas atitudes.
Depois disso, creio que não restarão muitas perguntas ou detalhes, e sim trabalho, muito trabalho a fazer.
Quando examinamos aqui alguns retalhos da experiência do GEF, por meio das oportunas questões expostas, de longe arranhamos as raízes dos motivos ocultos e profundos para tantas dores e conflitos.
Quem vê Demétrius em seus conflitos de agora, não tem noção das raízes que se alongam em tempos idos.
Essa medida será muito instrutiva e educativa para ajuizar por que a compaixão é a única ética capaz de promover a união e a concórdia.
Além do que, essa história poderá nos auxiliar a rever qual a nossa verdadeira condição evolutiva como espíritas.
Quem sabe, conhecendo um pouco mais de Demétrius e do GEF, encontremos fortes apelos na intimidade do coração que nos auxiliem a dilacerar as velhas ilusões de grandeza e importância pessoal?!
Vocês concordam com a proposta?
Todos acenaram positivamente, demonstrando ansiedade pela oportunidade.
No dia seguinte, conforme combinado, lá nos encontramos nas dependências do GEF para narrar a história a seguir.
Fizemos uma prece e comecei dizendo:
— Tudo começou em uma manhã de 1936.

7 Cícero dos Santos Pereira -Nasceu em 14 de novembro de 1881, no povoado de Gorutuba, próximo à Diamantina -MG .
Foi presidente da União Espírita Mineira (1937 a 1940) e fundador de vários Centros Espíritas em Belo Horizonte e Montes Claros.
8 Djalma Montenegro Farias - Nascido a 9 de outubro de 1900, no Recife, teve expressiva actuação no movimento espírita pernambucano.
9 Artur Lins de Vasconcelos Lopes -Nascido a 27 de março de 1891, em Teixeira, Paraíba, teve expressiva actuação no movimento de unificação nacional, especialmente no Paraná.
10 Lucila Balalai -dedicou-se a pessoas portadoras de câncer em Londrina, estado do Paraná. Diversas instituições levam seu nome pelos méritos de suas iniciativas.
11 Dulce Ângela Caleffi -esposa de Hugo Gonçalves, devotado missionário do bem em Cambe, estado do Paraná.


Última edição por Ave sem Ninho em Sex Out 19, 2018 8:13 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 19, 2018 8:12 pm

Capítulo 2 - Ataques Espirituais ao Sanatório Espírita de Uberaba em 1936
"Os laços de família não sofrem destruição alguma com a reencarnação, como o pensam certas pessoas.
Ao contrário, tornam-se mais fortalecidos e apertados."

-O Evangelho Segundo o Espiritismo — capítulo IV — item 18.

— Catarina! Catarina!
Acorde sua infame!
Seu dia chegou, sua déspota!
Seu próprio filho vai extingui-la...
Acorde, Catarina!
Não é um pesadelo, sua víbora.
Sua vida na carne acabou.
Você ficará louca e será nossa novamente.
Devedora insolvente!
Seu reinado acabou e seu trono será nosso...
Corria o ano bom de 1936.
O dia amanheceu penumbroso para mim, depois de uma noite agitada por sonhos cruéis.
Cenas de hostilidade e impiedade tomaram conta de minhas lembranças ao acordar.
Uberaba parecia outra cidade naquela manhã.
O pressentimento de que algo desastroso ocorreria dominava meus pensamentos com insistência.
Logo pensei nos filhos e na saúde.
Durante os sonhos, acusavam-me de assassina e prometiam queimar-me viva.
Muitos gritos e lamentos angustiantes ainda estavam na minha memória consciente depois que despertei.
Ouvia claramente alguns nomes, como Catarina e Carlos, como se tivessem cometido uma desmedida crueldade.
Naquele dia, cumprimentavam-me na rua a caminho do sanatório.
A mente, porém, vagueava, longinquamente, como se buscasse não sei o quê, sem coordenar os raciocínios.
Sentia-me em clima de pressão espiritual que não me permitia melhor clareza sobre o acontecimento.
Ansiava por chegar logo ao encontro de Inácio no sanatório, com quem sempre dividia as angústias dessa natureza.
Eu contava meus trinta e cinco janeiros.
Corriam os primeiros anos de existência do Sanatório Espírita de Uberaba, fundado em 31 de dezembro de 1933.
A acção dos adversários do bem para nos tirar crédito perante a sociedade era intensificada com base nos preconceitos.
Diziam: "É uma louca!"; "Onde já se viu uma mulher dirigindo um hospital?"
"Pobre do marido, vai ter de interná-la no próprio hospital!"
Meu pai, João Modesto, muito respeitado na cidade, era quem enfrentava o clero, que se interessava mais por seu dinheiro que pelas suas ideias como espírita confesso.
Não via a hora de alcançar o sanatório.
O major, como era conhecido meu marido, levara-me até a porta ciente de que eu não me encontrava no meu melhor dia.
Logo na chegada, encontrei quem mais ansiava.
— Inácio, venha à minha sala! -falei com ansiedade.
— Já vi que a senhora não está com o juízo no lugar.
— Nem imagina o quanto!
Inácio Ferreira, a esse tempo, na casa de seus trinta e dois janeiros, já havia assumido a direcção clínica do sanatório.
Iniciava suas primeiras actividades profissionais como psiquiatra com total isenção de preconceitos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 19, 2018 8:12 pm

— O que a senhora percebe? -indagou-me Inácio.
— Sinto-me queimada.
O corpo arde.
Vejo fogo, muito fogo.
Como se o hospital estivesse em chamas.
Sonhei a noite inteira com crueldades.
Alguém me chamava pelo nome Catarina.
— Será...
— Sim, é ele novamente.
Sinto-lhe a presença.
Matias está novamente atacando a casa.
— Estava tão sossegado nos últimos meses!
— Certamente preparava alguma para o sanatório.
Mal terminei a frase e chegou um enfermeiro com a notícia:
— Dona Modesta, precisamos da senhora urgente na ala dois.
Egídio apronta-se para se suicidar.
Chama pela senhora o tempo todo e diz que precisa purificá-la das marcas do demónio.
Infelizmente, ele burlou a vigilância e pegou um frasco de álcool e fósforo.
A caminho do quarto de Egídio, através da vidência no espaço, pude ver no plano invisível que três homens se enroscavam no corpo do paciente como heras no tronco de uma árvore.
Vampirizadores que sugeriam a ideia da minha sina como espírita.
Quando lá chegamos, entrei no quarto quase totalmente tomada por ideias estranhas à minha condição de espírita.
Sem tempo para pensar, manifestei:
— Salve Jesus, Egídio!
O senhor é nosso Pastor e nada nos faltará!
— Dona "Mudesta" -respondeu em seu típico palavreado -então a senhora já se converteu?
Glória a Deus, aleluia!
Sou-te grato pela graça.
Oh Pai! Aleluia! Aleluia!
— Do que trata essa atitude, Egídio?
— Estava pronto para baptizá-la em Cristo, veja! -e mostrou uma enorme garrafa de combustível e fósforo.
Livrá-la dessa peçonha do demónio que a tomou e a todo esse sanatório.
— O senhor iria me queimar para libertar?
— Isso mesmo, dona "Mudesta", isso mesmo!
Não haveria dor nem "ranger de dentes", o "filho das trevas" seria queimado e a senhora liberta.
Fico feliz com sua conversão!
A qual igreja a senhora vai?
— Passe-me primeiro seus instrumentos de "purificação", e depois falamos.
Uma cena estarrecedora passou a se desenrolar a partir desse momento.
Os vampirizadores, percebendo o insucesso de seus alvitres enfermiços, passaram a induzir a mente do obsesso a jogar em si mesmo a substância comburente a título de sacrifício pela "libertação total" do sanatório.
— Não darei, não!
Vou fazer o meu holocausto pela suprema libertação deste lugar!
Era o desejo dos agressores desencarnados causarem um escândalo na cidade.
"Você vai ao encontro de Deus!" -diziam as "vozes" na mente daquele psicótico e pirómano.
— Vou ao encontro de Deus! -repetia ele com perfeita filtragem.
— Largue esse material, Egídio!
— Jamais! Preciso livrar-me de todo o pecado pelo bem deste lugar, que está tomado pela peçonha do inferno!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 19, 2018 8:13 pm

É o meu testemunho de salvação!
Tenho fé que Deus dará resistência e impedirá a queimação.
É o que te peço, meu Senhor! -dizia em voz altíssima, com os olhos esbugalhados e os lábios tomados por abundante dose de baba.
— Egídio, devolva-me isso agora -falei com energia e com o pensamento ligado em Eurípedes.
— É com a fé abundante desse teu filho pecador que... -o líquido foi derramado por todo o corpo.
Quando se preparava para acender, percebi, pela vidência, que amigos espirituais atentos encostaram um pequeno aparelho manual em cada um dos três vampirizadores.
Eles perderam o sentido.
Eram electro-choques que repercutiram sobre a mente de Egídio que, por sua vez, entrou em convulsão epiléptica.
Imediatamente, Inácio, que a tudo acompanhava, chamou os enfermeiros para sedá-lo, após a crise.
— Como está a senhora? -perguntou o enfermeiro, trazendo-me uma cadeira para acomodar.
— O coração quase pulou para fora!
— Esse é um caso de esquizofrenia seguida de delírio místico12 diagnosticou Inácio, que se alegrava em mostrar seus conhecimentos de médico recém-formado.
— Assediado pelos discípulos de Matias -acresci.
— A senhora tem mais alguma percepção?
— Escuto tiros e gritos fora do sanatório. Meu Deus!
— O que foi, dona Modesta?
— Vejo Matias.
— Aqui dentro?
— Não. Está estirado na rua e muito machucado.
Alguns padioleiros o recolhem.
— São amigos?
— Sim. São amigos de Eurípedes13.
— Sabe para onde vão levá-lo?
— Ao porão.
— Então já sei a razão.
— A mediúnica de hoje à noite?
— Será uma bênção, dona Modesta, se for esse o objectivo.
Vamos aguardar. Ao trabalho!
Temos muito que fazer pelos doentes da casa.
Aquela cena de Matias caído não me saiu da tela mental.
Quase não acreditei no que vi. Hematomas e estrias de ferimento com sangramento causado por alguma lâmina fina no corpo de Matias.
Jamais imaginei que um dia me depararia com semelhante cena na vida espiritual.
Ele foi esfaqueado por seus ascendentes por não ter atingido o objectivo, isto é, provocar um escândalo de graves proporções dentro do sanatório.
Além da dor física, uma triste dor moral assediava-me pelos vínculos que guardava com ele.
Seu coração tinha ódio e eu sabia por quê.
Durante todo aquele dia fiquei refém de uma indisposição incomum.
Dores pelo corpo e humor alterado.
Tudo me irritava.
Cansava com facilidade.
Matias havia sido levado ao porão, local no astral nas dependências do hospital onde eram acolhidas entidades socorridas que se comunicariam em nossa mediúnica realizada dentro do próprio sanatório.
No fim da tarde, antes de me retirar para um banho e refazimento no lar, Inácio me abordou.
— Dona Modesta, a senhora...
— Inácio, posso lhe fazer um pedido?
— Claro!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 19, 2018 8:13 pm

— Chame-me apenas por Modesta.
— Mas...
— Companheiro, pelas coisas que vi recentemente, creio que temos uma longa caminhada pela frente.
Precisaremos de muita intimidade fraterna e transparência em nossos laços, a fim de não sermos mal interpretados.
— Posso saber com mais detalhes o que a senhora viu.
— Lá vem você com a senhora!
— Vou me acostumar... Modesta!
— Ficou bem melhor assim!
Interpreto a vinda de Matias como o recomeço de um longo resgate, Inácio.
Assim me disse Eurípedes Barsanulfo.
— Resgate?
— Acha mesmo que veio aqui apenas para virar director de hospital e fazer carreira?
— Tinha esse sonho.
— Parece que não é o sonho do Cristo para nós.
— Modesta, quem foi esse Matias?
Apesar de seus vários ataques a essa casa, percebo que o trata com afecto.
É algum conhecido?
Você me deu detalhes acerca dessa criatura.
— Matias era um jovem camponês das redondezas de Uberaba.
Filho bastardo de um rico fazendeiro que não assumiu a paternidade por motivos óbvios.
— Quem é o pai?
-Leandro Serra?! -Inácio expressou-se surpreso por conhecer o carácter da pessoa em questão.
— Certa feita, o senhor Leandro, tocado pelos ensinos do Espiritismo, procurou-me, já que era amigo de meu pai e sabia da ligação de nossa família com a doutrina.
Ele me confessou o segredo com humildade e pediu ajuda.
Estava tomado pela culpa, após conhecer os princípios espíritas.
Engravidou a serviçal Conceição em sua fazenda.
Para evitar o escândalo, despediu-a sob severas ameaças.
Prometeu, no máximo, uma nova colocação em distrito próximo, e assim o fez.
A mãe, após alguns meses de estadia na nova cidade, morreu de desgosto em terrível tragédia.
Suicidou-se.
O rapaz, a essa época do pedido de Leandro, tinha pouco menos de vinte anos e estava totalmente demente, mal conseguia empunhar uma enxada.
Matias era o nome do jovem. Leandro pediu-me uma consulta espiritual.
O filho estava em obsessão grave e havia sido preso na pequena delegacia de Araguari14, diante da algazarra que vinha aprontando sob efeito da loucura.
Com alguns acordos, conseguimos trazer Matias para Uberaba.
Os espíritos que o assediavam eram velhos companheiros de uma associação da maldade.
Com algumas reuniões, ele estava lúcido e auxiliando nas tarefas rotineiras do "Ponto Bezerra de Menezes".15
Tomou-se de amores por mim.
Através de boatos na infância veio a saber, que seu pai era um homem rico.
Como não conheceu a mãe, por motivos que só a reencarnação explica, supunha que eu era a mãe que voltou para ampará-lo.
Ele se adaptou em Uberaba e tinha carinho e respeito pela minha família.
Leandro, sem assumir sua paternidade, aproximou-se cautelosamente do jovem, vindo, com o tempo, a se render em amores por ele.
Adoptou-o e cuidou de seu futuro.
Matias não conseguia se esquecer de mim.
Vinha até o Ponto participar das actividades assistenciais.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Dragões - Maria Modesto Cravo / Vanderley Pereira

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 8 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum