ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Página 1 de 4 1, 2, 3, 4  Seguinte

Ir em baixo

ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 30, 2018 8:18 pm

ESCUTANDO SENTIMENTOS
WANDERLEY S. DE OLIVEIRA

Pelo Espírito ERMANCE DUFAUX

Que eu faça um mendigo sentar-se à minha mesa, que eu perdoe aquele que me ofende e me esforce por amar, inclusive o meu inimigo, em nome de Cristo, tudo isto, naturalmente, não deixa de ser uma grande virtude.
O que eu faço ao menor dos meus irmãos é ao próprio Cristo que faço.
Mas o que acontecerá, se descubro, porventura, que o menor, o mais miserável de todos, o mais pobre dos mendigos, o mais insolente dos meus caluniadores, o meu inimigo, reside dentro de mim, sou eu mesmo, e precisa da esmola da minha bondade, e que eu mesmo sou o inimigo que é necessário amar?"

Carl Gustave Jung
The Collected Works of CG Jung - volume XI, par. 520

"Pugnemos por essa linha transformadora.
Cérebro instruído, coração sensibilizado, mãos operosas e grupos afectivos.
Resumamos assim nossa alocução:
homens educados na mensagem de Jesus, instituições inspiradas na "Casa do Caminho".
Contra isso não há egoísmo que persista!!!"

Eurípedes Barsanufo/Opúsculo Atitude de Amor - Editora Dufaux

Oração pelo Amor
Senhor,
Estamos exaustos pelos descaminhos por que optamos.
Escolhemos o desamor e tombamos na decepção e na revolta.
Assegura-nos rumos novos.
Ante o convite da ilusão, fortifica-nos para fugirmos dos atalhos e aderirmos à Verdade.
Falta-nos força e coragem para amar como deveríamos.
Por isso Te rogamos que supra nossas inibições.
Encoraja-nos a zelar com carinho por aqueles que deliberadamente não nos querem bem.
Amplia-nos o discernimento no uso do equilíbrio com quantos fortalecem com amor Tua participação em nossos passos.
Jesus, ensina-nos o amor para que vivamos no coração os sublimes sentimentos que há muito louvamos na palavra e esquecemos ou não sabemos como aplicar.
Permita-nos aprender a gostar da vida e amar a nós mesmos, enaltecendo o mundo com a cooperação na Obra Excelsa do Pai e celebrando a dádiva da vida em nossos caminhos de cada dia.
Pela súplica sincera que brota de nossa alma nesta hora, de nós receba, hoje e sempre, a gratidão de quantos Te devem tanto por receber mais que merecemos do Teu inesgotável amor.
Obrigada, Senhor!


Ermance Dufaux
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 30, 2018 8:18 pm

ÍNDICE
Prefácio
Introdução


01 - Individuação ou individualismo?
02 - Receituário oportuno
03 - Educação para o Auto-Amor
04 - Infortúnio oculto nos grupos doutrinários
05 - Estufas psíquicas da depressão
06 - Identidade cósmica
07 - Carta de misericórdia
08 - Estudando a Arrogância I
09 - Estudando a arrogância II
10 - Sombra amigável
11 - Uma leitura para o coração
12 - Santidade dos médiuns
13 - Nossa maior defesa
14 - Cisão de Reino I
15 - Cisão de Reino II
16 - Meditação: Cuidando da criança interior
17 - Pedagogia da Felicidade
18 - Sentimento e obsessão
19 - Que sentimos sobre nós?
20 - A palestra de Calderaro

Epílogo
Programa de Bezerra de Menezes pelos valores humanos no Centro Espírita
Sumário

Prefácio
Escutando a alma - Ermance Dufaux
Na acústica da alma existem mensagens sobre o "Plano do Criador" para nosso destino.
Aprender a ouvi-las é exercitar, diariamente, a plena atenção aos ditames libertadores dos sentimentos.
Interferências internas e externas subtraem-nos, constantemente, a apreensão desses "recados do coração".

Apresentação - Jaider Rodrigues de Paula
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 30, 2018 8:18 pm

Introdução
A Rota dos Filhos Pródigos - Calderaro
Nesta hora grave pela qual passa a Terra, um destrutivo sentimento de indignidade aninha-se na vida psicológica dos homens.
Raríssimos corações escapam dos efeitos de semelhante tragédia espiritual, causadora de feridas diversas.
Uma dolorosa sensação de inadequação e desvalor pessoal assoma o campo das emoções com efeitos lastimáveis.

1. Individuação ou Individualismo?
Na individuação o critério certo / errado é substituído pelas perguntas: convém ou não:?
Serve ou não serve?
Questões cujas respostas vêm do coração.
Somente aprendendo a linguagem dos sentimentos poderemos escutar as mensagens da alma destinadas ao acto de individuar-se.

2. Receituário Oportuno
Há muito espírita que faz da actividade doutrinária um "depósito bancário" com intuito de "sacar tudo depois da morte".
Em casos como o de Anselmo, chegam aqui e encontram suas "contas concorrentes" zeradas.
Sendo assim é justo que perguntem sobre a razão, mas não é justo que se queixem de ninguém, a não ser de si mesmos.

3. Educação para o Auto-amor
O auto-amor é um aprendizado de longa duração.
Conectar seu conceito a fórmulas comportamentais para aquisição de felicidade instantânea, é uma atitude própria de quantos se exasperam com a procura do imediatismo.
Amar é uma lição para a eternidade.

4. Infortúnio Oculto nos Grupos Doutrinários
Quem analisa um orador, um médium, um dirigente, um tarefeiro iluminado com as luzes da cultura espírita, enquanto em suas movimentações doutrinárias, não imagina a dor íntima que atinge muitos deles na esfera de suas provas silenciosas no reino do coração.

5. Estufas Psíquicas da Depressão
Devido aos programas colectivos de saneamento psíquico da Terra orientados pelo Mais Alto, vivemos um momento histórico.
Nunca foram alcançados índices tão significativos de resgate e socorro nos atoleiros morais da erraticidade.
Consequentemente, eleva-se o número de corações que regressam ao corpo carnal sob custódia do remorso.

6. Identidade Cósmica
Quem se ama imuniza-se contra as mágoas, guarda serenidade perante acusações, desapega-se da exterioridade como condição para o bem-estar, foca as soluções e valores, cultiva indulgência com o semelhante, tem prazer de viver e colabora espontaneamente com o bem de todos e de tudo.

7. Carta de Misericórdia
Segundo o benfeitor Calderaro, o capítulo dez de O Evangelho Segundo o Espiritismo, Os Que São Misericordiosos, deveria ser um dos textos mais estudados entre nós, os seguidores da Doutrina Espírita.
Os ambientes educativos dos centros espíritas que não cultivarem a misericórdia terão enormes obstáculos com o conflito improdutivo - resultado da maledicência e da hipocrisia, da severidade e da intolerância.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 30, 2018 8:19 pm

8. Estudando a Arrogância I
Interessante observar que uma das propriedades psicológicas doentias mais presentes na estrutura rebelde da arrogância é a incapacidade para percebê-la.
O efeito mais habitual de sua acção na mente humana.
Basta destacar que dificilmente aceitamos ser adjectivados de arrogantes.

9. Estudando a Arrogância II
O reflexo mais saliente do ato de arrogar é a disputa pela apropriação da Verdade.
Nossa necessidade compulsiva de estarmos sempre com a razão expressa a acção egoísta pela posse da Verdade, isto é, daquilo que chancelamos como sendo a Verdade.

10. Sombra Amigável
Quando digo "sou minha sombra" não significa que tenha que viver conforme sua orientação.
Apenas admiti-la, entender suas mensagens.
A sombra só é ameaça quando não é reconhecida.
Só pode ser prejudicial quando negligenciamos identificá-la com atenção, respeito e afabilidade.

11. Uma Leitura para o Coração
A Doutrina Espírita é a medicação recuperativa das nossas vidas.
Sua "substância activa" é o Evangelho. Sua "bula" é estritamente individual.
Para cada um haverá uma dosagem e forma de aplicação.

12. Santidade dos Médiuns
Mediunidade é o instrumento da vida para desenvolvimento da santidade.
Santidade é esculpir no coração a sensibilidade elevada.
Sensibilidade é a medicação reparadora para as almas que tombaram na descrença e na apatia perante o mundo, esquecendo-se de cooperar com o Pai na Obra da Criação.

13. Nossa Maior Defesa
A pior defesa da falta de autonomia é medir o valor pessoal pela avaliação que as pessoas fazem de nós.
Por medo de rejeição, em muitas situações, agimos contra os sentimentos apenas para agradar e sentir-se incluído.
Quem se define pelo outro, necessariamente tombará em conflitos e decepções.

14. Cisão de reino I
Estudos Maiores feitos pelos Condutores Planetários denominam essa situação de "regressão ou involução" como cisão de reino, o desejo do Espírito em não assumir sua condição excelsa de homem lúcido e consciente perante o universo.

15. Cisão de reino II
Por essa razão, os trabalhadores do Cristo que conduzem as casas de amor, devem se munir dos recursos do Evangelho no coração, para absorverem a protecção dos Servidores do Bem a que se fazem dignos.
Nem sempre, porém, temos observado esse cuidado.
Os próprios aprendizes trazem em si mesmos, traços similares de tristeza e inconformação, revolta e rebeldia, decorrentes de ciclos emocionais de disputa arrogante e complexa.

16. Meditação: Cuidando da Criança Interior
As crianças são fantásticas nas relações por não nutrirem expectativas na convivência, desobrigando-se de cobranças, ofensas, insatisfações e aborrecimentos.
Aceitar homens como são e respeitar-lhes a caminhada é medida salutar de paz.
Aceitar-se como se é e sem condenações estéreis e críticas impiedosas é a base de uma vida saudável.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 30, 2018 8:19 pm

17. Pedagogia da Felicidade
Uma pedagogia de felicidade deve assentar-se no auto-amor em busca do self reluzente.
Desenvolver as habilidades da "inteligência espiritual" tais como autoconsciência, resiliência, visão holística, alteridade, autoconfiança, curiosidade, criatividade, disciplina no adiamento das gratificações, sensibilidade, compaixão, naturalidade.

18. Sentimento e Obsessão
O conceito de vigilância vai muito além de disciplinar os pensamentos.
É no campo do sentimento que nasce esmagadora maioria das obsessões.
A capacidade de "pensar livre" ou decidir por nós é "quase nula" no concerto universal.
Vivemos em regime de contínuo intercâmbio e interdependência.

19. Que Sentimos Sobre Nós?
O primeiro ato educativo na construção do valor pessoal é diluir a ilusão da inferioridade.
Buscar as raízes do desamor que usamos connosco.
O Criador nos ama como somos.
Temos um nobre significado para Deus.
Somente nós, por enquanto, ainda não descobrimos o valor que possuímos.

20. A Palestra de Calderaro
De onde vim? Para onde vou?
Que faço na Terra?
Que quero da vida?
Que os centros espíritas tomem como meta neste século dos sentimentos o compromisso de auxiliar os seres humanos a investigarem suas reais propostas existenciais, ajudando-os a viver em paz.
Ainda mesmo, e principalmente, se os seus destinos forem alhures às nossas expectativas.

Epílogo - O Que Buscamos na Vida?
Quanto mais consciência de nossas necessidades e valores, mais clareza possuímos diante de nossa intenção básica, aquela que norteia a "rota evolutiva do Ser".
Compreendamos que essa consciência de si não é uma noção racional, mas sentida.
Muita diferença existe entre dizer "sei que preciso" e "sinto que preciso".

Programa de Bezerra de Menezes pelos Valores Humanos no Centro Espírita.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 30, 2018 8:19 pm

Prefácio - Escutando a Alma
"Ouça quem tem ouvidos de ouvir."
O Evangelho Segundo o Espiritismo
- Capítulo XVII - item 5

Os apontamentos aqui organizados constituem indicativas às preces angustiadas de milhões de almas que anseiam a felicidade sem saber como e o que fazer para alcançá-la.
Inúmeras dessas rogativas partem de corações queridos iluminados com o conhecimento espírita.
Aflitos uns, desanimados outros, apesar do clarão do saber doutrinário, sentem-se frustrados ao examinarem sua vida interior.
Tarefas e orientação, prece e esforço, segundo suas súplicas, não têm sido suficientes.
Continuam, dia após dia, carregando o martírio mental sem soluções ou alternativas de sossego e paz interior.
Adentramos o período da maioridade.
O Espiritismo é uma semente viçosa e promissora cultivada com sacrifício e renúncia por lavradores heróicos.
Contudo, de que servirá as sementes se não forem lançadas no terreno fértil?
É sob o Sol escaldante deste momento de transição que nos compete lavrar o chão e dominar o arado para o plantio de um novo tempo na própria intimidade.
O período de maioridade das ideias espíritas será alcançado com a instauração das atitudes de amor em nossas relações.
Para isso, torna-se indispensável aprofundar a sonda da investigação mental no reino subjectivo dos sentimentos.
Quando conseguirmos melhor desenvoltura para mapear nossa vida moral com intenções nobres, renovaremos a conduta manifestando serenidade e autocontrole.
O caminho é universal.
É o mesmo para todos: o bem e o amor.
A forma de caminhar, porém, é essencialmente individual, particular.
A mensagem espírita, em muitas ocasiões, é difundida como ameaça e recebida como tormenta por muitos adeptos.
Ressalta excessivamente as feridas, estipulam rigidez de conduta e excessos normativos.
Urge dar um '"novo sentido" à mensagem consoladora.
A Doutrina Espírita é a Boa Nova dos tempos modernos.
Sua mais nobre característica consoladora somente será comprovada quando seus postulados estiverem a serviço da libertação de consciências, através da responsabilidade e do amor.
Nas preces angustiadas de muitos adeptos, ouvimos as indagações:
"O que me falta fazer para ser feliz?", "Onde estou falhando?", "Será uma obsessão que me persegue?
"Por que me encontro assim?"", "Não deveria estar melhor?", "Como harmonizar padrões doutrinários com sentimentos pessoais?."
E as questões multiplicam ao infinito traduzindo apelos comoventes e dúvidas sinceras.
A pedido de Doutor Bezerra de Menezes - amorável tutor das dores humanas - destinamos ao mundo físico este volume singelo.
Aqui anotamos alguns ensinos inesquecíveis que marcaram a visita de uma semana do instrutor Calderaro ao Hospital Esperança, cuja missão foi a realização de serviços complexos nas mais profundas plagas de sofrimento da erraticidade.
Nossos núcleos de amor cristão e espírita alicerçaram bases seguras para informação doutrinária no século XX.
Compete-nos agora semear o afecto, as propostas renovadoras do coração, o desenvolvimento das habilidades emocionais.
O século XXI é o século do sentimento.
Trabalhar pelo desenvolvimento dos potenciais e das virtudes humanas, esse o objectivo sagrado da mensagem imortalista do Espiritismo no século XXI.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 30, 2018 8:19 pm

Educar para ser, educar para conviver bem consigo, educar para ser feliz, eis os pilares da harmonia interior e da felicidade à luz do Espírito imortal nesse século do coração.
A informação consola e instrui.
A transformação liberta e moraliza.
A informação impulsiona.
A transformação descobre.
Os informados pensam.
Os transformados criam.
A teoria impulsiona a busca de novos valores.
A reeducação dos sentimentos enseja a paz interior.
As directrizes doutrinárias estimulam convenções que servem de limites disciplinadores.
A renovação da sensibilidade conduz-nos ao encontro da singularidade que permite a plenitude íntima.
Inteligência - o instrumento evolutivo para as conquistas de fora.
Sentimento - conquista evolutiva para aquisições íntimas.
Na acústica da alma existem mensagens sobre o Plano do Criador para nosso destino.
Aprender a ouvi-las e exercitar, diariamente, a plena atenção aos ditames libertadores dos sentimentos.
Interferências internas e externas subtraem-nos, constantemente, a apreensão desses "recados do coração".
Escutar os sentimentos não significa adoptá-los prontamente.
Mas aceitá-los em nossa intimidade e criar uma relação amigável com todos eles.
Aceitá-los sem reprimir ou se envergonhar.
Essa atitude é o primeiro passo para um diálogo educativo com nosso mundo íntimo.
Somente assim teremos uma conexão com nossa real identidade psicológica, possibilitando a rica aventura do auto-descobrimento no rumo da singularidade - a identidade cósmica do Espírito.
Escutar os sentimentos é cuidar de si, amar a si mesmo.
É uma mudança de atitude consigo.
O ato de existir ocorre nos sentimentos.
Quem pensa correctamente sobrevive; quem sente nobremente existe.
O pensamento é a janela para a realidade; o sentimento é o ponto de encontro com a Verdade.
É pela nossa forma de sentir a vida que nos tornamos singulares, únicos e celebramos a individualidade.
Quando entramos em sintonia com nossa exclusividade e manifestamos o que somos, a felicidade acontece em nossas vidas.
O sentimento é a maior conquista evolutiva do Espírito.
Aprendendo a escutá-lo, estaremos entendendo melhor a nossa alma.
Não existe um só sentimento que não tenha importância no processo do crescimento pessoal.
Quando digo a mim mesmo "não posso sentir isto", simplesmente estou desprezando a oportunidade de auto-investigação, de saber qual é ou quais são as mensagens profundas da vida mental.
O exercício do auto-amor está em aprender a ouvir a "voz do coração", pois nele residem os ditames para nossa paz e harmonia.
Os sentimentos são guias infalíveis da alma na sua busca de ascensão e liberdade.
O auto-amor consiste na arte de aprender a escutá-los, estudar a linguagem do coração.
Pela linguagem dos sentimentos, entendemos o "apoio" do universo a nosso favor.
Mas como seguir nossos sentimentos com tantas ilusões?
Eis a ingente tarefa de nossos grémios de amor espírita-cristão:
educar para ouvir os nossos sentimentos.
Radiografar nosso coração.
Desenvolver estudos sistematizados de si mesmo.
Temos nos esforçados tanto quanto possível para aplicar as orientações da doutrina com nosso próximo.
Mas... E nós?
Como cuidar de nós próprios?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 30, 2018 8:19 pm

A proposta libertadora de Jesus estabelece:
"amai ao próximo", e acrescenta: "como a ti mesmo".
Os impulsos do self não atendidos, com o tempo, transformam-se em tristeza, angústia, desânimo, mau-humor, depressão, irritação, melindre e insatisfação crónica.
Além dos factores de ordem evolutiva, encontramos gravames sociais para a questão da baixa auto-estima.
As gerações nascidas na segunda metade do século XX atingem o alvorecer do século XXI com "feridas psicológicas" profundas resultantes de uma sociedade repressiva, cujas relações de amor, com raras e heróicas excepções, foram vividas de modo condicional através de exigências.
Para ser amada, a criança teve que atender a estereótipos de conduta.
Um amor compensatório.
Um rigor que afasta o ser humano de sua individualidade soterrando sua vocação, seus instintos, suas habilidades e até mesmo imperfeições.
O pior efeito dessa repressão social é a distância que se criou dos sentimentos.
Essa geração pós-guerra vive na actualidade o conflito decorrente de céleres mudanças na educação e na ciência, que constrange ao gigantesco desafio de responder à intrigante questão: quem sou eu?
Paciência, atenção, perdão, tolerância, não julgamento, caridade e tantos outros ensinos do Evangelho que procuramos na relação com o próximo, devem ser aplicados, igualmente, a nós mesmos.
Então surge a pergunta: Como?
Distante de nós a pretensão de responder.
Nossa proposta consiste em oferecer alguns subsídios para pensarmos juntos sobre essa questão.
Moveu-nos apenas o sentimento de ser útil, compartilhar vivências que suscitam o debate, a reflexão conjunta, a meditação e o estudo em nossos grupos de amor espírita e cristão.
Grupos dispostos a compreender a linguagem emocional sob a óptica da imortalidade.
Temos no Hospital Esperança os grupos de reencontro, que são actividades de psicologia da alma com fins terapêuticos e educacionais - verdadeiras oficinas do sentimento.
No plano físico, actividades similares poderão constituir uma autêntica pedagogia de contextualização para a mensagem de amor contida no Evangelho e na codificação Kardequiana.
Nestas páginas oferecemos alguns enfoques elementares para a composição de grupos de estudos à luz da mensagem renovadora do Espiritismo, cujo objectivo seja discutir o ingente desafio de aprender amar a nós mesmos tanto quanto merecemos, promovendo o desenvolvimento pessoal à luz da imortalidade.
Grupos de reencontro que se estruturem como encantadoras oficinas do coração.
Nossos textos nada possuem de conclusivos.
Ao contrário, são sugestões singelas com intuito de serem debatidos, pesquisados e contestados, visando ampliação do entendimento e uma reformulação de conceitos sob a arte de sentir e viver. Exaramos algumas ideias que nos auxiliam a pensar em nosso bem sem sermos egoístas, conquistarmos a autonomia sem vaidade, galgarmos os degraus do auto-amor sem arrogância.
Fique claro:
auto-amor não é treinar o pensamento para beneficiar a si, mas educar o sentimento para "escutar" Deus em nós.
Descobrir nosso valor pessoal na Obra da Criação.
Tecemos nossas considerações inspiradas em O Evangelho Segundo O Espiritismo.
As palavras imorredouras da Boa Nova constituem o cânone mais completo de psicologia da felicidade para os habitantes do planeta Terra.
Façamos o mergulho interior na fala do Mestre:
"Ouça quem tem ouvidos de ouvir"
Em outra ocasião (...) voltou-se para a multidão, e disse:
quem tocou nas minhas vestes? (Mateus, 9:29).
Escutando e auscultando o coração feminino que lhe procurou rico de sensibilidade e afecto.
Escutemos a alma e suas manifestações no coração!
Celebremos a experiência de amarmo-nos tanto quanto merecemos!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 30, 2018 8:20 pm

O eminente Doutor Carl Gustav Jung asseverou:
"Nenhuma circunstância exterior substitui a experiência interna.
E é só à luz dos acontecimentos internos que entendo a mim mesmo.
São eles que constituem a singularidade de minha vida".
(C. G. Jung, "Entrevista e Encontros"; editora Cultrix).

*1 Self
"É o arquétipo da totalidade, isto é, tendência existente no inconsciente de todo ser humano à busca do máximo de si mesmo e ao encontro com Deus.
É o centro organizador da psique.
É o centro do aparelho psíquico, englobando o consciente e o inconsciente.
Como arquétipo, se apresenta nos sonhos, mitos e contos de fadas como uma personalidade superior, como um rei, um salvador ou um redentor.
É uma dimensão da qual o ego evolui e se constitui.
O Self é o arquétipo central da ordem, de numerosos os símbolos oníricos do Self, a maioria deles aparecendo como figura central no sonho".

(trecho extraído da obra "Mito Pessoal e Destino Humano" do escritor espírita e psicólogo Adenáuer Novaes)

SOMBRA
"É a parte da personalidade que é por nós negada ou desconhecida, cujos conteúdos são incompatíveis com a conduta consciente".
(trecho extraído da obra "Psicologia e Espiritualidade" do escritor espírita e psicólogo Adenáuer Novaes).
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 30, 2018 8:20 pm

APRESENTAÇÃO
"Cada espírito, herdeiro e filho do Pai altíssimo, é um mundo em si com as suas leis e características próprias".
(André Luiz - trecho extraído da obra "Obreiros de Vida Eterna", psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier - editora FEB).

Na grande batalha da vida, cascalhos e pepitas costumam rolarem juntos.
Ao garimpeiro cabe a primazia de saber diferenciá-la, a fim de dar a cada um o seu destino próprio.
Assim também são os nossos sentimentos.
Necessitamos de coragem e "amadurecimento perispiritual" para identificá-los, adquirindo condições de retirá-los da penumbra do psiquismo, e utilizá-los como factor transformador da nossa existência.
É muito difícil conviver com fantasmas acicatando as nossas dificuldades, e depois nos entregarmos ao tribunal da consciência, onde seremos condenados ao menosprezo.
Quem assim vive, jornadeia nos porões da existência, onde apenas pelas frestas da misericórdia do criador, vê réstias de luz.
Como pode o Pai da criação esperar daqueles que assim vivem, colaboração mais efectiva? E estes como sentirem-se herdeiros se vivem na miséria de si mesmos?
Se somos criados à imagem e semelhança de nosso Pai, como conciliar tanta diferença de propósitos?
Ermance nessa obra, com a ajuda de outros mensageiros do mundo maior, vem em nosso socorro, com o intuito de nos orientar, concitando-nos a deixar de sermos os sicários de nós mesmos.
Primeiro, pela didáctica do conhecimento, vamos retirando as escamas dos olhos, que dificultam a enxergar o "grande destino" pelo qual fomos criados.
Após pela busca da expressão do sentir, vamos conscientizando, paulatinamente, deste "grande destino".
A doutrina espírita, bem entendida, é para nós um manancial de informações que nos arregimenta condições para este desiderato.
Louvado seja Deus Nosso Pai por nos oferecer mais essa grande oportunidade, no alvorecer de uma nova era.
Bem-aventurados seremos nós, se soubermos aproveitá-la.

* Jaider Rodrigues de Paula (Médico formado pela Faculdade de Ciências Médicas, Belo Horizonte, MG, com especialização em psiquiatria, homeopatia e Administração Hospitalar.
Sócio Fundador e presidente da Associação Médico-Espírita de Minas Gerais.
Médico assistente do Hospital Espírita André Luiz (BH). Psiquiatra e psicoterapeuta do Instituto de Assistência Psíquica Renascimento (BH).
Expositor espírita, com participação em palestras, seminários e congressos nacionais e internacionais.
Co-autor dos livros: Porque Adoecemos - volume I e II; Desafios em Saúde Mental; Hospital Espírita André Luiz - um lar de Jesus; e Saúde e Espiritismo.)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 31, 2018 9:10 pm

INTRODUÇÃO
A Rota dos Filhos Pródigos
"Vem um dia em que ao culpado, cansado de sofrer, com o orgulho afinal abatido, Deus abre os braços para receber o filho pródigo que se lhe lança aos pés.
As provas rudes, ouvi-me bem, são quase sempre indício de um fim de sofrimento e de um aperfeiçoamento do Espírito, quando aceitas com o pensamento em Deus".

- Santo Agostinho, (Paris, 1862). O Evangelho Segundo o Espiritismo - capítulo XIV - item 9.

Os terapeutas e voluntários dispostos a servirem ao próximo na tarefa de amor e recuperação espiritual não podem dispensar uma análise cuidadosa da passagem evangélica do Filho Pródigo, constante no Evangelho de Lucas, capítulo quinze, versículos onze a trinta e dois.
Essa mensagem evangélica é a história da peregrinação humana ao longo dos evos.
A história de nosso caminhar pela conquista da humanização.
Consideremos o egoísmo como a doença original do Ser.
Ninguém escapou de experimentá-lo na espiral do crescimento.
Até certa etapa, foi impulso para frente.
Depois, quando a racionalidade permitiu a capacidade de escolher, tornou-se a matriz nosológica das dores humanas, transformando-se no hábito doentio de atender aos caprichos pessoais.
A "centralidade" do homem no ego estruturou a arrogância - sentimento de exagerada importância pessoal.
Perdemos o contacto com a fonte inexaurível da vida - o "self Divino" - e passamos a peregrinar sob a escravidão do "eu".
O resultado mais infeliz desse caminhar "apartado de Deus" foi uma terrível sensação de abandono e inferioridade.
O ato de arrogar constituiu, pois, a protecção instintiva da alma contra a sensação de menos valia.
Esse foi seu primeiro passo no processo evolutivo em direcção à ilusão, ou seja, a criação de uma imagem idealizada - um mecanismo de defesa para não desistir -, que fixou a vida mental em noções delirantes sobre si mesma.
Assim nasceram no tempo as "matrizes psíquicas" das mais graves patologias mentais.
Essa auto-imagem é o "delírio-primitivo", um recurso que, paulatinamente, a consciência foi "obrigada" a construir no conjunto das percepções de si mesma para se defender da sensação de indignidade perante a vida.
Nessa óptica podemos pensar em psicopatologias como uma recusa em ser humano, uma desobediência por não querer assumir o que se é na caminhada do progresso.
Tornar-se humano significa assumir sua pequenez no todo universal, ter consciência da cruel sensação de "desconexão" com o Criador e do que realmente representamos no contexto do bailado cósmico.
Mas também significa assumir-se como "Filho de Deus", um Filho Pródigo de heranças excelsas que precisa descobri-las por si próprio e adquirir o título de "Herdeiro em Sua Obra".
Isso exige trabalho, dinamismo, acção e responsabilidade.
Portanto, a velha questão filosófica da realidade é mais velha do que se imagina.
Fragmentação psíquica não se restringe apenas ao resultado de desajustes ou traumas.
Existe um desajuste original, um "gatilho milenar" dos processos psíquicos do Espírito, agravados pelas sistemáticas recusas em admitir a realidade íntima no peregrinar das reencarnações.
Esse mecanismo defensivo primitivo foi trazido para a Terra por almas desobedientes que o consolidaram em outros orbes.
As noções de abandono e castigo trazidas com os deportados incitaram os habitantes singelos da Terra a imitarem as atitudes de rebeldia, orgulho, revolta e desvalor.
Analisar o adoecimento psíquico sem essa anamnese ontológico-espiritual é desconsiderar a causa profunda das enfermidades sob a perspectiva sistémica da evolução.
Algumas patologias constitucionais, endógenas, encontram explicações ricas na compreensão das histórias longínquas da deportação.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 31, 2018 9:10 pm

Isso não é uma hipótese tão distante quanto se imagina, porque os efeitos dessa história milenar são activos e determinantes na actualidade em bilhões de criaturas atormentadas e enfermas.
O "desajuste primário", a dificuldade em aceitar a realidade terrena, é factor patogénico de biliões de almas reencarnadas e de mais um conjunto de bilhões de outras fora do corpo, formando uma "teia vibratória psicótica" no cinturão da psicosfera terrena.
A energia emanada da sensação colectiva de inferioridade é uma força epidémica que puxa o homem para trás e dificulta o avanço dos que anseiam pela ascensão.
O "tamponamento mental" na transmigração inter-mundos foi parcial.
Os "símios psíquicos", quando fora do corpo pelo sono físico, tinham noções claras do sucedido, acendendo o destrutivo pavio da inconformação ao regressarem à carne, dilatando a sensação de prisão, ódio e rebeldia.
O ato de rebelar-se passou a ser uma constante nas comunidades que se formaram.
Estamos falando de um tempo aproximado de trinta a quarenta mil anos passados.
Surgem, nesse contexto emocional e psicológico, entre dez a vinte mil anos atrás, as primeiras manifestações de perfeccionismo - o anseio neurótico de resgate do perfeito dentro da concepção dos "anjos decaídos".
Um litígio que essas almas deportadas assumiram com Deus para provarem a grandeza que supunham possuir.
Quando foi dinamizado o processo distónico? Na Terra?
Fora dela?
Ou teríamos também a hipótese de uma loucura aprendida?
Que casos de patologias se enquadrariam no perfil psíquico dos que habitavam a Terra antes da vinda dos deportados?
Que componentes nas doenças severas nos permitem analisá-las como rebeldia imitada ou rebeldia processual?
Que natureza de obsessão envolve as patologias severas?
Até onde e como a vivência do Espírito errante influencia nesse contexto?
Lançando o olhar para tão longe nas rotas de crescimento humano, fica mais permissível compreender a estreiteza dos conceitos de muitas correntes das ciências psíquicas, que esboçam uma valorosa cartografia da mente, porém, rudimentar, incompleta. Sem o estudo dos ascendentes espirituais, jamais teremos uma análise judiciosa das psicopatologias.
Mormente dos casos raros e desafiantes que têm surgido na transição do planeta, cujo Código Internacional de Doenças é insuficiente para classificar.
Igualmente, é imperioso considerar a relação entre psicopatologia e erraticidade.
Existem ignorados lances de dor e "morte psicológica" que são deflagrados em aglomerações subcrostais ou regiões abissais da Terra onde transita uma semi-civilização de almas.
Autênticos "símios psíquicos".
Em tempo algum, como actualmente, no orbe terreno, tivemos mais que 1/5 (um quinto) de sua população geral em processo de reencarnação.
Reencarnar não é tão fácil quanto possa parecer.
É oportunidade rara e "disputada". Cada história individual requer inúmeros quesitos para ser disponibilizada.
Laços afectivos, urgência das necessidades sociais, natureza dos compromissos com os seres das regiões da maldade.
Os pontos de análise que pesam para a possibilidade de um Espírito reencarnar são muito variados.
Há corações que nesse trajecto de deportação, ou seja, nos últimos quarenta mil anos, estiveram no corpo menos de vinte vezes.
O que significa afirmar que reencarnam aproximadamente de dois em dois mil anos. Outros não reencarnam há mais de dez mil anos.
Portanto, como analisar doenças mentais graves sem considerar que estagiamos na "vida dos Espíritos", pelo menos, dois terços do tempo da evolução, incluindo a emancipação pelos desdobramentos nocturnos?!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 31, 2018 9:10 pm

Como ignorar a decisiva influência das experiências da erraticidade?
Enquanto os homens, à luz do Espiritismo, analisam a raiz de suas lutas íntimas, lançando o olhar para as vidas passadas, urge uma reflexão sobre a influência das experiências do Espírito errante.
Inúmeras almas já "renascem adoecidas", isto é, com os componentes psíquicos enfermiços em efervescência.
Perdem o prazer de viver ou nunca o experimentam em decorrência da força dos laços que ainda mantêm com essas "regiões infernais" da erraticidade.
Assevera O Livro dos Espíritos na questão 975:
"Para o Espírito errante, já não há véus.
Ele se acha como tendo saído de um nevoeiro e vê o que o distancia da felicidade.
Mais sofre então, porque compreende quanto foi culpado.
Não mais ilusões:
vê as coisas na sua realidade."
"Na erraticidade, o Espírito descortina, de um lado, todas as suas existências passadas; de outro, o futuro que lhe está prometido e percebe o que lhe falta para atingi-lo.
É qual viajor que chega ao cume de uma montanha:
vê o que percorreu e o que lhe resta percorrer, a fim de chegar ao fim da sua jornada."
Os profissionais da saúde mental e mesmo quantos sofrem o amargor do adoecimento psíquico necessitam aprofundar a sonda do conhecimento nessas desafiantes questões.
Somente através de "laboratórios de amor" nos serviços de intercâmbios socorristas, realizados distantes de preconceitos e convenções, poderá o médico ou o pesquisador espírita deflagrar um leque imenso de observações e informações para auxiliar a humanidade cansada e oprimida.
Além dos reflexos que conduzem em si mesmos, os doentes mentais cujos quadros exibem componentes dessa natureza ainda sofrem de simbioses intrigantes e desconhecidas até mesmo pelos mais experientes doutrinadores.
A história da evolução da alma na humanidade é assunto de valor na erradicação dos mais variados problemas sociais.
Já não basta mais uma análise perfunctória das lutas humanas.
Imperioso que os corações mais comprometidos com a arte de amar, estando ou não sob a luz da ciência, lancem-se ao mister da "pesquisa fraterna"
e da "investigação educativa", em actividades que transponham os limites institucionais do exercício mediúnico ou de terapias experimentais, no intuito de rasgarem véus.
Uma indagação do codificador na questão 973 de O Livro dos Espíritos merece análise na conclusão de nossos raciocínio:
"Quais os sofrimentos maiores a que os Espíritos maus se vêem sujeitos?"
"Não há descrição possível das torturas morais que constituem a punição de certos crimes.
Mesmo o que as sofre teria dificuldade em vos dar delas uma ideia.
Indubitavelmente, porém, a mais horrível consiste em pensarem que estão condenados sem remissão."
É por conta desse sentimento de condenação, incrustado no psiquismo desde tempos imemoriais, que a criatura, em tese, não consegue ou desconhece o prazer de viver, a saúde.
Possivelmente, a esmagadora maioria da população terrena, por essa razão, esteja situada psicologicamente na passagem do Filho Pródigo exactamente no versículo dezanove que diz:
"Já não sou digno de ser chamado teu filho; faz-me como um dos teus jornaleiros".
A rota evolutiva dos Filhos Pródigos - que somos todos nós - é um percurso d esbanjamento psíquico através da atitude arrogante.
Tal acção não poderia ser correspondida com outra sensação senão de vazio interior, cansaço de si e desvalimento, que são os elementos emocionais estruturadores da depressão - doença da alma ou estado afectivo de penúria e insatisfação.
A terminologia contemporânea que melhor define esse "caos sentimental" é a baixa auto-estima, quadro psicológico que nos enseja ampliar ostensivamente os limites conceituais dos episódios depressivos, sob enfoque do Espírito imortal.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 31, 2018 9:10 pm

Nesta hora grave pela qual passa a Terra, um destrutivo sentimento de indignidade aninha-se na vida psicológica dos homens.
Raríssimos corações escapam dos efeitos de semelhante tragédia espiritual, causadora de feridas diversas.
Uma dolorosa sensação de inadequação e desvalor pessoal assoma o campo das emoções com efeitos lastimáveis.
Abandono, carência, solidão, sensação de fracasso e diversos tormentos da mente agrupam-se na construção de complexos psíquicos de desamor e adversidade consigo próprio.
Salienta Santo Agostinho:
Vem um dia em que ao culpado, cansado de sofrer, com o orgulho afinal abatido, Deus abre os braços para receber o filho pródigo que se lhe lança aos pés.
Imprescindível atestar que nossa trajectória eivada de quedas e erros não retirou de nenhum de nós a excelsa condição de Filhos de Deus.
A Celeste Bondade do Mais Alto, mesmo ciente de nossas mazelas, conferiu-nos a bênção da reencarnação com enobrecedores propósitos de aquisição da Luz.
É a Lei do Amor, mola propulsora do progresso e das conquistas evolutivas.
A Misericórdia, todavia, não é conivente.
Espera-nos no cadinho educativo do serviço paciente do burilamento íntimo.
Contra os anelos de ascensão, encontramos em nossa intimidade os frutos amargos da semeadura inconsequente.
São forças vivas e renitentes a vencer.
Sem dúvida, a ignorância cultural é causa de misérias sociais incontáveis, entretanto, a ignorância moral, aquela que mata ideais e aprisiona o homem em si mesma, é a maior fonte de padecimentos da humanidade terrena.
O amor assim mesmo ainda é uma lição a aprender. Uma longa e paciente lição!
Quantas reencarnações neste momento têm por objectivo precípuo restabelecer o desejo de viver e recuperar a alegria de sentir-se em paz!
Como operar semelhante transformação sem a aplicação da caridade consigo mesmo?
Criados para o amor, nosso destino glorioso e a integração com a energia da vida e com a liberdade em seu sentido de plenitude e paz interior.
Ninguém ficará fora desse Fatalismo Divino.
Distantes do amor a si, ficaremos à mercê das provações sem recursos para sustentar na vida interior os valores latentes que nos conduzirão à missão individual estabelecida pelo Pai em nosso favor.
O auto-amor é base para uma vida em sintonia com a mensagem do Evangelho do Cristo.
Sua proposta, aliás, é que nos amemos tanto quanto ao nosso próximo.
Descobrir nosso valor pessoal na Obra da Criação é assumirmo-nos como somos.
Sois Deuses, (João, 10:34) eis a mensagem de inclusão e o convite para uma participação mais consciente e responsável no destino de cada um de nós.
Inspirada em O Evangelho Segundo o Espiritismo, Ermance Dufaux garimpa pérolas de raro valor com as quais, abnegadamente, oferece-nos esta preciosa jóia literária para a alma.
Suas reflexões constituem o antídoto para a velha doença da qual buscamos nos desenvencilhar:
o egoísmo e suas múltiplas manifestações doentias.
Felicita-nos avalizá-la, sob a égide do Espírito Verdade, para que destine aos homens na Terra uma mensagem de paz interior no resgate da nossa condição excelsa de Filhos Pródigos e Homens de Bem.

Calderaro, Hospital Esperança, Março de 2005. 2
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 31, 2018 9:11 pm

CAPÍTULO 01 - INDIVIDUAÇÃO OU INDIVIDUALISMO?
"Apenas, Deus, em sua misericórdia infinita, vos pôs no fundo do coração uma sentinela vigilante, que se chama consciência.
Escutai-a, que somente bons conselhos ela vos dará."

O Evangelho Segundo o Espiritismo - capítulo XIII - item 10

O que é certo e errado perante a "crise das certezas" que dominam a humanidade?
Quais são as bússolas para nortear a conduta neste cenário de transformações céleres por que passam as sociedades?
A palavra conceito quer dizer ideia que temos de algo ou alguém.
Analisamos a vida e os fatos pela óptica individual de nossas conceituações.
Nosso entendimento não ultrapassa esse limite.
Alguns desses conceitos resultam da vivência.
Foram estruturados pelo uso de todos nossos sentidos, adquirindo significados.
Chamamo-los experiência.
Outros são fruto da capacidade de pensar e adquirir conhecimento.
Determinam os pensamentos predominantes na vida mental.
Quando criamos fixação emocional a esse padrão do pensar, nasce o preconceito.
A experiência leva ao discernimento.
O discernimento é a porta para a compreensão.
A compreensão identifica a Verdade.
O preconceito conduz ao julgamento.
O julgamento sustenta os rótulos.
Os rótulos distanciam da realidade.
A atitude construtiva na Obra da Criação depende da habilidade de relativizar.
Até mesmo a experiência, por mais preciosa, necessita ser continuamente repensada, evitando a estagnação em clichés.
A vida é regida pela Suprema Lei da Impermanência.
Certo e errado são critérios sociais mutáveis sob a perspectiva sistémica.
Apesar disso, são referências úteis à maioria dos habitantes da Terra.
Funcionam como "estacas disciplinadoras".
Porém, em certa etapa do amadurecimento espiritual, constituem amarras psicológicas na descoberta da realidade pessoal, cuja riqueza está nos significados únicos construídos a partir dos ditames conscienciais.
O Doutor Carl Gustave Jung chamou de individuação o processo paulatino de expressar nossa singularidade, isto é, a "Marca de Deus" em nós; o ato de talhar a individualidade, aquele ser distinto e único que está latente dentro de nós.
Na individuação o critério certo /errado é substituído por algumas perguntas: convém ou não?
Quero ou não quero?
Serve ou não serve?
Necessito ou não necessito?
Questões cujas respostas vêm do coração.
Somente aprendendo a linguagem dos sentimentos poderemos escutar as mensagens da alma destinadas ao acto de individuar-se.
E sentimento é valor moral aferível exclusivamente por nós mesmos no átrio sagrado da intimidade consciencial.
Somos aquilo que sentimos.
As máscaras não destroem essa realidade.
Quando aprendemos o auto-amor, abandonamos o "crítico interno" que existe em nós e passamos a exercer a generosidade do auto-perdão, ou seja, a aceitação incondicional da criatura ainda imperfeita que somos.
Nossa integração com a Verdade depende do conhecimento dessa realidade particular: escutar a alma!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 31, 2018 9:11 pm

Ela se manifesta na consciência cujos sentimentos constituem o espelho.
Através das sensações, no seu sentido mais amplo, a alma se manifesta.
Escutando a alma, conectados à sua sabedoria interior, desligamos dos padrões, normas, ambientes, pessoas e filosofias contrárias à nossa felicidade e inadequadas ao caminho particular de aprimoramento.
Saber o que nos convêm, saber o que é útil, exige dilatado discernimento aliado ao tempo.
Quando usamos os rótulos certo/errado, fomentamos a culpa e a punição.
Quando sabemos o que nos convém, agimos e escolhemos com responsabilidade na condição de autores do nosso destino.
Quando amadurecemos, percebemos que certo e errado se tornam formas de entender, experiências diversificadas.
O caminho de ascensão para todos nós, Filhos de Deus, é o mesmo, apenas muda a maneira de caminhar.
Cada criatura tem seu passo, seu ritmo, sua história.
Reflectindo sobre conceitos, teçamos algumas ilações para que não nos confundamos:
grande distância separa o processo de individuação da atitude de individualismo.
Na individuação encontramos a necessidade, enquanto no individualismo temos a prevalência do interesse pessoal.
Na individuação temos a alma; no individualismo, a personalidade.
Na individuação temos a consciência; no individualismo, o ego.
Na individuação existem descoberta e criatividade; no individualismo, a imitação e a disputa.
Na individuação temos o preparo e o amadurecimento; no individualismo, a precipitação.
Na individuação experimentamos a realização pessoal; no individualismo, a insaciedade.
A individuação é fruto do amor; o individualismo é a leira do egoísmo.
Na individuação floresce o crescimento espiritual; o individualismo é a sementeira do egoísmo.
O individualista, queira ou não, também caminha em seu processo de individuação.
Evidentemente, com menos consciência e suas reais necessidades, permitindo larga soma de interesses particularistas.
Sabendo que todos rumam para o melhor, Jesus, em Sua excelsa sapiência, estabeleceu:
"Vós julgais segundo a carne, eu a ninguém julgo." (João, 8:15)
Se Ele, que podia, não julgou, por que nós, que d'Ele seguimos os ensinos, vamos agir como quem pode escutar os alvitres da alma alheia na tentativa de definir o que é certo ou errado?
Qual de nós estará em condição de nutrir certeza se a atitude do próximo é uma expressão de individuação ou um cativeiro de personalismo?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 31, 2018 9:11 pm

CAPÍTULO 02 - RECEITUÁRIO OPORTUNO
"Tereis, contudo, razão, se afirmardes que a felicidade se acha destinada ao homem nesse mundo, desde que ele a procure, não nos gozos materiais, sim no bem."
O Evangelho Segundo o Espiritismo - capítulo XI - item 13

Desde o seu desenlace do corpo físico, Doutor Inácio Ferreira tem como tarefa matutina receber doentes em seu consultório no Hospital Esperança.
Algumas vezes, devido ao agravamento dos quadros psíquicos, alguns pacientes são acolhidos em alas específicas de recuperação.
Acompanhando-o muitas dessas visitações de amor, viemos a conhecer o caso Anselmo, líder espírita experiente e valoroso por mais de quarenta e cinco anos no Triângulo Mineiro.
Ao chegar à ala, foi recebido por Manoel Roberto, o enfermeiro dedicado ao velho companheiro desde os tempos do sanatório psiquiátrico uberabense.
Informado sobre o agravamento do quadro, Doutor Inácio abordou o paciente:
- Anselmo! Anselmo!
Como passa meu bom amigo?
- Péssimo!
- Por quê meu filho?
- O senhor tem conhecimento do que passei durante a vida física?
- Sim. Estudo sua ficha há vários dias.
- Então deve saber que um terrível estado de desgosto íntimo acompanhou toda a minha vida.
Fiquei firme na actividade espírita na esperança de ter um pouco de sossego neste plano, mas parece que não terei, não é mesmo?
- Cada qual colhe o que plantou!...
- Pois vou dizer ao senhor:
só não suicidei no corpo por saber das dificuldades de tal ato.
Vontade não me faltou, pois a cada dia que passava, angustiava ver minha penúria.
Oração, trabalho e estudo não me curaram a tormenta.
Contudo, minha alternativa foi continuar a trabalhar e esperar para depois da morte o alívio, a libertação.
Agora chego aqui e o que tenho?
Mais tormenta, remédios e internação.
- E como se sente diante disso?
- Eu quero matar a vida, já que não tive coragem de matar o corpo.
Doutor, é possível se suicidar por aqui?
É possível? Se for, pode me ensinar?!
- Sossegue, homem!
Depois de quatro crises ainda pensa nisso?
Faça um esforço maior!
- Esforço?! Mais do que fiz na Terra?
Para quê? Meus problemas começaram ao reencarnar e continuam depois do meu retorno.
Para mim chega de lutas!
- Todos temos problemas, meu filho!
- Vá me dizer que o senhor, como médico nessa casa de luz, tem algum problema!
Quem está deitado e queixando sou eu, e não o senhor!
- Tenho mais problemas do que você possa imaginar!
Em verdade, Anselmo, nossos problemas iniciaram quando "apartamos" de Deus.
Isso se deu há milénios sem conta...
- Eu sou deportado de outro mundo, não sou?
- Deixemos esse assunto para outra hora - esquivou-se o servidor.
- Nunca tive prazer de viver na vida física.
Não sei e nem se sei bem o que é isso.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 31, 2018 9:11 pm

Não devemos mesmo ser deste mundo.
Contudo, se aspiro ser feliz, devo ter experimentado isso algum dia.
O senhor concorda comigo?
- Certamente!
- Achei que morrendo, depois de tanta dor, fruiria o bem-estar, a paz.
Entretanto, creio que devo ter esquecido algo durante a vida corporal...
Estranho, Doutor Inácio!
Já morri e continuo com vontade de morrer.
O que é isto meu Deus?!
Quando vai terminar este inferno na mente?
Qual a minha doença?
- Depressão!
- Depressão?!
E como curar isto?
- Aprendendo a viver.
- Eu não tenho depressão.
Pessoas com depressão não lutam como eu lutei.
- Posso lhe aplicar um teste, se você desejar.
- Aplique.
- Responda com sinceridade:
você sentia desânimo, inconformação e angústia com frequência na vida física?
- Sim. Muito.
- Isso é depressão.
- Mas nunca nenhum médico jamais diagnosticou!
No máximo falavam em cansaço.
- Depressão é cansaço de viver, meu filho.
- E como não sentir isso com a vida que tive?
- A pergunta está mal formulada, Anselmo.
Melhor seria dizer assim:
"E como não sentir isso deixando de aceitar a vida que tive!"
Depressão é não aceitar a vida como ela é.
- Mas fui resignado.
- O que você entende por resignação?
- Suportar as provas da vida com paciência.
- Não é isso!
- Não?! Então o que é Doutor Inácio?
- Você esqueceu uma parte essencial em seu conceito.
É suportar as provas da vida com paciência e jamais desistir de buscar-lhes a solução.
- Eu fiz isso! - alegou o paciente.
- Não fez! - retrucou o psiquiatra com sua típica franqueza e ironia.
- Fiz!
- Não fez! Tenho sua ficha e quem o encaminhou para cá me deu detalhes de sua existência.
Digamos que você fez isso até por volta dos quarenta anos de idade, em seus primeiros quinze anos de Espiritismo, depois só se queixou.
Você desistiu sem assumir que desistiu.
Não faliu, porém, deixou de crescer tanto quanto podia.
Você cansou por dentro, e não admitiu.
Os outros trinta anos passaram na revolta e com esperança de morrer logo para fruir.
Continuou sua tarefa por fora, esquivando-se do dever da melhora por dentro.
Instalou-se o vazio e a vida passou.
Você foi traído pela famosa frase de muitos cristãos distraídos que esbanjam tempo e oportunidades.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 31, 2018 9:11 pm

- Que frase, Doutor?
- As famosas frases proferidas por todos aqueles que se deixaram abater pelo egoísmo e se cansaram das refregas doutrinárias:
"Agora vou cuidar de mim, dar um tempo para mim mesmo!
Chega dos espíritas!"
Nesse ínterim, Anselmo modificou sua fisionomia por completo e começou a esbravejar:
- Já ouvi falar na "segunda morte".
Ela existe mesmo Doutor?
Se existir, prefiro-a a ter que viver.
Quero voltar aos reinos inferiores!
As coisas não foram como desejei na Terra e, pelo visto, não serão a contento por aqui também.
- A vida o espera rica de oportunidades.
Só você não consegue perceber!
- Nada deu certo na minha vida!
Não quero tentar mais!
- Engano, meu filho!
Talvez, nada tenha saído como você desejou.
Isso não significa que não deu certo.
Em verdade, deu certo e você não entendeu.
- Se tivesse dado certo, eu não estaria nestas condições.
- Você está nestas condições porque não aceitou; é bem diferente!
- Não aceito mais nada da vida.
Chega! Inclusive não quero o senhor como o meu médico!
- Isso é fácil de resolver.
De facto, não sou dos melhores!
Existe sempre uma resposta honesta nos lábios do Doutor Inácio.
- Eu não quero viver, Doutor Inácio!
O senhor entende? - falou aos prantos.
Para mim, chega de existir; eu não quero ser nada.
Aliás - disse com ódio nos olhos - eu quero ser um verme rastejante que não precisa pensar e se cuidar!
Ajude-me, Doutor Inácio!
Mate-me, pelo amor de Deus!
Um choro convulsivo tomou conta de Anselmo.
Na medida em que aumentava o extravasamento da dor, ele se contorcia pelo leito.
Doutor Inácio, percebendo a gravidade, fez um sinal com a cabeça e alguns enfermeiros atentos e delicados lhe sedaram com elevada dose de soníferos.
Algumas técnicas de dispersão e aspersão de fluidos foram ministradas quando o paciente adormeceu.
Parecia agora uma criança em profundo descanso.
- Vamos retirá-lo desta ala, Doutor? - Indagou Manoel Roberto.
- Vamos levá-lo para as incubadoras.
- Para as incubadoras? Mas...
- Eu já sei o que vai dizer, Manoel!
O caso, porém, exige atenção.
- Pensava que as incubadoras fossem apenas para os que se encontram na "segunda morte".
- À priori sim.
Casos como o de nosso amigo com crises tão sucessivas podem atingir esse patamar instantaneamente, se não conseguir redireccionar seu pensamento.
Esta é a sua quinta crise.
- Se ele estivesse nas mãos de alguma "organização do mal"!
- Se estivesse lá, já não seria gente.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 31, 2018 9:12 pm

Com este estado mental, já o teriam transformado no que desejassem, inclusive em "mentor de centro espírita" considerando a vasta experiência doutrinária que tem.
- Vamos transportá-lo aos saguões restritos - solicitou Manoel Roberto a alguns padioleiros.
- Amanhã retornarei ao caso, Manoel.
Estudaremos uma junta médica o seu histórico e levantaremos uma análise profunda.
No dia seguinte, reuniram-se em pequena sala nos pavilhões inferiores do nosocómio o Doutor Inácio, Dona Modesta, Manoel Roberto, dois psiquiatras da alma e alguns experientes tarefeiros dos abismos.
A reunião para estudar o caso Anselmo iniciou-se com a oração dirigida a Jesus.
Dona Modesta, na condição de médium, percebeu irradiações da mente de elevada entidade protectora dos vales da sombra e da dor.
Tratava-se de Isabel de Portugal, a Rainha e Santa Mãe dos pobres.
Uma pequena mensagem fluiu pela psicofonia da médium, que não tinha conhecimento detalhado do caso em estudo:
- "Anselmo é uma esperança dos céus.
Sua alma ergueu-se dos lamaçais da penúria e do mal, atingindo as margens seguras do desejo de ser melhor.
Saindo das cavernas do exclusivismo e da solidão, formou família e projectou-se ao educandário da convivência.
Premido pelas decepções e desgostos, ainda frágil e inseguro, resvalou novamente para o ócio, criando uma redoma no coração temeroso e assustado. Lutou quanto pôde pela conduta recta, considerando a fragilidade de suas forças.
O Espiritismo fez luz em sua mente, prevenindo-o de quedas bruscas.
Seu coração, no entanto, encontra-se encharcado pela tristeza face os desatinos de outros tempos, pelos quais ainda não realizou o suficiente.
Conceda-lhe, em nome de Jesus Cristo, o repouso temporário.
Internem-no por alguns meses na "incubadora da inconsciência" sob meu aval.
Paz em Cristo, Isabel.
- Agradecemos a ti, oh Rainha do Amor!
Os teus alvitres amoráveis nos calam fundo na alma - expressou Doutor Inácio com gratidão.
A reunião prosseguiu sob a inspiração da mensagem alentadora.
Dona Modesta expressou-se:
- Meu Deus!
Como têm aumentado os casos de espíritas neste quadro!
- Não poderia ser diferente - asseverou Doutor Inácio.
- Como classificar semelhante estado da alma?
Será mesmo depressão? - indagou Manoel Roberto.
- Sim. Em conceito mais vasto, evidentemente.
Não falo da depressão à qual os homens se referem nos respeitáveis códigos de doenças da medicina.
- Faça uma síntese do quadro, Inácio - solicitou Dona Modesta.
- Ao renascer, o Espírito imprime no corpo os reflexos de sua vida emotiva determinando os caracteres biológicos que melhor atendam a suas necessidades de aperfeiçoamento.
Muitas criaturas, neste tempo de transição planetária, passaram longo período em "incubação psíquica" no vales sombrios nos quais adquiriram os traços do derrotismo e da "não vida".
Sob o jugo de mentes perversas, esses irmãos, foram conduzidos aos charcos da "morte interior".
São hipnotizados pela ideia de não merecerem existir após quedas lamentáveis exploradas por essas hordas do mal.
Assim, regressam ao corpo sem desejo de viver.
Uma "depressão induzida".
Uma terrível atracção para a paralisia, a culpa e a insatisfação.
Desapontados e contrariados em anseios pessoais, só lhes resta desistir e parar.
Essa é a ordem mental doentia que colheram em tais regiões.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 01, 2018 8:02 pm

- E quando encarnados? - atalhou Manoel Roberto.
- Quando encarnados, sentem-se desajustados com o acto de viver e lutar pela sobrevivência.
"Negam" psicologicamente a vida física, a ordem social e o próprio corpo.
Quando conseguem algo que os motive, logo perdem o encanto.
São desajustados com a vida.
- Quando são espíritas, a situação parece ser bem pior! - asseverou Dona Modesta.
- É verdade, Modesta!
Como são almas que se sentem inferiores, quando aderem ao Espiritismo e começam uma caminhada valorosa, saltam para o outro extremo, isto é, sentem-se os mais valorosos do planeta.
Passam a se julgar muito capazes e com muitas respostas.
Facto que não deixa de ter sua parcela de verdade.
Todavia, valorizam-se em excesso e criam o jogo das aparências, os estereótipos com os quais tentam crer-se mais fortes que realmente sentem-se.
É a táctica do orgulho que procura abafar a inferioridade e carcome o mundo íntimo.
Para se protegerem de seus complexos de fragilidade, desenvolvem crenças de grandeza com as quais se sugestionam ante a vida para dar conta do próprio acto de existir.
- Não compreendi! - externou com humildade o enfermeiro.
- Muitos deles não têm coragem de admitir, mas detestam viver e ser quem são.
Por isso adoram as cantilenas de grandeza e as melodias da ilusão.
Se não conhecessem a doutrina, possivelmente, muitos deles, exterminariam a vida. É lamentável!
Conhecem abundantemente sobre o mundo dos Espíritos e sabem uma miséria sobre si próprios...
- Inácio, terá sido essa a razão pela qual Isabel ressaltou o progresso de Anselmo?
- Sim, Modesta!
Pelo menos no caso de Anselmo, encontramos crescimento.
- Nos demais... - insinuou Dona Modesta.
- Anselmo chegou aqui adoecido.
A maioria nem chega... - concluiu o médico.
- Por essa razão, não podemos estipular índices de comportamento para ninguém.
Sem conhecer sua história evolutiva, acabamos nos julgamentos estéreis e anti fraternos - acrescentou Dona Modesta.
Alguns dos trabalhadores presentes externaram suas participações com sabedoria.
Um psiquiatra da alma, cooperador nas responsabilidades do Doutor Inácio no Hospital, habituado ao episódio, destacou:
- Imperioso levar aos amigos espíritas no mundo um receituário oportuno.
Nossos irmãos precisam ingerir com frequência três medicações indispensáveis.
- Quais? - mostrou-se curioso Manoel Roberto.
- A primeira é acreditar que merecem a felicidade, assim como todos os seres humanos.
E a segunda é parar de encontrar motivos externos para suas dores, descobrindo-lhes as causas íntimas.
- E a terceira?! - indagou curioso um dos presentes ao debate.
Pedindo licença, foi o próprio Doutor Inácio quem respondeu:
- A terceira é parar de pensar em felicidade para depois da morte e tentar viver a vida do modo ou mais feliz possível.
Há muito espírita que faz da actividade doutrinária um "depósito bancário" com intuito de "sacar tudo depois da morte".
Em casos como o de Anselmo, chegam aqui e encontram suas "contas correntes" zeradas.
Sendo assim é justo que perguntem sobre a razão, mas não é justo que se queixem de ninguém, a não ser de si mesmos.
O Livro dos Espíritos na questão 920 fala sobre o assunto afirmando:
"dele, porém, depende a suavização de seus males e o ser tão feliz quanto possível na Terra." - e arrematou o médico uberabense:
- tudo depende do bem que semearmos e da atenção que damos às nossas reais intenções d crescimento.

(Nota do médium: Vide o capítulo "Ovoidização" na obra mediúnica "Ícaro Redimido" - Espírito Adamastor - editora INEDE.)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 01, 2018 8:02 pm

CAPÍTULO 03 - EDUCAÇÃO PARA O AUTO-AMOR
"O amor é de essência divina e todos vós, do primeiro ao último, tendes, no fundo do coração, a centelha do fogo sagrado".
- Fénelon. (Bordéus, 1861). O Evangelho Segundo o Espiritismo - capítulo XI - item 9.

O mais ingénuo ato de amor a si consiste na laboriosa tarefa de fazer brilhar a luz que há em nós.
Permitir o fulgor da criatura cósmica que se encontra nos bastidores das máscaras e ilusões.
Somente assim, escutando a voz de nosso guia interior, nos esquivaremos das falácias do ego que nos inclina para as atitudes insanas da arrogância.
Quando não nos amamos, queremos agradar mais aos outros que a nós, mendigamos o amor alheio, já que nos julgamos insuficientes ou incapazes de nos querer bem.
Neste momento de perspectivas alvissareiras com a chegada do século XXI, a esperança acena com horizontes iluminados para a caminhada de ascensão espiritual da humanidade.
O resgate de si mesmo há de se tornar meta prioritária das sociedades sintonizadas com o progresso.
O bem-estar do homem, no seu mais amplo sentido, se tornará o centro das cogitações da ciência, da religião e de todas as organizações humanas.
Perante esse desafio social, sejamos honestos acerca do quanto ainda temos por laborar para erguer a comunidade espírita ao patamar de "escola capacitadora de virtudes" em favor das conquistas interiores.
Quantos se encontrem investidos da responsabilidade de dirigir e cooperar com os grupamentos do Espiritismo, priorize como compromisso essencial de suas vinhas o ato corajoso de trabalhar pela formação de ambientes educativos, motivadores da confiança espontânea e do comprometimento pelo coração.
Trabalhar pela felicidade do homem deve ser o objectivo maior das agremiações doutrinárias orientadas pela mensagem de amor do Evangelho.
Os modelos e conceitos inspirados nos princípios espíritas que não se adequarem à condição de instrumentos facilitadores para a alegria e a liberdade haverão de ser repensados.
Não podemos ignorar factores de ordem educacional e social que estimulam vivências íntimas da criatura em sua caminhada de aprendizado.
As últimas duas gerações que sofreram de modo mais acentuado os processos históricos e colectivos da repressão atingem a meia idade na actualidade.
Renasceram ao longo das décadas de cinquenta e sessenta e se encontram em plena fase de vida produtiva, sofridas pelas sequelas psicológicas marcantes de auto-desamor.
Outro factor, mais grave ainda, são as crenças alicerçadas em sucessivas vidas reencarnatórias que constituem sólida argamassa psicológica e emocional, agindo e reagindo, continuamente, contra os anseios de crescimento íntimo.
O complexo de inferioridade é a condição cármica criada pelo homem em seu próprio desfavor.
Nada, porém, é capaz de bloquear ou diminuir o fluxo de sentimentos naturais e divinos que emanam da alma como apelos de bondade, serenidade e elevação.
Nem a formação educacional rígida ou os velhos condicionamentos são suficientes para tolher a escolha do homem por novos aprendizados.
O self emite, incessantemente, energias sublimadas, a despeito dos factores sociais e reencarnatórios que agrilhoam a mente aos cadinhos regenerativos do conflito e da dor.
Paulo, o apóstolo de Tarso, asseverou:
"Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço".
(Romanos, 7:19).
Contra os objectivos da vida profunda, temos forças viva em nós mesmos como efeitos de nossos desatinos nas experiências pretéritas.
Considerando essa manifestação celeste do "ser profundo", compete-nos talhar condições favoráveis para o aprendizado das mensagens da alma.
Aprender a ouvir nossos sentimentos verdadeiros, os reclames do Espírito que somos nós mesmos.
A palavra educação vem do latim educar ou educere.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 01, 2018 8:03 pm

Provérbio: e. Verbo: ducare, ducere.
Seu significado é trazer à luz uma ideia, levar para fora, fazer sair, extrair.
Essa a tarefa dos centros espíritas: oferecer condições para que o homem extraia de si mesmo seu valor divino na Obra da Criação.
Em nossos projectos de religiosidade no centro espírita, o auto-amor deve constituir lição primordial.
Espiritualidade significa grandeza de sentimentos para viver.
Essa é a visão do centro espírita em sintonia com a alma do Espiritismo, uma verdadeira noção de imortalidade sentida e aplicada.
O auto-amor é um aprendizado de longa duração.
Conectar seu conceito a fórmulas comportamentais para aquisição de felicidade instantânea é uma atitude própria de quantos se exasperam com a procura do imediatismo.
Amar é uma lição para a eternidade.
Que habilidades emocionais temos que desenvolver para o auto-amor?
Que cuidados adoptar para aprendermos uma relação de amorosidade connosco?
Como alcançar a condição de núcleos avançados para desenvolvimento dos valores da alma?
Que iniciativas tomar para que as casas espíritas sejam redutos de aprimoramento de nossos sentimentos e escolas eficientes de criatividade para superação de nossas dores?
Que técnicas e métodos nos serão úteis para incentivar a alegria e a espontaneidade afectiva?
Como implementar escolas do sentimento em nossos grupos doutrinários de estudo sistematizados?
Que temas enfocar na melhor compreensão das manifestações profundas da alma?
Fala-se, em nossos ambientes de educação espiritual, que não somos bons ouvintes.
De facto, uma das habilidades que carecemos aperfeiçoar nas relações interpessoais é a arte de ouvir.
Mas, da mesma forma que guardamos limitações para ouvir o outro, também não sabemos ouvir a nós mesmos.
Que técnicas adoptar para estimular nossa habilidade de ser um bom ouvinte?
Ouvir a alma é aprender a discernir entre sentimentos e o conjunto variado de manifestações íntimas do ser, sedimentadas na longa trajectória evolutiva, tais como instintos, tendências, hábitos, complexos, traumas, crenças, desejos, interesses e emoções.
Escutar a alma é aprender a discernir o que queremos da vida, nossa intenção-básica.
A intenção do Espírito é a força que impulsiona o progresso através do leque dos sentimentos.
A intenção genuína da alma reflecte na experiência da afectividade humana, construindo a vastidão das vivências do coração - a metamorfose da sensibilidade.
A conquista de si mesmo consiste em saber interpretar com fidelidade o que buscamos no ato de existir, a intenção magnânima que brota das profundezas da alma em profusão de sentimentos.
Os discípulos sinceros do Espiritismo reflictam na importância do auto-amor como condição indispensável ao bom aproveitamento da reencarnação.
Estar em paz consigo é recurso elementar na boa aplicação dos Talentos Divinos a nós confiados.
Amar-se não significa laborar por privilégios e vantagens pessoais, mas o modo como convivemos connosco.
Resume-se, basicamente, como tratamos a nós próprios.
A relação que estabelecemos como nosso mundo íntimo.
Sobretudo, o respeito que exercemos àquilo que sentimos.
A auto-estima surge quando temos atitude cristã com nossos sentimentos.
O amor a si não se confunde com o egoísmo, porque quem tem atitude amorosa consigo está centrado no self.
Deslocou o foco de seus sentimentos para a fonte de sabedoria e elevação, criando ressonância com o ritmo de Deus.
Amar-se é ir ao encontro do Si Mesmo como denominava Jung.
Alinhavemos alguns tópicos sugestivos que poderão constar no programa de debates para reeducação da vida emocional e psicológica à luz dos fundamentos do Espiritismo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 01, 2018 8:03 pm

Tomemos por base a análise educacional de Allan Kardec que diz na questão número 917 de O Livro dos Espíritos:
"A educação convenientemente entendida, constitui a chave do progresso moral.
Quando se conhecer a arte de manejar os caracteres, como se conhece a de manejar as inteligências, conseguir-se-á corrigi-los, do mesmo modo que se aprumam plantas novas.
Essa arte, porém, exige muito tato, muita experiência e profunda observação.
É grave erro pensar-se que, para exercê-la com proveito, baste o conhecimento da Ciência".
. Responsabilidade - Somos os únicos responsáveis pelos nossos sentimentos.
. Consciência - O sentimento é o espelho da vida profunda do ser e expressa os recados da consciência.
Nossos sentimentos são a porta que se abre para esse mundo glorioso que se encontra "oculto", desconhecido.
- Ética para connosco - Somos tratados como nos tratamos.
Como sermos merecedores de amor do outro, se não recebemos nem o nosso próprio?
- Juízo de valor - Não existem sentimentos certos ou errados.
- Automatismos e complexos - O sentimento pode ser sustentado por mecanismos alheios à vontade e à intenção.
- Auto-amor é um aprendizado - Construir um novo olhar sobre si, desenvolver sentimentos elevados em relação a nós, constitui um longo caminho de experiências nas fieiras da educação.
Domínio de si - Educar sentimentos é tomar posse de nós próprios.
- Aceitação - Só existe amor a si através de uma relação pacífica com a sombra.
- Renovação do sistema de crenças - Superar os preconceitos.
Julgamentos formulados a partir do sistema de crenças desenvolvidas com base na opinião alheia desde a infância.
- Acção no bem - Integração em projectos solidários.
A aquisição de valor pessoal e convivência com a dor alheia trazem gratidão, estima pelas vivências pessoais.
Cuidando bem de nós próprios, somos, simultaneamente, levados a estender ao próximo o tratamento que aplicamos a nós, independente de sermos amados, passamos a experimentar mais alegria em amar.
A ética de amor a si deve estar afinada com o amor ao próximo.
-Assertividade - Diálogo interno.
Uma negociação íntima para zelar pelos limites do interesse pessoal.
-Florescer a singularidade - O maior sinal de maturidade.
Estamos muito afastados do que verdadeiramente somos.
Ter as rédeas de si mesmo - Para muitos o personalismo surge nesse ato de gerir a vida pessoal com independência.
Pelo simples facto de não saberem como manifestar seus desejos e suas intenções, abdicam do controle íntimo e submetem-se ao controle externo de pessoas e normas.
- Construção da autonomia - Autonomia é capacidade de sustentar sentimentos nobres acerca de nós próprios.
- Identificação das intenções - aprender a reconhecer o que queremos, qual nossa busca na vida.
Quase sempre somos treinados a saber o que não queremos.
Sentir-se bem consigo é sinónimo de felicidade, acesso à liberdade.
É permitir que a centelha sagrada de Deus se acenda em nós.
Conhecer a arte de manejar caracteres.
Portanto, a feliz colocação de Fénelon merece a nossa mais ardorosa atenção:
O amor é essência divina e todos vós, do primeiro ao última, tendes, no fundo do coração, a centelha desse fogo sagrado.
Não esqueçamos a recomendação de Lázaro:
" O Espírito precisa ser cultivado, como um campo.
Toda a riqueza futura depende do labor actual, que vos granjeará muito mais do que bens terrenos: a elevação gloriosa."
(O Evangelho Segundo o Espiritismo - capítulo XI - item 8)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 01, 2018 8:03 pm

Capítulo 04 - Infortúnio Oculto nos Grupos Doutrinários
"Mas, a par desses desastres gerais, há milhares de desastres particulares, que passam despercebidos: os dos que jazem sobre um grabato sem se queixarem.
Esses infortúnios discretos e ocultos são os que a verdadeira generosidade sabe descobrir, sem esperar que peçam assistência."

O Evangelho Segundo o Espiritismo - capítulo XIII - item 4

Com muita frequência, constatam-se medidas e alertas de vigilância contra o orgulho nos abençoados ambientes doutrinários.
Verdadeira campanha espontânea tomou conta da seara em torno dos cuidados que se deve ter acerca dos efeitos nocivos do personalismo.
Ninguém há de contestar o valor de tais iniciativas.
Entretanto, enquanto empenhamo-nos contra esse costume, perceptível pela ostentação com a qual se manifesta, extensa gama de discípulos padece com outro traço moral enfermiço, nem sempre tão evidente na conduta humana:
a baixa auto-estima.
Um infortúnio oculto que solicita nossa atenção.
A sensibilidade humana tem sido insuficiente para detectar o caos interior em que vivem inúmeras criaturas, escondendo-se por trás das máscaras sociais, temendo tornarem conhecidos seus dramas inenarráveis que configuram um autêntico quadro de "loucura controlada".
A mesma raiz que vitaliza a vaidade é responsável pela carência de estima pessoal.
O orgulho que procura brilhar no palco do prestígio, assim como a atitude de desamor a si mesmo, são manifestações do sentimento de menos valia ou complexo de inferioridade, que toma conta de multidões sem conta no orbe terreno.
Podemos facilmente confundir atitudes de baixa auto-estima com comportamentos personalistas.
Criaturas com escassez de auto-amor lutam para preservar suas reais intenções demonstrando, para tal, pouca ou nenhuma habilidade através de atitudes desconectadas de seus verdadeiros sentimentos; adoptam condutas defensivas que podem ser interpretadas como individualismo e ingratidão.
No fundo se debatem com a incapacidade de estabelecerem limites de protecção ao mundo dos seus sentimentos pessoais.
Estão em conflito e reagem de modo nem sempre adequado ante aquilo que lhes constitui ameaça, deixando clara a complexidade da alma humana que, para ser entendida em suas acções e reacções, solicita-nos ampliada complacência e largo discernimento.
Quem analisa um orador, um médium, um dirigente, um tarefeiro iluminado com as luzes da cultura espírita se, enquanto em suas movimentações doutrinárias, não imagina a dor íntima que atinge muitos deles na esfera de suas provas silenciosas no reino do coração.
Solidão, abandono, conflitos, medo, frustrações, impotência e outros tantos sentimentos estruturam um dilacerante estado de instabilidade e vulnerabilidade, que retractam velhas feridas evolutivas da alma.
Neste momento de tormentas atrozes e de frustrações sem fim, conclamemos o valoroso movimento em torno das ideias espíritas ao serviço inadiável de incentivar o fortalecimento da estima e do valor pessoal.
A casa espírita, como avançado núcleo de enfermagem moral, necessita ser o local da educação para que o homem se livre de suas ilusões e promova-se, definitivamente, a legatário de sua Herança Cósmica.
Imperioso que os dirigentes tenham lucidez, porque essa missão somente será cumprida com acolhimento fraternal, estímulo à autonomia, tolerância com os limites alheios e tempo.
Decerto, a idolatria e a purpurina da lisonja são indispensáveis.
O privilégio e a exaltação são incoerentes com o espírito da espontaneidade.
O Espiritismo, convenhamos, combate a atitude egoísta proposital, exclusivista, mas não propõe a morte dos valores individuais que podem e devem fazer parte da comunidade como factor gerador de bênçãos, alegrias e exemplo estimulador.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 82987
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESCUTANDO SENTIMENTOS - Ermance Dufaux / Vanderley Pereira

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 4 1, 2, 3, 4  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum