Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Página 1 de 6 1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte

Ir em baixo

Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 30, 2018 8:05 pm

Quem Perdoa Liberta
Wanderley Soares de Oliveira

José Mario (Espírito)

Sumário
PREFACIO

Misericórdia, Porta de Entrada do Perdão José Mario

INTRODUÇÃO
Acreditar mais Uns nos Outros
Maria Modesto Cravo

CAPÍTULO 01 - Missão de Chico Xavier e dos Novos Médiuns Espíritas
CAPÍTULO 02 - Orientações de Calderaro sobre a Obsessão
CAPÍTULO 03 - Sistema de Mistificação Colectiva
CAPÍTULO 04 - Efeitos da Arrogância na Vida Mental
CAPÍTULO 05 - Quesitos para os Serviços Socorristas ao Submundo Astral
CAPÍTULO 06 - O Poder Mental de Pai João de Angola
CAPITULO 07 - Uma História de Maledicência
CAPÍTULO 08 - Como os Oponentes do Bem Penetram nos Centros Espíritas
CAPÍTULO 09 - Discordar sem Amar Menos, A Grande Lição da Fraternidade
CAPÍTULO 10 - Homo-afectividade e Mediunidade
CAPÍTULO 11 - Os Cordões Energéticos e a Depressão por Parasitismo
CAPÍTULO 12 - Os Laços da Comunidade Espírita com os Dragões
CAPÍTULO 13 - A Psicologia dos Dragões: Desconfiar Uns dos Outros
CAPÍTULO 14 - Início de uma Nova Etapa

ENTREVISTA
Perguntas formuladas pelo médium Wanderley Oliveira a Maria Modesto Cravo sobre o conteúdo do livro

APÊNDICE
Apelo por Concórdia - Eurípedes Barsanulfo
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 30, 2018 8:05 pm

Prefácio
Misericórdia, Porta de entrada do Perdão

"E Jesus, tendo ressuscitado na manhã do primeiro dia da semana, apareceu primeiramente a Maria Madalena, da qual tinha expulsado sete demónios" - Marcos 16:9.

O exemplo de Jesus com a pecadora é sublime recomendação para nossos passos em busca da libertação espiritual.
Iluminar a vida alheia com educação, reconhecimento e estímulo é a divina arte de acender dentro de nós próprios a luz dos talentos libertadores.
Quem tem olhos de ver vê o bem em toda a parte.
Quem se dispõe a se aprimorar nas lides da reforma interior, jamais poderá descuidar de enobrecer a vida, onde quer que seja.
A luz que exteriorizamos nos alivia e abençoa com o frescor da sensação de leveza e progresso.
Conquanto oriente a sabedoria do Evangelho que devamos nos fixar na positividade dos conteúdos morais, não podemos ignorar os conceitos acerca da acção inteligente e calculada da maldade, caso desejemos instaurar um programa de vigilância mais activo e consciente.
Embora devamos sempre ressaltar a luz, muitas vezes torna-se imprescindível estudar o movimento das trevas para melhor orientar nossas escolhas sobre onde e como colocar o foco de nossos esforços no bem.
Respiramos no mundo físico a atmosfera psíquica que nasce de nossos próprios sentimentos, criando vínculos e determinando factos em ambas as faixas de vida.
Cercados por uma enorme nuvem de testemunhas invisíveis na esfera espiritual, necessitamos aquilatar com mais detalhes como somos decisivamente influenciados pelas criações que partem de nós.
Nossos apontamentos nesta obra constituem uma reflexão singela sobre a importância da bondade em nossa convivência, como sendo a maior protecção contra os assaltos impiedosos da sombra que ainda reside em nós próprios e com a qual o mal organizado procura avançar em suas iniciativas de colonizar mentes.
Seguindo a orientação de nossos tutores maiores, desenvolvemos nos textos seguintes a continuidade da história do Grupo X.
Enquanto no primeiro livro1 destacamos a força destrutiva dos conflitos no relacionamento humano, desta feita ressaltamos a teia vibratória que envolve o homem carnal nas esferas espirituais quando descuida de aplicar o perdão genuíno.
Há quem imagine os recintos das abençoadas casas doutrinárias como ambientes de perfeição e pureza imaculada.
Todavia, a Casa de Jesus, conquanto deva prezar o ambiente de paz e asseio espiritual, é também um hospital laborioso e uma oficina dinâmica.
Será improdutivo pensar a psicosfera de um Centro Espírita como um céu de fantasiosa acomodação.
Em tempo algum, o ambiente espiritual dos núcleos espíritas esteve tão intensamente alvoroçado.
Onde se faz a luz da oração e das boas intenções é natural que o caudal de sombras se reúna, atraído para o clarão que se faz intenso.
O socorro prestado ao Grupo X é o exemplo típico do quanto a providência divina, representada por todos os servidores do bem no mundo dos espíritos, se guia pela psicologia da iluminação por meio da promoção e da valorização das potências da alma.
Conquanto a luta ingente de nossos irmãos no plano físico, em todos os instantes durante a sucessão de anos que durou o amparo aos irmãos queridos no mundo físico, presenciei atitudes de amor incondicional da parte de todos os nossos benfeitores, que se desdobraram incansavelmente pelo bem desta casa.
Nossos irmãos no referido grupo perderam temporariamente a razão, e o grande objectivo dos servos do amor e do bem foi suprir-lhes de carinho, apoio, orientação e estímulo.
Somente quem se encontra deste lado da vida pode avaliar com minúcias a extensão dos esforços nesse sentido.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 30, 2018 8:05 pm

Em nossas anotações, procurei falar o que me foi permitido, considerando o carácter educativo a que todos nos propomos em assuntos de aprendizado espírita.
O tempo, porém, nos permitirá novos ensejos de comunhão pela mediunidade.
Queira Deus que tenhamos ainda muita força e coragem para dizer mais e mais sobre a complexidade do que é a vida que cerca o homem carnal.
Nosso objectivo central, no entanto, é estimular a misericórdia nos sagrados laços da convivência, por meio da psicologia da iluminação proposta por nosso Mestre e Senhor, estendendo-nos as mãos uns aos outros e aceitando-nos com legítima fraternidade nas atitudes.
A misericórdia é a porta de entrada para o perdão.
Perdão é aceitação da vida e do outro como se encontram e como são, e quem perdoa liberta.
Jesus, exemplo de misericórdia em expansão, (...) apareceu primeiramente a Maria Madalena, da qual tinha expulsado sete demónios".
A referência não pode ser mais clara a respeito do quanto devemos nos amar uns aos outros, acreditando sempre na luz que cada um possui em si mesmo.
Por agora, consideramo-nos felizes por estar trabalhando e realizando algo do lado de cá para o mundo físico, que repercute sempre em meu próprio favor, diante de minhas extensas necessidades espirituais.
Minha única esperança é de que alguma utilidade possa ser encontrada nas páginas que destinamos, com afecto, aos amigos e idealistas na vida física.

José Mario, 9 de maio de 2010
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 30, 2018 8:06 pm

Introdução
Acreditar mais Uns nos Outros

"Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte;
Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa"

- Mateus 5:14 e 15.

O exame sincero dos motivos de nossos conflitos interiores não poderá jamais menosprezar a necessidade de averiguar criteriosamente a natureza das relações que travamos uns com os outros.
A psicologia de Jesus é a de valorização dos potenciais da alma por meio da tolerância mútua e incondicional.
Ele deu exemplos infinitos sobre a importância de ressaltar a luz alheia no convívio diário.
Vós sois a luz do mundo.
Ele não só afirmou nossa potencialidade, como foi além.
Indicou onde essa luz deve brilhar:
No velador, onde todos possam ver.
A vida do Mestre é rica em estímulo, incentivo, desapego de julgamentos, bondade, acolhimento e misericórdia com todos os que passaram por Seu caminho.
Jesus mantinha Seu olhar na luz que está depositada em cada um de nós.
Na pesca maravilhosa narrada em Lucas, capítulo 5, depois de Pedro trabalhar uma noite inteira sem nada pescar, Jesus o chama para mais amplas responsabilidades.
Enquanto Pedro se abatia com sua sombra interior, por não haver tido êxito em seu esforço de pescaria, o nosso Mestre lhe enaltece a iniciativa, inclina-o a atirar novamente as redes e o chama para ser pescador de homens.
Eis o princípio das relações sadias e libertadoras:
a selectividade mental para a luz e a beleza exuberante que cada criatura carrega em si mesma.
Somente assim expandimos nosso próprio potencial de qualidades e nos envolvemos na agradável psicosfera da bondade, que é a filha primogénita da misericórdia.
Cientes do nosso hábito infeliz de criticar, julgar e maldizer, torna-se imprescindível uma literatura que investigue uma das mais destrutivas doenças da convivência em grupo:
a desconfiança.
A desconfiança é o resultado emocional dos julgamentos crónicos.
Há um consenso entre os estudiosos do comportamento humano sobre o ato de julgar ser necessário na formação de juízo de valor, porém, o que deveria ser apenas um movimento mental para dilatar o discernimento e ajuizar com melhor proveito, quando sob a tormenta emotiva do ciúme, da inveja e da menos-valia, transforma-se em sentenças implacáveis às quais nos apegamos com demasiada paixão.
É nesse clima mental que brota a desconfiança, patrocinando os mais lastimáveis efeitos no relacionamento humano.
A pior descrença na vida não é a que diz respeito a Deus.
A mais maléfica descrença é a que temos em relação ao nosso próximo.
Deus tem leis imutáveis, incorruptíveis diante de nossa vã soberba.
O mesmo não ocorre em relação ao próximo, com quem mantemos laços energéticos delineadores de nosso destino e de nossa vida.
O próximo, em qualquer grau de relacionamento em nossas expressões humanas, é o olhar de Deus aferindo continuamente nossa atitude em Sua criação.
Deus, mesmo quando desacreditado por nós, continua activamente crendo em nós.
Quanto ao próximo, todavia, a descrença é lixo atirado que vai infestar a convivência.
A fé no próximo é o canal de sintonia da fé no Criador.
Se não aprendermos a estabelecer uma relação de confiança com a luz do próximo, ficaremos sob a tutela do clima da desconfiança, isto é, indispostos a fiar com nosso irmão o clima da genuína amizade, que respira tolerância, bondade e afecto.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 30, 2018 8:06 pm

E sem confiança não existe imunização contra as pragas da idealização, da maledicência e do julgamento.
A idealização patrocina a cobrança que surge das expectativas exageradas; a maledicência espalha a mentira no intuito de menosprezar; e o julgamento separa corações.
É preciso acreditar um tanto mais nos potenciais, na luz que há em cada um de nós, caso queiramos desenvolver melhores laços e uma convivência genuinamente fraterna.
Fé em Deus, mas, sobretudo, fé também naqueles que são os aferidores de nossa capacidade de amar.
E somente pelas vias sagradas da misericórdia conseguiremos essa atitude de sabedoria, equilíbrio e pacificação.
O chamamento de João continua vivo diante desse quadro:
"Mas aquele que odeia a seu irmão está em trevas, e anda em trevas, e não sabe para onde deva ir; porque as trevas lhe cegaram os olhos".
A desconfiança é o primeiro passo em direcção a esse ódio.
Sem fé uns nos outros, sem acreditar nos valores morais de nossa humanidade, como acreditar no Pai que arquitectou tudo isso para que vivamos de conformidade com Seu Augusto Amor?
Os monstros da maldade são impiedosos e calculistas.
Para alcançar seus interesses, desconsideram a palavra compaixão.
Almas dotadas de larga capacidade de analisar as auras do sentimento no corpo emocional, aprenderam mecanismos de alteração do mesmo, instantânea ou de longo curso, para dominar a vida afectiva alheia.
Conhecem as cores e os odores de cada raio afectivo e, por isso, tornaram-se exímios psicólogos da maldade.
Fracassados por crimes passionais, foram também muito espezinhados e traídos, corrompidos e feridos até chegarem ao patamar de ódio e enfermidade no qual se encontram temporariamente.
Diante desse quadro espiritual, compete aos examinadores do intercâmbio mediúnico mais dilatado grau de instrução acerca das operações silenciosas e astutas das falanges da maldade organizada.
O plano de domínio dos adversários do bem atinge limites ignorados na vida terrena.
A falange do mal adopta como estratégia de supremacia o enfraquecimento subtil de seus alvos.
Que caminho mais fácil para dominar o mundo que desenvolver a loucura passiva entre os homens?
Eis a grande tese dos arquitectos da escuridão.
Que caminho mais curto e eficaz para atingir a loucura que a ausência da fé?
São muito inteligentes os articuladores da psicologia das trevas, porque sabem que a fé é o sentimento que liga o homem à alma do universo.
Subtraindo essa força de propulsão, cria-se o venenoso clima da descrença.
A descrença é a mente sem âncoras, como um navio solto no mar revolto.
Nesse estado psicológico, desenvolve-se o clima interior para o assédio da culpa, a tormenta do medo e a tirania da tristeza.
Nesse estado psíquico, configura-se o quadro emocional mais conhecido da actualidade - o vazio existencial -, ou seja, a ausência de motivos para viver.
Fé é o combustível da vida que nos motiva ao progresso.
Sem fé não há conservação essencial, e sem subsistência a alma se entrega ao ponto de convergência e domínio dos falcões da amargura: a depressão.
Para isso, primeiramente minaram a religião, a fim de entronizar a fé dogmatizada, a fé de convenções.
Como se não bastasse, procedem rotineiros arrastões de pilhagem afectiva entre a multidão ou, ainda, de forma planejada, nos casos dos líderes do bem e da paz.
Os arrastões são formas de intimidação à crença de cada um no melhor dos outros.
Promovem, assim, ondas de pessimismo e baixa estima, tristeza e cansaço existencial.
Sem fé, aonde chegará a criatura humana?
Isso é a loucura passiva.
Desacreditar é viver um sistema de compulsiva maledicência e fixação na parte pior de cada um.
Essas almas estudaram o falcão, essa ave de rapina com olhar penetrante, para copiar-lhe o modo de agir e, não raro, em seus arrastões diários chegam em bandos enormes, sob o comando de um grande falcão rei, patrocinando a tormenta da descrença em multidões e grupos em assaltos sorrateiros e bem pensados antecipadamente.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 30, 2018 8:06 pm

Vão a igrejas e vilarejos, a empresas e escolas, a hospitais e cemitérios, a boates e campos de desporto, encontros cristãos e ruas de perdição.
Têm uma grande facilidade de acção entre quantos cultivam o materialismo, embora estejam com a mira apontada para os grupamentos da alegria e da boa saúde.
Um único propósito lhes inspira a acção:
esparramar o vírus da desistência, que cria a doença da imaginação doentia - piso para o pessimismo, a ingratidão e a desesperança.
Os espíritas e as agremiações doutrinárias também são alvos escolhidos dessas aves de rapinagem moral.
Trabalham sutilmente com a dúvida, levando inúmeros companheiros à queda programada.
São ricos na diversidade de agir, entretanto, o princípio que sustenta suas armadilhas infelizes é um só:
levar os aprendizes e trabalhadores a acreditar na inutilidade de seus esforços no bem, por meio da indisposição de acreditar no valor de seus irmãos de ideal.
São suas vítimas todos os que se contaminam pela preguiça de entender, aceitar e apoiar os irmãos de caminhada no ideal, tão somente por não preencherem seus padrões de perfeição religiosa e conduta moral.
Eis a razão pela qual o tema "reforma íntima" carece de melhores e mais profundas concepções.
Sem entender os mecanismos psicológicos e emocionais da autêntica mudança interior, poucos serão perseverantes o suficiente para levar avante seus ideais de melhoria.
Quando muito, alguns perseverarão, mas sem nenhuma reserva de forças, permanecendo no Espiritismo por dever, oferecendo-se conforme suas folgas de tempo e recursos pessoais, dentro das mais exigentes condições para trabalhar e servir.
Dos que apenas tangenciaram a superfície da proposta cristã de amor incondicional, muitos decidem por abandonar as fileiras da doutrina em neurótica reclamação sobre a natureza das doenças alheias, sem exame mais detido em suas próprias enfermidades.
Nada pode atormentar mais o trabalhador sincero do crescimento espiritual do que suas fraquezas, suas falhas.
Esses exímios psicólogos da maldade calculada são hábeis disseminadores da substância do perfeccionismo, desenvolvida com base em profundos estudos e pesquisas que realizaram em seus laboratórios com os elementos estruturais da molécula" da vaidade.
Uma vez acoplada essa substância ao corpo bioenergético das criaturas na vida corporal, funciona como uma sensação de fogo que queima, causando um terrível incómodo.
Com a vibração da culpa e da autopunição, temos um canteiro mental fértil para a proliferação da praga.
Dessa forma, espreitam os momentos de descuido e erro humano, quando alastra a emoção da decepção e da tristeza consigo mesmo, a fim de agirem com extrema habilidade.
Em outras vezes, dissolvem tonéis dessa energia sobre grupos inteiros acostumados ao rigorismo religioso ou normativo de qualquer espécie nos lugares citados anteriormente.
Possuem radares versáteis e de ondas curtíssimas para descobrir os locais de exploração psíquica, e para lá rumam em bandos apavoradores e bulhentos.
Quem cultiva a descrença sente-se abandonado, cansado e indiferente, criando um quadro de insatisfação crónica com a vida.
E esses são os requisitos essenciais para os transtornos da depressão, com os quais os monstros da descrença planejam ser a primeira e mais poderosa das sete cidades do mal em suas loucas disputas pelo domínio no Lar de Jesus, a Terra.
Sem fé, a alma descrente cria mecanismos defensivos de auto-afirmação para sentir que existe e tem algum valor.
Os Centros Espíritas que desejem cumprir sua excelsa missão na Terra precisarão rever seus objectivos a partir do conhecimento mais consistente sobre as epidemias colectivas nos ambientes espirituais terrenos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 30, 2018 8:06 pm

Com diagnósticos mais exactos sobre as acções do mal, compete-nos utilizar melhores directrizes de tratamento e saneamento das enfermidades morais.
A Casa do Cristo que não se compromete, como prioridade para seus operários, com a felicidade e os meios de conquistá-la, caminha à deriva dos objectivos superiores, confortando e aliviando almas, todavia, sem educá-las para a liberdade.
Casas espíritas felizes, ambientes de honestidade emocional, alegria e rectidão moral, eis um bom conjunto das qualidades imunizadoras do "átomo" do amor - fonte de jovialidade, ternura e crença na luz alheia.
Por isso, os centros de amor do Espiritismo cristão devem urgentemente fundamentar-se em programas activos pelo bem-estar do ser humano, tanto quanto em escolas que ensinam conhecimentos recheados de sabedoria e sem conexão com a realidade.
O prazer de viver deve ser a alma desses programas, para que em tudo as percepções e os cinco sentidos dos seus trabalhadores sejam tocados pelo incentivo à fervorosidade, ajudando as pessoas a ter ou a resgatar seus sonhos, auxiliando-as a construir ideais duradouros e eternos, que contribuam para o sossego e a jovialidade e sorrirem mais para que os outros acreditem.
Sem tolerância, não nos suportaremos.
Sem misericórdia, não amaremos uns aos outros.
A tolerância abre as portas do entendimento para que entremos no reinado da pacificação, mas somente a misericórdia é capaz de renovar o homem para que tenha atitudes de acordo com a legítima fraternidade.
Amparem as pessoas para que descubram e utilizem o potencial de seu subconsciente, a força de sua fé inata contudo, sufocada pelo joio da deseducação.
Os caminhos emocionais para o sustento da fé são a esperança, a gratidão e o optimismo.
Portanto, trabalhem nesses temas com devoção.
Fomos criados para o Amor, e ninguém destruirá os planos do Pai.
Ave Cristo!
Ave para aqueles que amam sem condições.
Quanta liberdade eles experimentam!
Quem usufrui da bênção do perdão ilumina-se com a recompensa da liberdade.
Nesse encontro de amor e esperança, ergueremos, também, nosso laboratório de optimismo e alegria para examinar o "átomo" da paz, produzindo a substância da sensibilidade e da paz interior, com a qual nos nutriremos em abundância.
Dialoguemos sobre a fé, e que o capítulo XIX de O Evangelho Segundo o Espiritismo, A Fé que Transporta Montanhas, seja o grande remédio para todos os que visitarem nossa casa de esperança, na qual Eurípedes Barsanulfo assentou a sublime inscrição à porta:
Aqui mora a fé, a sublime qualidade dos que jamais deixarão de acreditar na força superior do bem.

Maria Modesto Cravo, 28 de maio de 2010
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 30, 2018 8:07 pm

Capítulo 01 - A Missão de Chico Xavier e dos Novos Médiuns Espíritas
"E, descendo eles do monte, Jesus lhes ordenou, dizendo:
A ninguém conteis a visão, até que o Filho do homem seja ressuscitado dentre os mortos"
- Mateus 17:9.

As actividades abençoadas do Hospital Esperança seguiam seu curso natural quando recebemos um chamado urgente da Terra.
Infelizmente, mais um país entrava em guerra sob o açoite impiedoso da violência.
Após os preparativos para o auxílio, fomos para a região atingida no intuito de somar esforços no amparo.
Na ala de saída do Hospital, dona Modesta coordenava os preparativos na escolha daqueles que a acompanhariam ao subsolo do planeta em busca das raízes espirituais daquele drama social.
Assim ela orientava:
- Irmãos, o momento pede atenção redobrada.
Pelas informações obtidas, as criaturas residentes nos porões da semi-civilização encontram-se em completa agitação e descontrole.
Iremos às furnas localizadas nos profundos abismos espirituais na região astral correspondente ao Oriente Médio, nas quais se situam os núcleos de poder que mantiveram o controle nesse país, durante décadas, por meio da ditadura do interesse pessoal.
Cornelius, o organizador das equipes de amparo aos abismos no Hospital Esperança, ponderou:
- Teremos necessidade de um grupo com activo poder de concentração e desejo de ser útil.
- Sem dúvida, Cornelius.
Qualquer distracção, além de não cooperar, poderá nos trazer maior soma de desafios - expressou dona Modesta.
- Sugiro, dona Modesta, que convoque os padres e os monges que colaboram nas alas restritas das incubadoras nas enfermarias.
Eles não guardam preconceitos no coração e são muito desenvolvidos no controle mental.
Mesmo vinculados a diferentes segmentos religiosos, colocam suas necessidades de servir com incondicional amor acima de títulos transitórios.
Todas as medidas foram tomadas, e os grupos destinados aos serviços daquela hora foram e regressaram com êxito pleno na tarefa.
Colaborando com as referidas iniciativas, embora não tenha participado daquela excursão de amparo, mantinha-me atento e com enorme desejo de aprender.
Assim que possível, encontrando dona Modesta disponível após o socorro, expus minhas questões sobre o ocorrido.
Ela, como sempre, atenciosa e humilde, ouvia-me com desvelado carinho.
- A senhora deve saber que tenho um baú de indagações sobre a tarefa realizada no Oriente Médio!
- Espero que não desencarne com tantas perguntas!
- Creio que já não corro tanto esse risco - ambos demos boas risadas.
- Exponha suas lucubrações, amigo querido.
- Desde que iniciei os cursos sobre mediunidade aqui no Hospital, minhas dúvidas sobre o tema se ampliaram.
Actualmente, como a senhora sabe, estamos prestes a estudar o capítulo das obsessões, sob orientação de Cornelius.
O que mais me intrigou nos preparativos da actividade realizada foi o facto de terem sido escolhidos monges e padres para tão exigente auxílio.
Por que não foram escolhidos espíritas para esse tipo de socorro?
- Você não é o primeiro a levantar tal dúvida.
- Por várias vezes, fui procurado por irmãos de ideal, aqui no Hospital, que me causaram profundo desagrado com tais assuntos, fazendo referências descaridosas.
- Quais assuntos?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 30, 2018 8:07 pm

- Amigos espíritas de alguns sectores acham a direcção do Hospital demasiadamente contemporizadora.
Alguns chegaram a falar em preferências.
- Preferências?
- Acreditam que os directores têm certa preferência por membros de outros credos religiosos.
- Por quê?
- Muitos reclamam que sacerdotes católicos ocupam funções de responsabilidade mesmo sem conhecerem o Espiritismo.
Outros são contra a capela que foi erguida no Hospital.
- E você concorda com eles?
- Não se trata de concordar.
Fico em busca de uma opinião própria, mas confesso minha incapacidade de discernir sobre o assunto.
Creio que meus longos anos fora do corpo físico ainda não foram suficientes para destruir totalmente a muralha mental de preconceitos que eu mesmo ergui acerca do mundo espiritual.
- José Mario, você já observou que temos alguns colaboradores espíritas ocupando largas responsabilidades entre as equipes de amparo?
- Sim. Todavia, quando se trata dos ambientes mais enfermiços da erraticidade, como a semi-civilização observo que raramente espíritas acompanham a expedição de socorro.
Não seria de esperar que, devido ao nosso conhecimento das regiões do plano espiritual, fôssemos mais bem aproveitados em iniciativas desse porte?
- É um facto!
Seria desejável que assim o fosse.
Contudo, não basta conhecimento para tal acção.
- Então existe mesmo uma preferência?
- Existem critérios de trabalho, caro irmão.
Tais critérios, porém, não comportam rótulos transitórios.
Optamos por aqueles que demonstram maior capacidade de amar indistintamente.
Quem ama procura servir primeiro e indagar depois.
Como você mesmo assinalou, muitos amigos queridos da Doutrina Espírita, inúmeras vezes, consomem-se no plano físico com questões de somenos importância, consolidando em desfavor de si mesmos uma sólida crosta mental de preconceitos. Embalados pela velha ilusão de superioridade religiosa, entregaram-se ao sono da distracção em reconhecer que somente a acção no amor liberta, enquanto o saber, por si só, não distingue espiritualmente a ninguém, caso não constitua ferramenta para sulcar e plantar nos recantos profundos do coração.
- Mas temos aqui tantos companheiros valorosos!
Não poderiam integrar a actividade?
Que tipo de problemas poderiam acarretar ao labor?
- Os irmãos de ideal espírita na vida física, com raríssimas e heróicas excepções, permitiram-se entorpecer com o incenso da vaidade.
Assim como ocorre à maioria de nós, acreditam-se detentores de vastas noções sobre o mundo espiritual em razão da cultura doutrinária obtida nos livros e na prática mediúnica.
Quando desencarnam, esperam encontrar aqui o mundo espiritual que plasmaram em seu arquivo mental de concepções.
Entretanto, como você mesmo teve sua experiência pessoal, o que se sabe na vida física sobre o que ocorre por aqui está muito distante das verdades cristalinas que todos vamos enfrentar mais dia, menos dia.
Não é demais afirmar que cada qual terá seu plano espiritual pessoal, enquanto multidões de adeptos no plano físico generalizaram uma noção reducionista de vida extrafísica.
Alguns companheiros de ideal, ainda despreparados para tal realidade, quando regressaram de tais incursões tiveram legítimas crises de descrença e destempero emocional ante o que presenciaram.
Julgaram-nos por demais rígidos, incisivos e descaridosos nas medidas tomadas em favor daqueles que se guiam pelas veredas da maldade calculada.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 30, 2018 8:07 pm

Outros, na ingenuidade de suas intenções, expuseram-se acreditando na força do amor que supunham possuir, e acabaram sendo feridos gravemente ou envenenados por armas de avançada tecnologia utilizadas nessas regiões, sendo internados em lastimáveis condições perispirituais exigindo cirurgias emergenciais sem as quais poderiam deparar com a "segunda morte".
O mais comum, no entanto, é o desequilíbrio psíquico que toma conta da vida mental de quem adentra esses locais que, sem dúvida nenhuma, é o inferno pintado por Dante Alighieri.
Estar no inferno, José Mario, significa pressionar intensamente os domínios da sombra inconsciente que reside em nós mesmos para o reino do consciente.
Ninguém, nesses ambientes, precisa dizer sequer uma palavra para expurgar das profundezas do in consciente a matéria mental de nossas doenças mais desconhecidas.
Significa pressão de fora que expulsa nossos próprios demónios interiores.
Somente a couraça do amor vivido e sentido tem a capacidade de nos permitir transitar nas regiões da sombra e da morte sem que nos contaminemos pelas semelhanças de tais locais, que se encontram dentro dos arquivos de nosso passado delituoso e infeliz.
Se irmãos queridos não são capazes de suportar a capela erguida pelas próprias mãos de Eurípedes Barsanulfo com intuito terapêutico e cultural, que dirão ao contemplarem as acções e medidas tomadas por nós quando em contacto com as esferas mais violentas do planeta?
- Ainda me impressiono, sobretudo comigo mesmo, em saber estas coisas.
Enquadro-me perfeitamente em suas colocações.
Fui doutrinador por longos anos.
Muito embora, quando na carne, não houve em minha vida afectiva um espaço para admitir essa realidade.
- E você ainda não visitou essas paragens, veja só!
Perceberá que é muito diferente de ir ao umbral ou às regiões mais próximas da esfera na qual nos movimentamos.
- Cada dia que passa, compreendo melhor a importância dos cursos oferecidos no Hospital com fins de conscientização.
Tudo o que a senhora acaba de narrar é constatado nas próprias salas de ensino.
Temos presenciado alguns incidentes lamentáveis nos grupos de estudo.
- Eu sei, José Mario. Eu sei!
- Recentemente, quando foram mostradas fotos do Vale do Poder e uma filmagem de assistência a um dragão, as mais vastas conjecturas foram levantadas.
Houve mesmo quem falasse em montagem gráfica para nos assustar, e ainda saiu da sala alegando que pediria uma transferência de local.
E quando fomos analisar propostas sobre como auxiliar, todos nós, os presentes na aula, mencionamos velhas técnicas de doutrinação verbal que agora percebo serem completamente inaplicáveis a este género de tarefa.
- Lembra a assertiva de Jesus, narrada em Marcos, capítulo 9, versículo 29:
"Esta casta não pode sair com coisa alguma, a não ser com oração e jejum"?
Para cada necessidade, uma técnica adequada.
Não podemos cuidar de irmãos cujo carácter tenha como núcleo a perversidade declarada da mesma forma que tratamos almas arrependidas ou desorientadas.
- Às vezes, tenho a sensação de que muito pouco me valeram tantos anos de Espiritismo!
- Engano seu, amigo querido!
Não fossem seus longos anos de doutrina e tarefas, sequer aceitaria, por aqui, manter-se nas fileiras do Hospital Esperança.
Decerto, como ocorre à maioria da humanidade, procuraria seus afins, Deus sabe onde!
Quando vemos amigos espíritas nesta casa de amor fazendo seus questionamentos, e muitos deles criando problemas quando deveriam ajudar, analisamos tudo isso como um processo muito natural.
Faz parte de um amadurecimento que não sofrerá saltos.
Nesse momento da conversa, chegou o doutor Inácio Ferreira, que entrou na conversa como se lá estivesse desde o início.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 01, 2018 8:20 pm

- Modesta, como de costume, com sua generosidade cristã!
- Por que diz isso, doutor Inácio? - falei meio desconcertado, mas sabendo que ouviria algo inusitado.
- Natural seria, na condição de espíritas, se tivéssemos vivido na conduta o amor que só temos nos lábios.
Em minha opinião, o espírita, quanto mais tempo tem de Espiritismo, mais deveria rever tudo o que sabe e reconstruir sua opinião a cada dia sobre pessoas, acontecimentos e ideias.
- Posso dizer algo com sinceridade, doutor?
- É assim que eu gosto. Fale!
- O senhor parece mesmo não gostar dos espíritas.
- Na verdade, não gosto da situação íntima que me encontro.
- Quer dizer que acha que, ao chegarmos aqui, deveríamos esquecer tudo o que aprendemos com o Espiritismo?
- Ao chegar aqui, não!
Tem muita gente lá na Terra mesmo que está precisando passar uma avaliação em suas longas décadas de doutrina, e começar tudo de novo.
Não se trata de esquecer o que aprendemos.
Isso não é possível.
A questão é recomeçar sempre.
Abrir mão, quantas vezes se fizerem necessárias, de nossas envelhecidas opiniões e ceder lugar ao bom senso, ao que ainda não foi revelado.
Nós adoramos ideias rígidas porque, assim, temos a sensação da verdade absoluta.
Isso é um velho hábito pertinente a almas orgulhosas como nós.
Quanto mais certeza de nossas opiniões, mais nos sentimos seguros.
Uma falsa segurança, diga-se de passagem.
- Sinto-me como se o senhor fizesse um diagnóstico perfeito de minha alma.
- Essa rigidez nos faz pensar que estamos no controle.
Controlar, controlar e controlar!
É o que mais querem criaturas como nós, que ainda se encontram tão vazias por dentro e com um tão dilatado sentimento de inferioridade.
Digamos que precisamos, como espíritas, "passar uma borracha" naquilo que aprendemos e reescrever, tempo após tempo, os nossos conceitos e a nossa visão.
- Inácio! Inácio!
Você assusta o nosso amigo! - colocou dona Modesta com doçura.
- Não, dona Modesta, deixe-o falar!
O jeito do doutor me ajuda a rever meu próprio orgulho.
Dói nos ouvidos, mas fortalece meu coração.
Só queria saber se "passar a borracha" não seria desperdiçar?
- Foi uma metáfora que usei.
Até porque não há como jogar fora ou desmanchar nada do que foi grafado na vida mental.
Acho mesmo que, se houvesse uma forma de operar o cérebro e tirar de lá tudo o que aprendemos sobre vida espiritual, seria o ideal - demos risadas prazerosas com a ideia do doutor, que foi expressa com bom humor.
E ele continuou.
- Todavia, não existe tal cirurgia, então a questão é aplicar a palavra da hora: reciclar, repensar, reavaliar sempre.
Isso exige coragem e humildade para aceitar nossas ilusões morais e intelectuais.
- Quando ouço essas considerações, tenho um ímpeto de escrever ao mundo físico para ajudar outros a começarem esse exercício de rever conceitos.
Será pretensão minha, dona Modesta, sendo que eu mesmo ainda não me habituei a rever minhas próprias ideias?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 01, 2018 8:22 pm

- De forma alguma, José Mario.
Mais do que nunca se torna necessário enviar esse alerta ao mundo físico.
Inácio está desenvolvendo, actualmente, uma oportuna experiência psicográfica a esse respeito.
Ele pode lhe oferecer muitas orientações.
- Eu tenho notícias da tarefa referida.
- A boa vontade em servir e o coração aberto ao aprendizado permitem ao medianeiro do qual me sirvo uma filtragem em nível satisfatório.
Todavia, adoraria poder dizer muito mais.
Contento-me em saber que, pelo menos, há alguém interessado em criticar o que envio à esfera dos homens.
- Há um preparo para essa actividade?
- Tanto de minha parte quanto da do médium existe estudo, preparação íntima e disciplina.
- Os livros estão sendo bem aceitos?
- Pela maioria, sim.
Quem tem uma "boa borracha" os lê com abertura mental.
Existe, também, uma dose de resistência, mas ainda bem que a diversidade está ganhando terreno entre os espíritas, graças a Deus!
- Qual é a resistência?
- Os pontos de vista inflexíveis de alguns intelectuais da doutrina, que tem dificuldade de aceitar e fazem campanha contra tudo o que é novo e sai da esfera de seus próprios conhecimentos, ou não nasce das mãos dos médiuns que eles acreditam que são os únicos com autoridade para representar o Espiritismo e a verdade.
- Eles pertencem a alguma organização em particular?
- Não se trata de organização, e sim de um perfil cultural com um modo próprio de pensar.
Estão em todas as organizações da doutrina.
São trabalhadores cujo intelecto é tomado pela soberba, o coração pelo preconceito e as atitudes pela maledicência envernizada.
- Meu Jesus! Doutor!
E o que eles pensam ou dizem?
- Que são um perigo para a doutrina as novas revelações.
Se ficassem nisso, seria aceitável, pois todos têm direito a uma opinião.
Nada contra viverem de acordo com o que acreditam.
Mas alguns atacam as obras sem as ler, porque alguém disse que elas não são boas.
Outros vão além e caluniam a vida do médium, falando do que não sabem e sem os conhecerem.
E existem outros ainda, que chegam a expor publicamente seu ponto de vista para multidões por meio de relatos nos quais escrevem artigos recheados de críticas e censuras.
- Que lamentável!
- Não há nada de lamentável, José Mario!
Tanto barulho só se justifica porque o que tenho dito deve ter algum valor, do contrário seria esquecido rapidamente.
- Apesar de suas observações, gostaria de lhe propor uma indagação.
- Faça-a.
- Se eu estivesse no plano físico, também teria alguma dificuldade em acreditar em alguns assuntos com quais tenho aqui me deparado, especialmente os que constituem novidades nunca ditas em nenhuma obra mediúnica.
Não é aceitável que muitas pessoas não absorvam tantas noções de uma só vez?
- Mas eu não estou me referindo a isso, meu amigo.
Se as pessoas não têm entendimento para absorver uma ideia, é justo que a recusem, mas sem advogar que são mentiras.
Concorda?
- Sim, doutor!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 01, 2018 8:23 pm

- Refiro-me àqueles que, no fundo, estão com intenções separatistas e anti fraternais.
Como já disse, todos têm direito a ter ou a não ter uma opinião formada.
Não compreender é tolerável nesse caso.
Entretanto, é injustificável a atitude descaridosa de repúdio por orgulho ou inveja.
- É, doutor! Parece que continua viva aquela assertiva de Jesus no Evangelho de Marcos, capítulo 9, versículo 34:
Mas eles calaram-se; porque pelo caminho tinham disputado entre si qual era o maior".
- Infelizmente, José Mario, continuamos disputando quem é o maior.
- Que pena! Se o senhor, que adquiriu mais condições que eu, não consegue convencer, que dirá eu, se algum dia quiser enviar algo ao plano físico!
- Convencer a quem?
- Os espíritas.
- Os espíritas já estão muito convencidos... falou com deboche.
- E quais são as perspectivas dos seus livros?
- Mario, se eu escrevesse com o intuito de ser bem-aceito ou de convencer, jamais pegaria uma pena ou procuraria um médium.
O mérito da escrita mediúnica está em fazer pensar, criar o debate franco, a réplica sincera, a discussão sadia.
Veja as obras de Chico Xavier, quantas polémicas geraram e geram no mundo físico!
Quando a obra Nosso Lar, de André Luiz, foi lançada, eu mesmo fui-lhe um crítico severo.
Não compreendendo certas ideias, passei a pesquisar, mas nunca ataquei o médium.
A Verdade, para nós, é como uma luz cristalina e ofuscante.
É difícil mirar uma luz que ofusca quando estamos tão habituados à noite escura das concepções egoísticas.
- O senhor acha, então, que vale a pena escrever ao mundo físico sobre os assuntos que aqui temos presenciado?
- Se for com muita despretensão e para dizer o que outros ainda não disseram, acredito ser de imenso valor.
Que fique claro um aspecto: terá de garimpar um médium para o mister.
- Alguém especial?
- Longe disso!
Basta um médium que adore uma "borracha"!
Mais uma vez, doutor Inácio arrancou-nos boas risadas com suas palavras.
E ainda emendou dona Modesta, provocando novos risos e retomando a conversa:
- Uma grande "borracha"!
- Vocês dizem uma grande verdade!
Quando no corpo físico, formei uma visão espírita que supunha completa.
É como se ao ler as maravilhosas obras mediúnicas estivesse aprendendo tudo, completamente tudo, sobre vida espiritual. Que ilusão!
- As obras literárias no plano físico são mesmo maravilhosas, José Mario.
Que bênção o trabalho de Kardec, de Chico e dos médiuns que se entregaram ao exercício do amor.
A questão é o que fizemos daquilo que com elas aprendemos - asseverou dona Modesta.
Em Mateus, capítulo 17, versículo 9, lemos:
"E, descendo eles do monte, Jesus lhes ordenou, dizendo:
A ninguém conteis a visão, até que o Filho do homem seja ressuscitado dentre os mortos".
Jesus orientou que a confidência acerca de assuntos sagrados teria um momento oportuno.
Ele assevera: "até que", deixando entrever que haveria a hora de contar o que os apóstolos presenciaram no monte Tabor.
Tivéssemos um pouco mais de humildade e carinho uns com os outros, e as novas notícias enviadas ao mundo físico seriam mais bem entendidas e aproveitadas.
- Chegaria a existir um descrédito aos livros que o senhor está escrevendo, doutor? - indaguei com curiosidade, pois o assunto mexeu com meu raciocínio.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 01, 2018 8:23 pm

- Responda você, Modesta, pois sou muito suspeito para continuar dando resposta acerca do que eu mesmo faço.
Eis algo que não agrada a mim - expressou doutor Inácio, meio alterado.
- Não só descrédito, José Mario - respondeu dona Modesta.
Há também o nocivo hábito de depreciar sem conhecer.
Quando Chico Xavier começou a escrever mediunicamente, sofreu até agressões físicas, de encarnados e desencarnados.
A luz da verdade que brotou por suas mãos inspiradas foi por demais ofuscante.
Inicialmente, os religiosos foram seus oponentes directos.
Depois, por vários motivos, alguns espíritas, até os últimos dias de vida física do médium, foram seus juízes mais ferrenhos, quando não assumiam a condição de bajuladores interesseiros.
O movimento espírita, com tudo o que já se publicou sobre a vida de Chico, longe está de saber detalhes dessas lutas.
Melhor assim!
O mérito dele é maior porque amou.
Sempre que acendemos uma luz em um mundo de tantas trevas e sombras, isso incomoda.
A luz nos faz enxergar quem somos.
Assim, será preferível ao nosso egoísmo permanecer na penumbra, onde nada queremos enxergar.
Ficamos, então como a maioria, com uma religião na cabeça e os olhos vendados para olhar o que se passa no coração.
Jesus veio ao mundo, pregou e viveu o amor, e com isso incomodou e incomoda até hoje nossas sombras internas.
Na tentativa de fugir de nós próprios, O colocamos em uma cruz.
Todavia, ninguém pode apagar e destruir a luz da Verdade, ainda que liquidemos com seus instrumentos.
No movimento espírita encontram-se obras de raro valor informativo sobre a nossa pátria de origem e os fundamentos da lei natural e divina.
Actualmente, quando alguma entidade espiritual consegue produzir algo de valor, como já fizeram muitas, são ferrenhamente criticadas e desmerecidas em razão dessa visão engessada de mundo espiritual.
Outros autores espirituais começam a trazer seus escritos, e uma larga reacção anti fraternal lhes é imputada.
O que está por trás dessas reacções?
O que escrevem não serve?
Está mal escrito?
Ou será um atentado ao nosso preconceito?
No fundo, independentemente das possibilidades técnicas do médium ou de seu êxito na tarefa de transmitir conteúdos, há uma enorme resistência ao novo, ao desconhecido, redundando em declarada rejeição contra os novos médiuns da doutrina que vieram após Chico Xavier.
Eis uma ideia que interessa sobremaneira a quem não deseja o progresso.
Existem arquitectos sombrios deste lado da vida inspirando atitudes agressivas contra os novos tarefeiros.
- Preconceito, quem diria!
Preciso pensar sobre esse tema.
- O preconceito não tem a ver apenas com entendimento.
O comportamento preconceituoso, sobretudo, guarda relação com o interesse pessoal ferido.
Muitos dos livros dos novos médiuns trouxeram notícias que fizeram rasgos terapêuticos nas mais variadas ilusões de muitos adeptos da doutrina, que consolidaram em seu entendimento pessoal uma visão limitada e rígida do Espiritismo.
Isso incomoda profundamente quem esperava facilidades após a morte por conta do montante de serviços prestados no bem ou em razão da experiência doutrinária e conhecimento adquiridos.
- Compreendi - falei consternado.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 01, 2018 8:23 pm

E doutor Inácio retomou o diálogo:
- O mundo espiritual para muitos espíritas é muito catolicizado.
É uma "caderneta de poupança" da qual pretendem obter créditos após a morte.
Uma noção baseada na velha religião acrescida de alguns informes novos.
O ataque que se infringe às novas produções mediúnicas é uma prova do quanto os assuntos psicografados necessitam de uma meditação mais aprofundada.
Ainda que essas produções mereçam ajustes, ninguém, à luz da sanidade cristã, deveria lhes atirar as pedradas do egoísmo enfermiço.
Se não aceitam as obras, o que lhes é um direito, não deveriam atacá-las e muito menos aos médiuns.
- Será que, ao fazer isso, não se preocupam em defender a doutrina?
- É a principal justificativa destes trabalhadores.
Entretanto, ao atacarem com maledicência, mentiras e desrespeito, a esses médiuns não estão, eles também, ferindo a própria doutrina que dizem defender?
Ferindo com maus exemplos.
Para defender a doutrina atacam o próximo.
Um contra-senso.
- Sim, é sensata a argumentação.
E o senhor acha que os novos médiuns estão sendo felizes na filtragem das ideias?
- Fazem o que podem com o que têm e o que são.
O maior mérito deles talvez não seja um alto nível de fidelidade, mas sim a persistência em produzir, sem preocupação em oferecer perfeição e a coragem de trabalhar em meio a perseguições tão injustas.
Em tese, os assuntos psicografados, mesmo acrescidos da percentagem anímica que lhes é própria, reflectem a realidade da vida espiritual ainda ignorada até mesmo pelos espíritas.
- Então a parte anímica...
E o doutor nem me deixou terminar a fala e completou:
- A parte anímica não altera o resultado final que almejamos.
Isso não incomoda nem um pouco a nós, que temos autoria dos textos.
Até porque possuímos uma visão muito futurista de todo esse trabalho dos novos médiuns, não é Modesta? - indagou doutor Inácio, chamando dona Modesta à conversa novamente.
- É isso mesmo, Inácio.
Excepto Chico Xavier, que foi o exemplo do médium pronto para o serviço que lhe competia, os demais médiuns da seara, uns com mais bagagem, outros com menos, estão treinando para retornarem com expressões mais vastas da faculdade na próxima reencarnação.
- Treinando?
- Veja você quantas reproduções temos hoje da obra de Chico!
A originalidade, depois dele, foi mínima.
- A senhora confirma, então, que muitos livros mediúnicos são uma repetição do que Chico escreveu?
- Certamente. E nisso não reside problema algum.
É mais que esperado que seja desta forma a construção de uma mentalidade comunitária em torno de ideias renovadoras para a ampliação do entendimento humano.
- Por que Chico foi tão original e os outros médiuns não o são?
- Chico foi um missionário, meu filho.
A missão de Chico transcende.
Digamos claramente que ele "veio pronto".
- Poderia me clarear esta expressão, dona Modesta?
- Chico se desenvolveu nos séculos, tanto na arte de amar quanto em sua capacidade sensitiva.
Já há centenas de anos, suas reencarnações são classificadas como reencarnações de completistas nas quais são designadas tarefas específicas para aprendizado do Espírito, visando a uma missão no futuro.
- Poderíamos, então, afirmar que os demais médiuns não são missionários?
- São missionários da caridade e do bem.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 01, 2018 8:24 pm

Chico, entretanto, foi o missionário do amor vivido.
Foi médium sem precedentes, mas, muito além, foi o homem cristão que colocou em seu coração a lição do Evangelho aplicado.
A grande maioria dos médiuns da seara espírita, credores de nosso apreço e carinho, foi artífice de tragédias morais recentes até o fim da Idade Média, iniciando seu processo de arrependimento e reparação há bem pouco tempo.
Em sua generalidade, encontram-se em preparação, visando a compromissos maiores no futuro.
Uns mais maduros, outros menos.
Uns mais voltados à sua própria melhoria, outros com mais largo poder de renúncia nos empreendimentos sociais.
Todos, no entanto, trabalhando por sua redenção consciencial.
Com erros e acertos pertinentes à caminhada, todos estão fazendo o melhor que podem, nutridos por intenções sinceras de acertar e progredir.
Graças a isso, todos eles, apesar da crítica anti fraternal de irmãos encarnados, são credores de nosso incondicional apoio.
- Que diferencial básico traz para a mediunidade o facto de Chico ter se preparado durante várias existências corporais?
- Ele conquistou o que a maioria de nós ainda não conseguiu:
viver em paz interior, uma quietude mental que lhe permite reflectir as esferas mais elevadas da vida.
Somente um Espírito nessa condição poderia fazer-se um referencial de avanço evolutivo para um conjunto de ideias tão essenciais ao bem humano quanto o Espiritismo.
Já a grande maioria dos médiuns de boa vontade e que ergueram obras de amor no campo social, mesmo constituindo exemplos de grandeza moral e renúncia, ainda peregrina entre a acção construtiva no bem e os dramas de suas próprias consciências.
O que fazem aos outros, ainda o fazem motivados pela necessidade pessoal de equilíbrio e remissão ante o passado assombroso.
E, nessa estrada promissora de trabalho e ascensão, vão aprendendo o amor, que no futuro lhes será a motivação maior nas realizações que haverão de assumir.
Chico transcendeu, porque amou incondicionalmente durante todo o seu Messianato.
Ele, na verdade, renasceu por amor e por amor viveu.
Foi um espelho translúcido para reflectir a Verdade.
A moral dentro de sua alma é uma construção de raro valor, pronta a abrigar as mais elevadas concepções de libertação consciencial.
- Quando a senhora diz que Chico foi o missionário da doutrina, não haveria um desvalor a todos os que servem e trabalham pelo Espiritismo?
- De modo algum, meu irmão!
Uma simples frase pronunciada em nome do Espiritismo constitui uma missão gloriosa em favor da implantação do bem.
Chico, muito além disso, deu sua vida pela doutrina.
Exaltá-lo, de maneira alguma deve significar desvalorizar os servidores da mediunidade.
Quem queira, de alguma forma, diminuir a grandeza de seu mediunato ou de sua personalidade impoluta, certamente está em desarmonia consigo mesmo.
Aliás, no que tange aos novos médiuns, Chico nunca disse um "não" para nenhum médium.
Seguiu a conduta de Jesus, incentivando a todos, e em todos encontrou uma forma de destacar a luz pertinente a cada pessoa.
Portanto, nós outros, médiuns em crescimento paulatino, tenhamos a humildade de reconhecer nossas possibilidades e honremos a faculdade a nós emprestada com honestidade, simplicidade, gratidão e renúncia.
Preparemo-nos com desvelo, porque entramos no milénio da mediunidade.
Cada dia mais precisaremos de instrumentos conscientes da importância dessa tarefa de levar o mundo espiritual para mais perto da vida social e, igualmente, conduzir a vida humana no rumo do progresso espiritual.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 01, 2018 8:24 pm

Não existem trabalhos maiores ou menores.
Existem trabalhos possíveis.
Não existem trabalhadores maiores ou menores.
Existem tarefas específicas a nós entregues conforme nossa disponibilidade e habilidade.
Não é a tarefa que distingue o trabalhador, mas aquilo que faz dela, já dizia Emmanuel.
Nesse sentido, Chico se fez distinto. Sublimou.
Todos os médiuns são portadores de missão, poucos, porém, são aqueles que se fazem missionários.
Chico foi apóstolo.
Nós outros estamos nos esforçando para consolidar a posição de discípulos.
- Haverá um substituto de Chico Xavier, dona Modesta?
- Depois do exemplo de Chico, quem ainda quiser abraçar as ilusões de grandeza e colocar-se na posição de substituto, apenas alimentará uma cadeia de ideias que não fazem parte da obra do Cristo.
Na gleba de Jesus não existem substitutos, e sim continuadores.
O próprio Chico foi um continuador de Kardec
- E sob o aspecto da qualidade mediúnica, como situar a mediunidade de Chico?
- Como única.
A natureza técnica da mediunidade de Chico permitiu uma variação de estilos com uma fidelidade ímpar, ainda não constatada em nenhum outro médium da doutrina.
Sua inter-relação com o mundo espiritual oferecia um resultado à prova das mais severas investigações.
Isso só é possível com sucessivas experiências de exercício nos domínios das reencarnações.
Nada é improviso ou privilégio em assuntos de mediunidade.
Tudo obedece à lei da ordem e da sequência.
É nesse passo que haveremos de ter muito esclarecimento e compreensão com os médiuns da seara.
Preparam-se por décadas visando ao desenvolvimento das qualidades morais e mentais.
E há quem queira ser Chico Xavier da noite para o dia, alegando que já se encontra na prática mediúnica há muitos anos.
Faltam bom senso e informação.
Sob o aspecto técnico, não teremos na Terra, tão cedo, um médium como Chico.
Datas, nomes e detalhes eram revelados por sua mediunidade, e, mesmo os casos que pareciam duvidosos, o tempo se encarregou de elucidar.
Ele voltava ao passado e penetrava o futuro com a mesma desenvoltura.
Não contou em seus livros um milésimo daquilo que sabia e experimentava em suas incursões no mundo dos espíritos.
Ele não contava, mas teve contactos directos com Jesus durante sua trajectória de vida.
Auxiliou Ministros do Mais Alto nos destinos do planeta em decisões cruciais dos últimos cinquenta anos do século XX.
Se contássemos aqui as informações registadas a seu respeito nas esferas espirituais, o mundo físico, incluindo os espíritas, certamente tombaria no descrédito.
Há de se ter muito bom senso e compreensão com os médiuns que vieram após Chico Xavier, pois lhes está sendo imputada uma responsabilidade de produção mediúnica que longe estão de alcançar.
Formou-se uma cultura, nos ambientes doutrinários, de autenticidade mediúnica a toda prova, como se os médiuns tivessem a obrigação de ser qualificados com possibilidades mentais que ainda não desenvolveram.
Quando O Livro dos Médiuns assevera, no item 226, que a mediunidade não guarda relação com o desenvolvimento moral, não podemos daí deduzir que a mediunidade com Jesus possa despontar em médiuns que apenas apresentam um largo poder sensitivo.
O fenómeno é possível por qualquer médium, incluindo provas de veracidade informativa.
Entretanto, quantos médiuns conhecemos nessa condição que permaneceram fiéis por dez, vinte, cinquenta, setenta anos na sua missão?
Faltaram-lhes, além de poder mental, qualidades morais eternas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 01, 2018 8:24 pm

O próprio mentor de Chico asseverou:
Determinados médiuns, com tarefa especializada, podem ser auxiliares preciosos à identificação pessoal, seja no fenómeno literário, nas equações da ciência ou satisfazendo a certos requisitos da investigação; todavia, essa não é a regra geral, salientando-se que as entidades espirituais, muitas vezes, não encontram senão um material deficiente que as obriga tão-só ao indispensável, no que se refere à comunicação".
A maioria dos novos médiuns da doutrina está bem nessa condição do material deficiente, oferecendo qualidades morais desejáveis para o indispensável.
- Meu Deus!
- O que foi, José Mario?
- Fico pensando como seria escrever, um dia, ao mundo físico sobre este assunto.
Haveria tanta resistência!
Não acredito que acharia um médium que estivesse disposto a enveredar por este conjunto de reflexões.
Seria considerado heresia ou mistificação.
- Em seu lugar, não pensaria assim.
Alguns de nós, aqui no Hospital, temos chances melhores que as de nossos irmãos encarnados.
Temos informações sobre as reencarnações dos médiuns proeminentes da seara espírita da actualidade e até de outros inseridos em correntes espiritualistas.
Não há dúvida nenhuma sobre essas reflexões.
Quem não as aceitar, terá de esperar a morte para rever suas opiniões e conhecer detalhes dos desafios espirituais dos trabalhadores da mediunidade.
Somente então conhecerão a sementeira dos corações que hoje se devotam na condição de instrumentos inter-mundos.
Nosso compromisso, José Mario, deve ser com a Verdade, e não com gostos ou entendimentos pessoais de uns ou outros.
Se tomarmos conhecimento de algo que reflecte a verdade em favor de quem vem na retaguarda, é nosso dever divulgar.
Além do que, independentemente disso, está reservado a todos o direito de aceitar ou não uma ideia.
Faz parte da caminhada.
Assim como a cada um está reservado o direito de se expressar no que acredita.
Inaceitável é o clima anti fraternal, especialmente em ambientes cuja proposta é ampliar o exercício do amor e da espiritualização do ser.
- Decerto, se me manifestar com essas ideias, dirão que sou chiquista.
- Que importa! O silêncio neste tema é muito mais nocivo que quaisquer rótulos que nos enderecem.
O Cristo foi tachado de louco pela humanidade.
Que nos resta, então?
Se disserem apenas isso de você, estará de bom tamanho.
Ser chiquista isto é, seguir as ideias e o exemplo de Chico Xavier, é algo elogiável.
- A senhora estaria me encorajando a escrever sobre o tema?
- Convocando ficaria mais apropriado dizer.
- Existe uma razão específica para tratar deste tema?
- Além de trabalhar pela Verdade, compete-nos deixar claro ao mundo físico que é tarefa de todos nós resguardar o património mediúnico e moral que Chico nos legou.
Os adversários do bem e da doutrina querem fazer com que se esqueça essa obra de amor o quanto antes.
- Chico Xavier poderá ser esquecido assim em tão pouco tempo?
- Chico Xavier, como pessoa e mito social, será lembrado nos séculos e séculos.
Não se trata do homem, mas da obra, do exemplo, da postura cristã e da essência que ele pregou e viveu.
- Como isso pode acontecer, dona Modesta?
- Distraindo quem se vê atraído pela proposta do Espiritismo para conteúdos dissociados da proposta moral do Evangelho.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 01, 2018 8:24 pm

Observe, José Mario, em quão pouco tempo esquecemos os exemplos e a profundidade dos ensinos de Jesus.
Depois de Sua partida para a imortalidade, criamos ritos, cerimónias e fugas de diversas naturezas em relação à Sua proposta de transformação e erguimento consciencial.
Da mesma forma, será muito viável o nascimento de uma vertente de estudos e pesquisas na área das curiosidades metafísicas em contraposição ao Espiritismo, cujo fim maior é a nossa melhoria.
- Que assuntos metafísicos?
- Qualquer um que envolva algo além da matéria.
Por exemplo, mediunidade.
- A senhora poderia me dar um exemplo concreto?
- Pode-se escrever um livro inteiro sobre mediunidade, fazer uma palestra sobre o tema e divagar naquilo que impressiona, que seja inovador, que causa impacto.
Ao findar de tudo, caso não haja o cuidado de desenvolver valores morais, poderemos peregrinar pelo fantasioso, o místico e, ainda que obtenhamos valor informativo e cultural, continuaremos escassos de bases sólidas para erguer, na intimidade de nós mesmos, a obra inadiável de nossa própria libertação.
- Isso já é um facto concreto em termos de movimento espírita?
- Já encontramos esse caminho sendo incentivado aqui e acolá por médiuns, palestrantes, escritores, instituições e todos os que comunicam ideias espíritas.
Discussões estéreis assanham ânimos e exaltam pensadores e filosofias.
- Mas será mesmo possível, usando o exemplo dado pela senhora, que alguém aborde o assunto da mediunidade somente com aspectos metafísicos e sem implicações morais?
- A tendência humana é esta, José Mario.
- Por quê?
- Porque é muito difícil nos inserirmos dentro dos temas que dizem respeito à doutrina.
Contextualizar nosso íntimo nos temas espíritas é algo que raramente acontece.
Quando utilizamos o pronome "nós", ao dizermos que somos isso ou aquilo, quase sempre o fazemos por pura didáctica cultural de nossos ambientes, costume de espíritas.
Poucos se incluem com consciência no que divulgam, a ponto de sensibilizar os que os ouvem acerca da autenticidade das palavras que escrevem ou exprimem Destacamos, costumeiramente, nossa condição evolutiva, colocando-nos com intensas limitações espirituais, no entanto, nem sempre nos sentimos assim.
Ao contrário, nosso sentimento diariamente é ludibriado pelas ilusões que carregamos sobre supostas conquistas pessoais no reino do Espírito, quando, em verdade, ainda não são realidades de nossa caminhada.
Conhecemos muito para fora de nós, e no que diz respeito ao mundo íntimo demonstramos quase total desconhecimento.
É muito fácil e agradável tocar nos temas espíritas sem neles nos colocar.
Imagine um círculo como sendo o Espiritismo e seu conjunto de ensinos.
Agora imagine outro círculo tangenciando-lhe a margem como sendo o Espiritualismo.
Outro criando uma intersecção entre o círculo do Espiritismo e do Espiritualismo, e um quarto completamente distante e sem contacto algum.
Esses três círculos são as ideias chamadas de espiritualismo, isto é, as que tratam de uma realidade além da matéria.
Temos, porém, pontos de contacto entre Espiritismo e diversas crenças e pensamentos.
Algumas chegam mesmo a essa intersecção harmónica com as ideias fundamentais da doutrina.
Algumas ideias, também voltadas para o estudo da alma, entretanto, são demais fantasiosas e até nocivas ao bem-estar humano e estão totalmente contrárias à proposta cristã espírita.
Esse é o quarto círculo.
Chico conseguiu manter-se nessa essência.
Trouxe novidades, ampliou horizontes, mapeou a vida espiritual, abordou o metafísico, colocando como núcleo de toda sua obra o nosso aprimoramento, a mensagem moral do Evangelho.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 01, 2018 8:24 pm

Enquanto se debate, no movimento espírita, se uma obra é ou não espírita pelo facto de apresentar novidades e assuntos ainda não examinados, devemos focar sempre em analisar seu carácter educativo espiritual.
Voltando ao assunto acerca das obras que Inácio tem levado ao mundo físico por meio da psicografia, é preciso assinalar que boa parcela das resistências encontradas se deve a isso.
No bojo dos livros dos novos médiuns espíritas encontram-se legítimos chamados morais que incomodam, principalmente, aqueles que não estão se contextualizando no conhecimento que amealharam ao longo de décadas.
Querem diminuir a luz que vem do outro, supondo que a sua é maior. Lamentável, mas é verdade!
- A senhora estaria, com isso, querendo afirmar que as obras de doutor Inácio estariam recriando o cenário do que ocorreu com as obras de Chico?
- Nem de longe!
Chico foi de uma filtragem incomparável.
Inácio e os médiuns que com ele sintonizam fazem o melhor que podem.
Tivéssemos instrumentos com mais nobres condições e faríamos algo melhor.
Algumas considerações podem ser feitas sobre a roupagem anímica que os médiuns têm usado.
Teríamos sugestões sobre a forma, todavia, os resultados são animadores.
Quanto às ideias, nossa avaliação é muito positiva sobre o que se tem obtido.
Ouvindo tudo em absoluto silêncio até então, o próprio doutor Inácio, que não perdia tempo para fazer uma brincadeira, se auto-denominou:
- Sou um destruidor de ilusões!
Na minha terra, o apelido para isso é "chato de galocha".
- Trabalho árduo, doutor!
Não sei se daria conta, embora tenha enorme disposição em ser útil.
Só de pensar em achar um instrumento disposto, já me embaraço.
- Não creio que isso seja impossível - asseverou dona Modesta, me infundindo confiança.
- Será mesmo?
A senhora sabe que estou participando das equipes de preparo para o serviço emergencial nos Centros Espíritas.
Tenho vislumbrado o lado da seara espírita que não conheci quando na vida física.
Fica clara a escassez de possibilidades na transmissão de conteúdos mediúnicos.
Ora a descrença, ora a imaturidade.
As possibilidades apresentadas são raras.
E quando surge alguém, logo é tomado pelo desânimo em face dos sacrifícios da tarefa.
De minha parte, não vejo a hora de fazer as visitações locais para aferir as informações aqui recebidas.
- Prossigamos, José Mario, fazendo o melhor ao nosso alcance.
- Continuo minha preparação, dona Modesta.
Que mais me resta senão trabalhar e esperar com confiança na divina providência?
Quando estiver pronto para o trabalho, tenho certeza de que a vida me enviará o chamado.
Amanhã mesmo inicio um novo ciclo no curso de mediunidade.
Vamos entrar no capítulo da obsessão.
- E você já sabe quem vai ministrá-lo?
- Ainda não.
- Pois terá uma grata alegria!
Escalei Cornelius para a tarefa.
- Que boa notícia!
Muitas vezes tive a intenção de abordá-lo durante os preparativos para as tarefas no plano físico, mas sua ocupação não me permitiu.
- Terá tempo suficiente.
Cornelius me informou que, após o ciclo de estudos sobre a obsessão, você iniciará as visitas aos núcleos espíritas na esfera física.
- Que boa notícia!
Sei que já lhe tomei muito tempo, dona Modesta, mas posso lhe fazer apenas mais uma pergunta sobre o Chico, e já entrando no assunto de meu futuro curso?
- Claro!
- Chico sofreu obsessões?
- Durante toda sua vida.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 02, 2018 8:11 pm

Capítulo 02 - Observações de Calderaro sobre a obsessão
"E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, respondeu-lhes, e disse:
O reino de Deus não vem com aparência exterior"
- Lucas, 17:20.

Após as reflexões sempre intrigantes de dona Modesta, fui buscar o repouso.
Caminhei das alas do subsolo até as dependências nas quais me abrigava naquela casa de amor.
No caminho, parei no portal do mirante, de onde se podia ver a cidade de Uberaba.
Olhava as luzes fortes das avenidas e pensava nas surpresas que a morte descerra.
Senti uma enorme gratidão pela bênção de estar sendo orientado e amparado nas minhas necessidades espirituais.
Em prece, pedi por todos na vida física, especialmente pela família consanguínea, que naquele momento atravessava provações de largo porte.
Fui tomado por um clima de fé inquebrantável que fortaleceu a certeza de que a nenhum de nós falta o suprimento da amantíssima misericórdia do Pai.
Nesse clima de confiança e disposição para continuar a caminhada, retornei aos meus aposentos para o refazimento necessário.
Logo pela manhã, acordei rico de esperanças ao tocar de Clair De Lune, do inspirado Claude Debussy.
A música ambiente despertava-nos às seis horas da manhã.
Em regime de disciplina intensiva, nossos cursos e tarefas começavam às sete horas pontualmente.
Estava muito motivado com a ocasião.
Havíamos terminado um módulo sobre pontos fundamentais da prática mediúnica, e nosso ciclo seria agora sobre a obsessão.
O grupo se constituía de vinte e cinco integrantes.
Alguns de nós tínhamos experiência com a direcção de práticas mediúnicas, outros eram médiuns, e dois ou três apenas se interessavam pelo assunto.
Todos peregrinamos pela sementeira de luz da mediunidade quando no corpo físico.
Ali, no entanto, éramos alunos em recomeço.
A bagagem de outrora nada mais era que uma base mínima para que dilatássemos a noção da Verdade.
Ainda assim, pesavam as velhas tendências de impetuosidade e inadequação.
O curso, que já durava duas semanas, foi atingido na última reunião por um clima de instabilidade.
Alguns integrantes demonstravam insatisfação com as abordagens.
As perguntas que levei à dona Modesta, no dia anterior, decorriam dos questionamentos ora surgidos no curso.
Vários companheiros sentiam-se inadequados.
Alguns chegaram mesmo a solicitar, nos departamentos administrativos do Hospital, a transferência para outro local que tivesse mais afinidade com suas ideias e interesses.
Minutos antes do início do encontro, os amigos que fizeram a referida solicitação comentavam nos corredores a resposta que haviam recebido, por meio de uma breve declaração escrita e assinada pelos responsáveis da tarefa, resumida na seguinte fala:
"Caros irmãos, a morte é um relógio perfeito que chega na hora marcada e um correio infalível que nos conduz ao destino exacto.
Morremos quando precisamos e vamos para onde necessitamos ou fizemos por merecer.
Continuem estudando e trabalhando.
O tempo tem respostas para todas as nossas aflições".
Diversos amigos mostravam-se mais incomodados ainda naquele dia.
Não esperavam tão rápida resposta e, muito menos, com tal clareza.
Os ânimos exaltados criaram novamente um clima estranho e desagradável.
Procuravam envolver outros participantes naquelas queixas quando, para meu alívio, Cornelius entrou pela porta e cumprimentou-nos bem-humorado.
O alívio, porém, durou pouco.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 02, 2018 8:12 pm

Marcondes, à queima-roupa, foi categórico:
- Nada de bom dia!
Nós queremos um esclarecimento sobre esta declaração ofensiva - falou balançando ao alto a folha em suas mãos.
Cornelius manteve-se sereno.
Nem sequer pôde se apresentar ao grupo.
Nem todos o conheciam.
E, emitindo reconfortante vibração, falou com firmeza:
- Meu caro Marcondes, estou a par do andamento desta classe pelas anotações nos diários e por informações a mim passadas.
- Então o que me diz sobre esta declaração desrespeitosa?
- Por que se sente agredido, quando ela pronuncia uma verdade incontestável?
E Marcondes, buscando fortalecer sua tese, dirigiu-se a todos de braços abertos e de pé, procurando ser influente e destacado:
- Vocês concordam, meus amigos?
Então é isso que a morte nos reserva depois de tantos anos dedicados à causa?
Vamos falar o que pensamos!
Somente assim poderemos mudar o rumo das coisas.
- Marcondes - intercedeu Cornelius - o momento não é apropriado para este fim.
Vamos seguir nosso compromisso e, após nosso encontro, tomaremos as providências necessárias para o melhor encaminhamento do assunto.
- De forma alguma!
Eu me sinto... - parou com olhar para cima, como se seleccionasse a palavra que desejava.
Eu me sinto ludibriado.
Aliás, há mais gente nesta sala que se sente da mesma forma.
- Ludibriado?
- Claro que sim!
Acreditamos piamente que estamos sendo vítimas de uma mistificação colectiva aqui neste Hospital.
- Vítimas de quê, meu irmão?
- Da mentira!
Da clonagem perispiritual! - falou com irritação.
Não podemos sair daqui.
Notícias nos são negadas acerca das tarefas em nossas instituições espíritas e também sobre a família.
Por que uns podem receber notícias e nós não?
Será mesmo verdade a notícia trazida para os outros, ou isso é apenas para dominar ainda mais os incautos?
Será que vocês são mesmo quem dizem ser?
Ou será que aqui, no plano espiritual, a política do domínio subtil e ardiloso continua explorando os mais despreparados?
Temos receio de estar em uma falsa colónia.
Não acreditamos que os métodos de vocês provenham de espíritos elevados.
Queremos participar das decisões e não nos deixam.
Será que estamos tão mal quanto dizem?
Eu, por exemplo, há um bom tempo venho guardando isto e retirou do bolso várias pílulas.
Não as tomo mais, pois já não acredito que sejam para o meu bem.
Para pessoas que tinham posição e respeito nas instituições espíritas, isto aqui está muito aquém.
Eu e mais alguns companheiros não queremos mais aceitar ordens sem clareza e confirmação.
Por que vir para um curso como este depois de quase meia década de vivência mediúnica?
Somos tratados aqui como se de nada tivesse valido nossa caminhada na vida física!
Passamos duas semanas debatendo o tema mediunidade como se tivéssemos de jogar fora tudo o que aprendemos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 02, 2018 8:12 pm

As expressões que mais ouvimos nos últimos dias foram:
"ampliar horizontes", "rever conceitos".
Queremos trabalhar, ir aos abismos conhecer de perto muitos dos que foram ajudados por nós nas reuniões mediúnicas, e qual a resposta?
"Vocês, na hora certa, farão excursões de amparo" expressou com deboche.
Na medida em que falava, Marcondes demonstrava um dilatado senso de lucidez para expor seus pontos, mas ficava clara sua alteração emocional, a caminho de uma perturbação.
Irónico e alternando sua posição diante do grupo, continuava:
- Sentimos uma sensação de tédio nesta casa, de uns tempos para cá.
Estamos tomados pela dúvida e queremos novos caminhos. Conhecer outros lugares no mundo espiritual.
Há um choque muito grande entre nossas aspirações e a orientação desta casa.
Entramos com um pedido para pesquisarem outros ambientes para nosso crescimento.
Já nos sentimos fortes o bastante para ficar apenas estudando, estudando...
Para quem dirigia instituições respeitáveis no mundo físico, isso é pouco!
- Caro irmão, serei sincero acerca de seu pedido, tanto quanto exige o momento - respondeu Cornelius, com docilidade e firmeza.
Você diagnosticou com precisão o que sentem.
Tédio é uma palavra apropriada para o caso de almas que se sentem vazias de realizações libertadoras e infelizes consigo mesmas.
- Então concorda comigo?
- E por que não?
Não lhes foram oferecidos pequenos serviços e vocês os recusaram conscientemente solicitando mais prazo?
- Se assim o fizemos, foi porque não os achávamos adequados às nossas possibilidades.
- Temos muito zelo em acompanhar suas fichas pessoais.
No fundo, este tédio decorre de uma situação peculiar a quantos fizeram a passagem, de um para outro mundo, repletos de expectativas baseadas em estados emocionais de ilusão de grandeza.
Todavia, nem sempre tais anseios correspondem à realidade que espera cada um de nós após a morte.
Na raiz do tédio estão o apego e a saudade, a fantasia e a mágoa.
- Apego e saudade?!
- Passamos todos por isso, Marcondes, após o desenlace.
- Não morremos ontem.
Alguns de nós, está aqui há mais de um ano.
- Há quem está aqui há anos e sofre deste mal.
- Essa não, meu amigo!
Vai agora querer dizer que estamos à beira da loucura?
Será que tem mais um diagnóstico para nossas dificuldades?
Então, companheiros, vejam só! - falou contagiando o grupo, como fosse um líder político em campanha.
Nossa aspiração de crescer agora se chama saudade e apego!
- Saudade de mandar, Marcondes.
Apego a vantagens.
- O senhor fique sabendo que somente na casa que dirigi havia mais de mil pessoas por semana.
São mais de quarenta anos dedicados à causa. Sem essa!
Já ouvi isso demais por aqui!
Se necessário for, eu pego minhas coisas hoje mesmo e ultrapasso aqueles portões do Hospital, sem pedir autorização a ninguém.
Prefiro acreditar no que está do lado de lá a ter de continuar ouvindo as mesmas alegações.
- Pare de mentir a si mesmo, irmão querido.
Quem pode negar sua ansiedade em regressar ao comando?
Não permitiremos que venha a cair novamente nas mãos de assaltantes que aguardam ansiosos, além dos muros, quantos se desesperam ante a paciência pedida pela vida.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 02, 2018 8:12 pm

- Então terão de me segurar à força.
- Se for preciso, Marcondes, o faremos.
Não podemos, para o seu bem, permitir sua insanidade no comando novamente.
- Insanidade?! Ouviram isso?!
Falam aqui em comando.
Comando? Então, querer saber como vão os nossos na Terra é querer mandar?
Querer ajudar as instituições que erguemos com suor e renúncia é apego?
Não foi isso o que aprendi sobre a morte nos livros doutrinários.
De jeito nenhum!
Todos os livros falavam em continuidade.
E será isso a continuidade, amigos?
Cortados abruptamente do convívio nos locais onde tivemos nossas maiores vitórias!
- De que vitórias você fala, Marcondes?
- A generosidade de vocês esconde algo ruim.
Será que em nossas fichas secretas - ironizou -, que até agora nem pudemos consultar, nada é registrado de bom?
É o que me faz pensar que há uma estratégia de domínio por trás de tudo isso.
Vocês ouviram, amigos? - falou dirigindo-se ao grupo novamente.
Veio da boca deste homem que se diz instrutor que, se necessário, vão me conter fisicamente, caso eu queira fugir.
Uma lição a vida me ensinou:
onde surge a palavra força existem opressão e maldade.
Que acham agora?
Não há algo muito estranho?
- Será para seu próprio bem, Marcondes! - interveio Cornelius, com humildade e ternura.
- Meu bem? E quem vocês acham que são para determinar o que é o bem para mim?
Essa generosidade de vocês me espanta!
- Nossa generosidade não pode ser conivente, caro amigo.
- No corpo físico, eu tinha o reconhecimento dos homens.
Era respeitado no movimento espírita e...
Quando Marcondes se preparava para continuar, Cornelius interrompeu com mais determinação sua fala.
- Na Terra, muitos são bajulados com títulos e adjectivos, honras e créditos que jamais fizeram por merecer.
Com facilidade, graças ao nosso egoísmo, esquecemos a bondade celeste e o amparo ante nossos desvios enfermiços.
Que credencial de autoridade acrescenta uma casa com mil pessoas ou mais?
Significa um número ou representa mais oportunidade de servir?
Em mil pessoas enxergamos uma multidão que reverencia nossa suposta grandeza ou o ensejo bendito de confortar e esclarecer?
Que credenciais de paz nos conferem quase meio século de serviço no bem quando nos achamos há milénios nas furnas do interesse pessoal declarado e consciente?
Serão mesmo décadas dedicadas à causa da doutrina ou à nossa?
Servimos à obra do Cristo ou ao espaço pessoal de destaque e personalismo?
Que respeito e reconhecimento são esses que os homens na matéria nos emprestam, caro irmão?
De que nos valem aqui no mundo das realidades eternas?
Acaso se esqueceu do que já passou aqui mesmo no Hospital, Marcondes?
A cirurgia? O encontro com Eulália?
Suas dores que foram amenizadas.
Acaso terá esquecido o carinho com que foi tratado?
- Quanto terei de pagar por isso?
Tem alguma moeda no Hospital para que eu possa ressarci-los?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 02, 2018 8:12 pm

Diga e eu pagarei.
Só não aceito que sejam donos do meu futuro.
Donos do meu destino.
Já me encontrava bastante alterado com tudo o que estava acontecendo, mas, ao ouvir Marcondes pronunciar-se daquela forma, senti-me muito ofendido com a injustiça que ele acabara de cometer.
Meus olhos marejaram e deixei cair uma lágrima de piedade aos tutores amoráveis do Hospital Esperança, que nunca nos pediram nada em troca do carinho e do desvelo com que nos orientavam e socorriam.
Até mesmo os outros companheiros que, a princípio, externaram suas queixas, recuaram ao perceber que havia algo muito grave na atitude de nosso irmão.
- Seu estado se agrava, Marcondes!
Permitindo-se penetrar nesse estado emocional de alucinação, irá ao encontro de seu próprio cativeiro.
Você não está tomando suas medicações, e isso é grave em seu momento de recuperação.
- Cansaram-se de mim? Então me transfiram.
É tudo o que quero.
Não aceito mais ficar dentro destas grades.
Se não o fizerem, eu mesmo o faço.
Não acredito mais na palavra de ninguém aqui dentro Para mim, é tudo mentira, mentira e mentira.
Se não me levarem hoje mesmo às furnas do mal, ao centro que dirigi e aos meus familiares, prometo fugir desta casa sem enganar a ninguém.
Saio pelo portal por onde entrei.
- Amigo, neste estado de espírito, não queira saber o que te aguarda além do portal.
- Passa a ser um problema meu!
- Ainda não, Marcondes.
Por enquanto, você ainda é responsabilidade nossa.
- Então não tenho alternativa...
Marcondes se retirou imediatamente da sala de estudos.
Era visível seu estado de alteração.
Cambaleava e estava lívido como um boneco de cera.
Cornelius chamou, ligeiramente, um assistente que presenciou o facto e lhe solicitou que tomasse providências de auxílio.
Um ambiente espiritual pesado instalou-se na sala.
Os companheiros que apoiavam a tese de Marcondes mostravam-se confusos e envergonhados.
Nosso orientador, então, diante daquele quadro, propôs a oração e, com humildade, rogou a Jesus para que todos fôssemos alvo da Sua extensa misericórdia.
Após a prece, fomos acrescidos de recursos novos e instantaneamente a aula recomeçou.
- Amigos! Prossigamos!
Na hora aprazada, comentaremos o episódio ocorrido.
Estejamos certos de que nossos assistentes tomarão as providências justas e necessárias ao bem de nosso irmão.
Meu nome é Cornelius.
Sou tarefeiro nas câmaras do subsolo desta casa.
Encontram-se sob minha responsabilidade as equipes de serviço às regiões da semi-civilização.
Por solicitação de dona Modesta, foi-me pedido tratar do módulo sobre a obsessão.
Procurarei ser prático no tema.
Nosso objectivo básico é ter alguns fundamentos para o diálogo. Nada mais.
Comecemos conceituando o assunto de conformidade com O Livro dos Médiuns, capítulo 23, item 237:
Obsessão: "(...) isto é, o domínio que alguns Espíritos logram adquirir sobre certas pessoas.
Nunca é praticada senão pelos Espíritos inferiores, que procuram dominar.
Os bons Espíritos nenhum constrangimento infligem.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quem Perdoa Liberta - José Mario / Vanderley Pereira

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 6 1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum